sábado, 11 de setembro de 2010

Como anda a eleição presidencial nos estados

Dilma 50 X Serra 27

By: OniPresente
Colaborou João Rocha, de Caraguatatuba

O bode expiatório

Os antigos donos do poder preparam-se para jogar sobre os ombros de José Serra a culpa pela próxima derrota.

Bom pai José Serra é. Mas basta isso para ser candidato à Presidência da República? Espantado, ouço estranhas, surpreendentes conversas pelos locais das horas felizes, os mesmos onde, até há pouco, pouquíssimo tempo, Serra era apontado como o aspirante “preparado”, concorrente, imbatível contra Dilma, “a guerrilheira” sem experiência eleitoral. Dramaticamente despreparada. Pois o tucano, conforme as falas que me cercam, começa a ganhar as inconfundíveis feições de bode expiatório. De certa forma, um Dunga da política.

Em 2002, Noblat já dizia a Serra: às favas com escrúpulos

Para quem está estranhando os “conselhos” do jornalista Ricardo Noblat ao candidato José Serra, reproduzo um artigo dele, de 2002, ainda no Correio Braziliense, onde dizia como deveria o então candidato tucano à sucessão de Fernando Henrique Cardoso agir na campanha eleitoral contra Lula. Os grijos são meus.
“Goste-se ou não do que está fazendo José Serra no segundo turno, ele está fazendo tudo certinho, tudo de acordo com apuradas análises de pesquisas de intenção de voto e as leis universais do marketing político. Um candidato na situação dele e que acha só ter essa chance de se eleger presidente da República, tem de fato de deixar os escrúpulos de lado e partir para cima do adversário. Mais ainda se está a anos-luz de distância dele na preferência dos eleitores.
Serra tem de provocar Lula, sim, para debates. Tem que fazer isso diariamente. E tem que usar a Regina Duarte, sim, para assustar as pessoas insinuando que uma possível eleição de Lula trará de volta a inflação e desestabilizará o país. O próprio Serra terá de insistir na comparação do Brasil de Lula com a Venezuela de Hugo Chaves (sic), sem se importar com o fato de que presidente algum na América do Sul deu mais força a Chaves do que Fernando Henrique Cardoso.
O candidato do governo tem de passar ao largo dos problemas deixados por Fernando Henrique ao seu sucessor e se concentrar naqueles que a administração do PT enfrenta em diversas capitais como Porto Alegre, São Paulo e Recife. Falar dos problemas que Fernando Henrique não conseguiu resolver em oito anos é tarefa de Lula. A tarefa de Serra é falar dos problemas que os aliados de Lula não resolveram, não estão sabendo resolver ou são incompetentes para resolver.
A essa altura, Serra parece pouco se lixar até mesmo para eventuais problemas que ele possa estar criando e que complicarão ainda mais o desfecho do governo de Fernando Henrique. E ele está criando, sim. Ou agravando os problemas atuais. Pela delicadeza do cenário econômico interno e externo, é perigoso um candidato acenar com o caos na hipótese de vitória de outro. O perigo cresce se o profeta do caos tem o apoio do governo, da maioria dos empresários e dos investidores internacionais.
Foi por ter-se dado conta do risco embutido no recente discurso de Serra que Fernando Henrique se apressou em dizer que as instituições do país são sólidas. E que o país não sairá dos trilhos ganhe quem ganhar. Quer dizer: mesmo que Lula ganhe, Fernando Henrique não antevê o caos que Serra diz se esconder logo ali na esquina. A poucos dias da nova eleição, foi Serra e não Lula quem se tornou uma ameaça ao plano de Fernando Henrique de promover uma pacífica transição do poder.”
É preciso comentar? o original pode ser acessado pelo link:http://oglobo.globo.com/pais/noblat/publicacoesdonoblat.asp

Carta enviada à revista Veja por Richard Simonetti

Richard Simonetti - Escritor Espírita
Como espírita, assinante dessa revista há muitos anos, lamento o tom de deboche que caracterizou sua reportagem sobre o filme Nosso Lar, o que, diga-se de passagem, também está presente em matérias sobre outras religiões. Nesse aspecto, VEJA é uma revista coerentemente debochada.
Não respeita a crença de nenhum leitor.

Começou a circular o Expresso

O que a velha mídia não entendeu ainda é que para cada ação que eles difundem em progressão aritimética (2+2+2...), uma ação contrária de mesma força e intensidade se propaga na rede, só que em progressão geométrica (2x2x2...). 
A rede é agregadora. 
A informação é uma mercadoria que, para eles, ainda têm custo de produção altíssimo: em tempo e em dinheiro. 
Na rede não, é tudo grátis. Quando se trata de um factóide, ou de uma notícia distorcida então, pior, porque ela se desmonta na rede em questão de horas, às vezes minutos. 
A rede funciona assim: alguém encontra uma informação e passa adiante. Esse alguém ganha em troca relevância e, consequentemente, seguidores e mais informações de volta. Nesse ambiente, pequenos internautas solitários ganham notoriedade. 
Veja o exemplo do Stanley Burburinho, que tive a honra de entrevistar anteontem. Muita gente duvida até que ele exista! O mérito dele e de tantos outros é saber agregar conteúdo, checando, filtrando e confrontrando. 
É assim que a "blogolândia" tem ganhado todas até agora. É como trocar tração animal por tração à vapor. Com menos energia é possível produzir a força de mil cavalos! 
Portanto, senhoras e senhores, nós estamos vencendo. 
Bem-vindos ao admirável mundo novo. 
Estamos diante de uma revolução sem precedentes e sem volta. 
Quem quiser aderir ainda dá tempo. Tem espaço de sobra para muitos nesse expresso. 

Serra diz que "industria de blogs" se dedica à "difamação"

Aqui, tucano, ó

Atormentado por sua  própria existência, Serra atribui ruína eleitoral a blogs “pés-de-chulé”
Durante o chá-das-cinco a que foi submetido pelo – perdão – jornal O Globo nesta sexta-feira, o candidato do PSDB à Presidência da República, Zé Chirico, voltou ao lero-lero de que está sendo vítima de uma “rede suja de blogs”. "É um negócio horroroso. Vocês não imaginam a sujeira que é isso", disse o pobre diabo ao longo da papagaiada do jornalão carioca.
O tucano relembrou que as acusações na internet são antigas. "Desde 2006 havia dossiês.

De novo, vocês não imaginam a sujeira. Eles podem ter usado qualquer 'pé-de-chulé'", afirmou o candidato.
A notícia pode ser lida aqui
By: Cloaca News, via com textolivre

Aconselho Ler antes de outubro de 2010

Colaboração da leitora Izide, de Campinas

Queridos amigos
Realmente, é necessário ler com muito cuidado para não cair na arapuca do texto abaixo.
Primeiro, temos que saber que ter um nome conhecido, famoso, não é sinônimo de integridade de idéias, de isenção, de confiabilidade.
É muito fácil para celebridades, num país de muitos ignorantes e incautos como o nosso, valerem-se de sua fama para despejar um monte de palavras desconexas, mentirosas e até vazias de sentido, voltadas para um interesse pessoal ou corporativista que nem sempre é visível a olho nú.  A ironia que permeia o texto abaixo é um reforço a essa tese. 
Embora alguém, provavelmente um desses assustados descritos acima, tenha escrito,  "Artigo muito real"  é fácil entender como ele não só não é real, como é totalmente vazio.  
Penso ser objeto da área do conhecimento entendida como análise do discurso, tal verificação. (Agradeço qualquer orientação ou esclarecimento a respeito). Basta observar alguns verbos e palavras   empregados no texto: "pretendem calar ..., sinalizam com a idéia ..., pretendem suprimir ...,  projeto estatizante (que projeto????)...,  estuda-se retirar ..., projeto para permitir quebra ... (de novo, que Projeto???)" .  
Tratam-se de expressões vazias de significado, pois não encerram um ato em si, mas suposições de alguém sobre algo.  Nesse caso,  criações supostas por um Doutor a seu bel prazer, escritas em "juridiquês", próprias para assustar  pessoas simples que se impressionam com  linguagem.
Aliás, antes que me esqueça, esse doutor é um conhecido e antigo aliado tucano ....
Ficaria mais bonito se ao invés de ironizar, ele assumisse sua orientação política. 
Um abraço, Izide
 
POR  FAVOR  LEIAM  COM  MUITO  CUIDADO !!!

Retrato do (novo) Brasil


Empenhada em sua guerra santa para impedir a vitória deDilma Rousseff, ou, neste instante, que o seu candidatopredileto, José Serra, saia da eleição presidencial humilhado pela escassez de votos, a chamada grande imprensa deu pouca importância ao resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) relativa a 2009, importante levantamento sobre aspectos sociais do Brasil feita pelo IBGE e que mostra avanços em diversos indicadores, como o aumento do percentual de empregados com carteira assinada, de 58,8% em 2008 para 59,6% em 2009.

A mão invisível


Ainda ontem li, em um dos tantos blogs que visito, sobre o suposto poder de Serra e da oposição sobre a mídia.
É consenso na blogosfera achar que Serra e a oposição controlam a grande mídia brasileira. As manchetes dos jornais e revistas deixam bastante explícita a cumplicidade entre os dois, mas não deixam claro quem comanda e quem é comandado.
A lógica simplista diz que a oposição controla a mídia, parece que é isso que enxergamos, mas uma análise um pouco mais profunda mostra que não é exatamente assim.

Para pensar....

Enviado por José Magalhães, o Magal, , de Sorocaba
As vezes, nossa vida é colocada de cabeça para baixo, para que possamos aprender a viver de cabeça para cima" 

A crise política das elites brasileiras

Colaboração do leitor Germano, de Campinas


 
Por João Whitaker*

O discurso da “vida devassada” que a grande mídia está usando é de um elitismo sem tamanho. E por isso não pega nem na classe média que paga Imposto de Renda

Vocês repararam como no discurso oficial em torno do “escândalo” da Receita Federal aparece reiteradamente o argumento da “vida devassada” – no caso, a vida da Verônica Serra?

Em nome dos negócios, filha de Serra supostamente promoveu a maior-hiper-mega quebra de sigilos de toda a História do Brasil!


Filha de Serra fez a maior quebra de sigilos do mundo

A revista CartaCapital que está nas bancas traz reportagem de Leandro Fortes que vai calar o Zé Baixaria e seus auto-falantes do PiG.
Carta Capital: habituada a atropelar a concorrência raquiítica de Veja, Época etc
Por 15 dias no ano de 2001, no governo FHC/Serra a empresa Decidir.com [ capivara AQUI ] abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros.
É isso mesmo o que o amigo navegante leu: a filha de Serra abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros por 15 dias durante o governo FHC/Serra.
A Decidir.com é o resultado da sociedade, em Miami, da filha de Serra com a irmã de Daniel Dantas.
Veja aqui a prova da associação com documentos do Estado da Flórida, nos Estados Unidos.
O primeiro “plano de negócios” da empresa era assessorar licitações públicas.
Imagine, amigo navegante, assessorar concorrências !
A certa altura, em 2001, a empresa resolveu ser uma concorrente da Serasa.
Fez um acordo com o Banco do Brasil e através disso conseguiu abrir sigilos bancários.
O notável empreendimento de Miami conseguiu também a proeza de abrir e divulgar a lista negra do Banco Central.
O intrépido jornalismo da Folha fez uma reportagem sobre o assunto, mas motivos que este ordinário blogueiro não consegue imaginar, omitiu o nome da empresa responsável pelo crime.
A Folha divulgou ela própria o sigilo de autoridades que passaram cheques sem fundo.
O então presidente da Câmara, Michel Temer, oficiou o Banco Central.
E, a partir daí, operou-se um tucânico abafa.
O Banco Central não fez nada.
A Polícia Federal não fez nada.
O Ministério da Fazenda não fez nada.
O Procurador Geral da República não fez nada.
Faltava pouco para a eleição presidencial de 2002, quando José Serra tomou a surra de 61% a 39%.
A filha dele largou a empresa, provavelmente em nome dos mais altos princípios da Moral.
Mino Carta tem a propriedade de publicar reportagens que equivalem a tiro de misericórdia.
Quando dirigia a revista IstoÉ, publicou a entrevista do motorista que implodiu o governo Collor.
Agora, ele e Leandro, processados por Gilmar Dantas [ OBS: Conhecido pelo vulgo "Juiz Gilmar Mendes" - Nota deste blog ], dão o tiro de misericórdia na hipocrisia dos tucanos paulistas.
A partir desta edição da CartaCapital, a expressão “violar o sigilo” passa a ser uma ofensa à memória dos brasileiros.
Paulo Henrique Amorim

Folha usou dados vazados por Verônica Serra

Vejam que interessante. A Folha de S.Paulo em 30 de janeiro de 2001 publicou matéria usando dados vazados pelo site decidir.com, que tinha Verônica Serra e Verônica Dantas como sócias. (veja aqui). No texto, registram que o site "divulga na Internet dados comerciais e bancários sobre consumidores e correntistas de todo o país - o que é irregular, segundo as regras do BC. Vejam o texto, no arquivo para assinantes:
18 deputados emitiram cheques sem fundos
WLADIMIR GRAMACHO
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
Na República, ninguém emite mais cheques sem fundos do que deputados federais. No último dia 18, a "lista negra" do Banco Central, que guarda os nomes de quem tem pendências nas agências bancárias do país, flagrava 18 deputados com 153 cheques emitidos sem o devido saldo.
Entre senadores, ministros de Estado e ministros de tribunais superiores não houve nem sequer um registro de cheques sem fundos em suas contas correntes naquele dia, segundo levantamento feito pela Folha sobre dados bancários de 692 autoridades brasilienses.
As informações foram obtidas no site Decidir.com (www.decidir.com.br), que divulga na Internet dados comerciais e bancários sobre consumidores e correntistas de todo o país -o que é irregular, segundo as regras do BC.
A maioria dos deputados federais flagrados integra o chamado "baixo clero", como ficaram conhecidos os parlamentares de pequena expressão, que em geral apenas seguem as orientações dos líderes partidários.
Até mesmo o maior expoente desse grupo, o deputado federal Severino Cavalcanti (PPB-PE), candidato à presidência da Câmara, aparece na "lista negra", com cinco cheques devolvidos pela agência do Banco do Brasil instalada no prédio dos gabinetes de deputados. Em média, cada um tem valor de R$ 4.000.
"Eu fui traído por uma pessoa que depositou o cheque antes do prazo e desestabilizou minha conta", justifica Cavalcanti, que já pagou os cheques e agora aguarda que o Banco do Brasil retire seu nome da lista. "Isso para mim é um negócio terrível. Acaba comigo", disse o deputado, referindo-se à sua candidatura.
Além de candidato, Cavalcanti também é o corregedor-geral da Câmara, a quem compete investigar e denunciar parlamentares por quebra de decoro.
Mas, nesse caso, afirma que não há falta de compostura. "Isso acontece acidentalmente. Só valeria denunciar se houvesse alguém prejudicado", disse o corregedor.
Se fosse processar algum colega da "lista negra" do BC, Cavalcanti teria que começar pelo deputado Pedro Canedo (PSDB-GO), o recordista de cheques sem fundos, com 41 registros.
Desde 22 de abril de 1996, portanto há mais de quatro anos, existem 11 cheques sem fundos na agência 0005 da CEF (Caixa Econômica Federal).
E, desde o último dia 10 de janeiro, outros 30 cheques foram registrados na agência 2223 da Caixa, instalada nas dependências da Câmara dos Deputados.
"Isso é coisa de quem vive no baixo clero, capengando", afirma o deputado João Caldas (PL-AL), ao explicar o motivo de ter três cheques sem fundos no BB.
"Para atender os amigos, a gente tem que fazer o que não pode, um sacrifício. Tem muito pedido de matrícula, de pagamento de IPTU atrasado, de consórcio. E eu vou ajudando", explica o deputado, que aponta o salário baixo como razão dos calotes.
O salário dos deputados é de R$ 8.000, e alguns deles têm limites de cheque especial que superam os R$ 20 mil. Juntando tudo, dá mais de 180 vezes o salário mínimo em vigor, de R$ 151.
Dinheiro insuficiente para atender a todas as demandas da vida parlamentar, segundo a experiência do deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE), que tem cinco cheques pendentes na Caixa Econômica Federal, há um mês.
"Eu custeei a corrida de uns 18 prefeitos aqui no Ceará, dos quais 13 foram eleitos", justificou o deputado, logo esclarecendo: "Não (eram cheques altos), eram de R$ 20 mil, R$ 30 mil".
As informações sobre os cheques sem fundos também ajudam a derrubar um mito: de que todos os deputados têm privilégios no Banco do Brasil. Todos, certamente não.
Dos 18 deputados flagrados na "lista negra" do Banco Central, 11 foram colocados ali pelo gerente da agência 3596 do Banco do Brasil, que fica no prédio dos gabinetes parlamentares.
"Aqui, a regra vale para qualquer correntista, seja ele deputado ou um cliente normal", afirma Luciano Moreira, gerente da agência do Banco do Brasil há um ano e meio. "E o nome só sai da lista depois que pagar todos os cheques e as taxas, tudo dentro das regras", diz Moreira.
Além do pouco prestígio e das pendências bancárias, outro dado une esse grupo de deputados federais. A maioria deles tem mais cheques sem fundos registrados no Banco Central que projetos apresentados em 1999, último dado disponível na Câmara.
Canedo, por exemplo, tem dois projetos e 41 cheques sem fundos. Carlos Batata tem um projeto e 28 cheques sem fundos. Ao todo, 13 dos 18 deputados citados na lista têm mais cheques pendentes que projetos apresentados. Textos aprovados, nenhum deles teve.
By: AbundaCanalha, via com textolivre

Tudo é culpa da Dilma





Instigado pelo amigo Joel, vejo esta charge do Aroeira, para o site do jornal O Dia. Sempre ligeiro, Aroeira fala sobre a tontería do tal sigilo.

Tudo é culpa da Dilma!

É o Zé, rumo aos 15% de intenção de votos. Nem dá pra dizer que não merece.





É sabido que na hora do desespero, é que se conhece alguém. Essas eleições estão dando provas inequívocas que essa é a maior verdade do mundo.

A impagável (será?) Dora Kramer diz em seu comentário desta sexta, aquilo que dá a nota da lógica tucana. Vamos para o tudo ou nada, já que a derrota é certa. A imprensa definitivamente veste a camisa guerrilheira da tucanagem.

Alguns setores da mídia já abandonaram o barco serrista. Outros viram o tal episódio da quebra de sigilo, como uma bóia no oceano, a salvar do afundamento do Tucanic. Era mesmo a tábua da salvação. Mas parece que não adiantou. As pesquisas não se retrairam contra Dilma, como esperavam todos. Muito pelo contrário. O povão verificou sem medo de errar, que curiosamente, só nas vésperas das eleições é que as denúncias contra o PT pipocam. Os outros partidos parecem santos andando pela terra.

Dora em seu discurso diz muita coisa. Primeiro, falou outro dia que Dilma tinha obrigação de responder às críticas, mesmo não tendo ela nada a ver com o vazamento. Agora, critica Lula por ter aparecido no programa do partido, dizendo que a baixaria passou dos limites. A intervenção da mídia brasileira é sintomática. Na visão de nossos jornalistas circuitão, Dilma e o PT tem obrigação de tudo, a tucanagem não tem obrigação de nada. São uns perseguidos. Uma dó.

Nenhuma palavra sobre a questão dos vazamentos anteriores onde até Lula teve seu sigilo quebrado. Quando Serra, com todas as palavras, achou uma coisa horrível, mas corriqueira. Naquela época, como não tinha nenhuma eleição correndo, tanto fazia. Agora, o mesmo sigilo tem outras tintas.

O que é isso, Serra, medo de vir à tona a sociedade de sua família com Daniel Dantas?

Não é estranho essa bateção na mesma tecla bem quando o PT resolve pedir explicações sobre a privataria do padrinho de Serra? Não é estranha a tentativa de blindagem da tucanada acerca desses assuntos realmente importantes, para que o pior não venha para a superfície? Dá pra ver que a questão do sigilo passou de ser uma abobrinha para ser um escudo, quando o PT resolveu partir para o ataque.

Este será um ano de divisão de águas. É a partir daqui que se sabe quem está do lado de quem. Quem da imprensa tem partido e não abre mão, e quem é isento (se é que isso existe na mídia brasileira).

Dora Kramer está mostrando de novo, que isenção não parece ser o seu forte. Pelo menos é o que se verifica ao dar uma lidinha básica em seus escritos. Eu particularmente, esperava um pouco mais dela. Ela tem um nome a zelar. 

Porém, ao ver o que escrevem ela e muitos de seus companheiros, a impressão que se tem é que o emprego deles todos dependem da vitória de Serra no próximo pleito. É incrível, mas estão quase partindo para a agressão física.
Anais políticos

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

É, parece que a casa caiu....

Irregularidades no IPTU: Justiça afasta vereador Biguá e MP move ação de improbidade contra prefeito

Saulo Gil

A Justiça de
Ubatuba deferiu o pedido de afastamento liminar do vereador Gerson de Oliveira (Biguá) da Câmara Municipal, em função de participação direta no caso de irregularidades na cobrança de IPTU em Ubatuba.

Além da liminar, a Justiça ainda acolheu integralmente a Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público local, que
pede a condenação do Prefeito Eduardo Cesar, do chefe de Gabinete Delcio José Sato e da Secretária de Fazenda, Vera Lúcia Ramos, por prática de improbidade administrativa, em razão da violação à Lei de Responsabilidade Fiscal e pela omissão, no que toca o início das investigações sobre o sumiço indevido de dívidas de IPTU no município.

Segundo a inicial, o vereador Gerson de Oliveira, valendo-se de sua função pública e de sua grande influência política na cidade, teria introduzido nos setores de Dívida Ativa e de Execução Fiscal da Prefeitura pessoas de sua confiança, dentre elas seu filho André Luis Oliveira e José Augusto da Silva.

Por meio deles, e contando com uma suposta falha de segurança no sistema informático de controle das dívidas relativas ao IPTU, criou-se um suposto esquema ilícito envolvendo negociações de valores devidos aos cofres municipais. Assim, eram dadas quitações quanto aos débitos de IPTU, o que seria feito por meio de acordos firmados entre os particulares e a Fazenda Municipal, renunciando o recolhimento devido.

Para o Ministério Público, há nítida violação dos princípios da publicidade e da moralidade administrativa, uma vez que quase todos os acordos de quitação de tributos foram efetivados sem regular procedimento administrativo. Além disso, a promotoria também afirma que há indícios de que o prefeito Eduardo Cesar, o chefe de Gabinete Délcio Sato e a Secretária de Fazenda Vera Lúcia já sabiam desse esquema desde 2005 e foram omissos quanto às denúncias da época.

“Pela prova produzida em sede de inquérito, Eduardo, Délcio e Vera agiram de forma omissa porquanto deixaram de tomar as medidas administrativas cabíveis, quer instaurando procedimento administrativo, quer comunicando, à época, à Promotoria de Justiça, embora os fatos já fossem de seus conhecimentos em razão de informações encaminhadas por terceiros para eventual medida em conjunto”.
Nos autos da Ação, o MP prossegue: “Revela destacar que o Município de Ubatuba instaurou processo com vistas à elucidação dos fatos apontados somente após o deferimento das ordens de busca e apreensão decorrentes da Ação preparatória, o que demonstra a conduta omissiva pelas autoridades até então”.

Sobre a participação efetiva no desvio de verbas, o Ministério Público relata que, pela prova documental e testemunhal, “o esquema existente no setor da dívida ativa e da execução fiscal do Município foi organizado para beneficiar o vereador Gerson de Oliveira e o grupo de servidores introduzido na prefeitura, incluindo seu filho André, qual trabalhou no setor de dívida ativa”.

O juíz João Mário Estevam da Silva acatou o pedido de afastamento do vereador Gerson de Oliveira e do funcionário da prefeitura José Augusto da Silva e ainda justificou o deferimento da liminar:

“...Os afastamentos pretendidos justificam-se não só pela gravidade dos eventos, mas também pelo fato de que, enquanto no exercício dos cargos, o suposto esquema continuou ocorrendo. O justo receio ainda encontra base na acusação de que o requerido Gerson de Oliveira muitas vezes teria comparecido pessoalmente no setor investigado da prefeitura, onde supostamente solicitava os parcelamentos de débitos referentes a terceiros...”

De acordo com a Ação movida pela promotoria, somente nos casos denunciados, que relataram alguns acordos ilícitos firmados entre 2008 e 2010, o total da receita renunciada foi de quase R$ 150 mil.

Na decisão expedida ontem pela Justiça, o MP ainda teve deferido os pedidos de quebra de sigilo bancário e fiscal dos requeridos (Gerson de Oliveira, Andre Luis de Cabral Oliveira, José Augusto da Silva, Eduardo de Souza Cesar, Delcio José Sato, e Vera Lucia Ramos, bem como seus respectivos cônjuges e filhos). Além disso, os autos foram enviados à Polícia Judiciária para instauração de inquérito policial para apuração de crimes de quadrilha, lavagem de dinheiro, e corrupção ativa/passiva.

Os requeridos nos autos terão o prazo de 15 dias para oferecerem manifestação por escrito sobre o caso. 

PARA LER A SENTENÇA linK)http://www.ubaweb.com/revista/g_mascara.php?grc=32106

FONTE: IMPRENSA LIVRE

Deve ser chato...

Brasil é o terceiro destino preferido dos investidores

Brasil é 3º país preferido para investimentos, diz ONU

Interesse de multinacionais pelo setor de commodities e crescimento do mercado doméstico brasileiro colocam o País em posição de destaque

Jamil Chade
, de O Estado de S. Paulo
GENEBRA – À frente dos Estados Unidos e da Europa, o Brasil é o terceiro destino favorito de multinacionais que planejam realizar investimentos até 2012. Os dados foram anunciados nesta segunda-feira, 6, pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad) a partir de uma pesquisa feita anualmente com 236 empresas multinacionais e 116 agências de promoção de investimentos pelo mundo. Segundo o levantamento, empresas multinacionais apostam em uma alta importante no fluxo de investimentos no mundo nos próximos dois anos, em mais um sinal de que o mercado estaria retomando confiança depois da crise. Mas a crise deixou seu legado. Para as multinacionais, nove dos 15 países preferidos nos próximos dois anos para investir estão nas regiões emergentes.

Folha “assenta as bases” para novo ataque a Dilma

Dilma e o Senhor Jesus Cristo
FRANCESCO SCAVOLINI, na Folha de S. Paulo
As cartilhas cristãs de Dilma falam de opção pelos pobres e pelos menos favorecidos, mas a realidade dos seus projetos é totalmente diferente disso
Depois de saber que a então ministra Dilma Rousseff, há pouco tempo, havia participado da missa do padre Marcelo Rossi, abrindo inclusive a celebração com a leitura da Bíblia, procurei descobrir onde poderia ficar a “estrada de Damasco” da conversão da ex-guerrilheira comunista; dessa mulher que, aliás, há dois anos, questionada sobre a existência de Deus, respondera: “Eu me equilibro nessa questão. Será que há? Será que não há?”.
Mas voltemos a “Damasco”. Eu estava ainda procurando, sem muita esperança, a tal estrada, quando, de repente, no último dia 19 de agosto, fui “transportado em espírito” para Brasília e eis que apareceu na sede da CNBB a própria Dilma, com uma voz fulgurante como o sol do meio-dia: “Você me desculpe, mas eu não sou de outra religião para ser convertida. Eu sou de origem cristã e católica, fui batizada”, respondeu a agora candidata petista ao jornalista que ousara perguntar se ela havia se convertido. E eis que apareceram nas mãos de Dilma dois documentos que ela brandia como armas vitoriosas: a carta-compromisso intitulada “Carta Aberta ao Povo de Deus” e a cartilha “Treze Motivos para o Cristão Votar em Dilma Rousseff”.
Nesses dois documentos, pude ler que Dilma “tem feito a opção de governar olhando pelos pobres e menos favorecidos, a mesma do evangelho do Senhor Jesus Cristo”.
Tudo realmente deslumbrante.
Eu ainda estava “em êxtase” quando tocou o meu telefone. Do outro lado estava um caro amigo, um padre muito engajado na pastoral das crianças, especialmente as mais pobres.
Quando lhe falei que eu estava encantado com as ideias da candidata petista, ele me levou de volta à realidade, bradando: “Você está louco, meu irmão? Leia com atenção o programa político do partido de Dilma, o PT, e volte a me ligar!”.
Desconfiado, comecei a pesquisar na internet : “PT pune dois deputados por serem contrários ao aborto”; “PT quer implementar a descriminalização do aborto”; “PT quer aprovar a lei da homofobia (padres e pastores poderão ser presos se falarem contra o homossexualismo)”; “PT é a favor do casamento homossexual”; “Dilma critica a greve de fome dos presos políticos cubanos”; “Dilma afirma que preso político em Cuba tem acesso mais fácil a mídia”.
Essas foram algumas das manchetes que encontrei. Confesso que fiquei horrorizado.
Pegando o telefone, liguei para o meu amigo e disse: “Padre, que absurdo! Como é possível? As cartilhas da Dilma dizem uma coisa. Falam de opção pelos pobres e menos favorecidos, mas a realidade dos seus projetos é totalmente outra.
Para o partido da Dilma, os mais indefesos, as criancinhas no ventre materno, os presos políticos, não valem nada, como também as ideias e opiniões diferentes devem ser menosprezadas e reprimidas”.
“Meu filho”, disse meu amigo ao telefone, “nunca esqueça aquela palavra do Senhor Jesus: “Cuidado, porque muitos virão em Meu nome. Vós, porém, não os sigais, pois são lobos vestidos de cordeiros; pelos frutos os conhecereis. Não pode árvore má dar frutos bons nem árvore boa dar maus frutos’”.
FRANCESCO SCAVOLINI, 54, doutor em jurisprudência pela Universidade de Urbino (Itália), é especialista em direito canônico.

The Economist: Dilma vai trucidar Serra

Em matéria publicada hoje em seu site, a revista britânica The Economist considera a vitória de Dilma favas contadas, a não ser que ocorra um “cataclisma político”, e prevê que ela vai trucidar Serra no dia 3 de outubro.
A revista menciona o caso dos sigilos fiscais, mas afirma que não há evidência de envolvimento de Dilma no episódio. No subtítulo da matéria, afirma que Dilma parece “imparável”.
Para a The Economist, com a eleição presidencial definida, as atenções se voltam para a corrida legislativa, que determinará a força do próximo governo. Com base no crescimento permanente das bancadas do PT desde à volta à democracia, a revista estima, se o padrão histórico continuar, que o PT pode chegar a 130 cadeiras na Câmara, e controlar 390 junto com seus aliados.
Em relação ao Senado, a The Economist avalia que a base de apoio a Dilma poderá ficar com poucos senadores a menos que os 60% necessários para emendar a Constituição. “Isso daria a Dilma o mais forte governo brasileiro desde o fim da ditadura”, diz o texto.
By: Tijolaço, via com textolivre

Nasceu Gabriel, primeiro neto de Dilma

Neto de Dilma viola sigilo de companheiros de berçário

Gabriel alegou que tinha uma procuração para investigar o teste do pezinho dos tucaninhos da maternidade

PORTO ALEGRE – Minutos após o nascimento de Gabriel, o primeiro neto da candidata Dilma Rousseff, às 6h41 minutos de ontem, a enfermeira Cláudia Mascarenhas flagrou o recém-nascido vasculhando os testes do pezinho de seus companheiros de berçário. “Foi muito rápido, assim que acabei de trocar as fraldas e virei de costas, o menino estava engatinhando em cima dos exames”, declarou a enfermeira. “A Rosanne, minha companheira de turno, disse que ouviu o bebê balbuciar algo parecido com ‘Serra’ quando levamos ele de volta ao berçário”.
Antes mesmo do batismo, Antonio Palocci providenciou a filiação do nenê ao diretório do PT em Mauá. “Esse menino vai longe”, disse o orgulhoso padrinho, José Dirceu. Dirigentes da CUT enviaram à maternidade uma coleção de carrinhos de brinquedo produzidos por metalúrgicos do ABC. Diretores de empresas estatais ofereceram-lhe plano de saúde, Bolsa-Família e vaga no Pro-Uni. Gabriel também ganhou um pequeno boné do MST e uma carteirinha de agente da ABIN, a Agência Brasileira de Inteligência. Dilma Rousseff atribuiu o sucesso do parto ao PAC.
José Serra reclamou do nascimento: “Este é mais um artifício para tirar o foco da violação do sigilo de toda minha árvore genealógica”, diz o texto que será lido no seu programa eleitoral de hoje.
By: Piauí Herald, via com textiolivre

Imprensa abre o jogo e rasga a fantasia


Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

“Vejam as manchetes desta quinta-feira, 9 de setembro de 2010, nos três principais jornais do país.

Folha de S. Paulo:
“Escândalo da Receita – Investigada consultou dados do genro de Serra”.

O Estado de S. Paulo:
“Genro de Serra teve sigilo fiscal violado”.

O Globo:
“Serra reage e diz que Lula serve à estratégia `caixa-preta´do PT”.

Parece uma gincana, não há outro assunto no mundo. É como se
todos os jornais tivessem o mesmo pauteiro e o mesmo editor. Embora se refira a casos de violação fiscal ocorridos no ano passado, a notícia é requentada dia a dia com algum ”fato novo” que justifique a manutenção da rubrica “escândalo da receita”.

Até algumas semanas atrás, antes da disparada da candidata Dilma Roussef em todas as pesquisas, abrindo larga vantagem sobre José Serra, que chega a 33 pontos no último tracking do Vox Populi/Band/iG, a nossa velha mídia ainda procurava, de alguma forma, manter as aparências de neutralidade com aquela história de jornalismo “isento”, “apartidário”, “independente”.

Agora, que parece não ter mais jeito de virar o placar nas pesquisas com bom-mocismo, resolveram abrir o jogo e rasgar a fantasia, sem nenhum pudor. Das manchetes ao noticiário, passando pelos editoriais e colunas, a ordem é desconstruir a pessoa e a candidatura de Dilma, e bater sem piedade no governo Lula.

Aonde querem chegar? Quem eles ainda pensam que enganam? A julgar pela maioria dos comentários publicados neste Balaio, leitores e telespectadores já estão vacinados, sabem quem é quem e o que está em jogo.

Como os números das pesquisas não reagem às doses cavalares de fatos negativos, apesar de o país da mídia viver uma interminável crise do fim do mundo, só posso acreditar que se trata de uma estratégia Jim Jones. Bater em Dilma e no PT, tudo bem, estão todos de acordo. Só não descobriram ainda como alavancar a campanha da oposição. Promovem debates e sabatinas quase todo dia para dar uma fôrça, mas até agora não teve jeito.”
Artigo Completo, ::Aqui::