sábado, 4 de dezembro de 2010

Um dos dúbios releases da ‘era Dudu’

O release abaixo foi divulgado ontem, dia 3, mas não traz o valor que a Prefeitura gastou com a infra-estrutura e nem sequer menciona a licitação para os negócios que serão gerados

Super Verão Ubatuba trará cerca de vinte shows para a cidade durante a temporada
Grandes nomes da música sertaneja, reggae e pop farão parte da extensa programação do maior festival de verão do litoral de São Paulo
Após anos de luta para a conquista de um espaço adequado para a realização de grandes shows em Ubatuba, o prefeito Eduardo Cesar conseguiu trazer para a próxima temporada cerca de vinte apresentações musicais com artistas de renome em todo o país. Os shows acontecerão a partir do dia 28 de dezembro e se estenderão até o início de março, em uma megaestrutura que será montada na Praça de Eventos da Avenida Iperoig.
“Sempre quisemos oferecer aos moradores e aos turistas grandes shows, porém, alguns fatores, como a falta de um espaço adequado, impediam que realizássemos esse sonho. Mas para a próxima temporada podemos comemorar a vinda de mais de quinze grandes shows para a cidade!”, diz o prefeito de Ubatuba. “A realização desse grande evento é uma enorme alegria para todos nós, pois sabemos que estaremos atendendo um pedido de quem quer se divertir com tranqüilidade e segurança, além de curtir nossas belezas naturais”, acrescentou Eduardo Cesar.
Estrutura
O Super Verão entra em sua quarta edição, consagrado como o maior festival de verão do litoral de São Paulo. Ubatuba contará com a mesma infraestrutura que o festival apresentou em edições anteriores, com segurança, praça de alimentação e um grande espaço de lazer e entretenimento que estará aberto ao público 24 horas por dia.
Dentro da estrutura, que será inteiramente coberta, haverá também um parque de diversões, cinema, pista de patinação no gelo, um posto de Poupa-Tempo e postos da Polícia Civil e da Polícia Militar (com plantão de 24 horas).
“Tenho certeza que este será um evento para entrar na história de Ubatuba”, comentou o prefeito Eduardo Cesar.
Apesar de já ter sido confirmado que grandes nomes da música farão parte da programação, algumas atrações ainda estão sendo definidas e serão divulgadas em breve. (Fonte: Assessoria de Comunicação - PMU)
Lambido do Ubaweb

O blecaute de 2009 e o apagão de 2001/2002



Dois problemas absolutamente distintos de fornecimento de energia elétrica durante os governos FHC e Lula tiveram tratamentos absurdos na grande imprensa brasileira. O racionamento de energia do governo tucano ocorreu entre junho de 2001 e fevereiro de 2002, com duração de cerca de nove meses; o blecaute durante o governo petista (2009) durou cerca de oito horas.
Matérias do jornal Folha de São Paulo sobre o longo racionamento de energia tucano e sobre a falta episódica de luz de algumas horas durante o governo do PT revelam uma postura inexplicável da imprensa diante desses fatos tão distintos, tratados como se fossem a mesma coisa.
A bem da verdade, vale notar que a Folha foi o único grande meio de comunicação que ousou um pouco mais nas críticas ao governo Fernando Henrique Cardoso por este ter permitido uma crise que chegou a quebrar empresas e que infernizou por quase um ano a vida da população.
Os brasileiros começaram a saber que seriam submetidos a um racionamento draconiano de energia elétrica já em janeiro de 2000. A princípio, a imprensa se limitava a divulgar desmentidos do governo de que haveria tal racionamento.
Em 30 de janeiro 2000, um ano e meio antes do início do racionamento, a Folha publica matéria em que o então ministro de Minas e Energia, Rodolpho Tourinho, garantia ser inexistente o risco de racionamento. Apesar da escassa cobertura do assunto pela imprensa, nas poucas matérias que foram surgindo nos meses seguintes o governo sempre negava o problema.
Seis meses depois, em 3 de junho de 2000, um ano antes do início do racionamento, Antonio Ermírio de Moraes entregou a Deus a possibilidade de se evitar racionamento de energia elétrica no Brasil a partir do próximo ano. “Se São Pedro não for brasileiro, nós vamos passar mal. Só Deus evitará racionamento“.
Três dias depois (06/06/2000), o ministro de Minas e Energia do governo tucano volta a negar o racionamento.
Até o fim daquele ano, a Folha só publicou sete matérias sobre o racionamento que ia se tornando cada vez mais inevitável. Em 19 de janeiro de 2001, ano em que seria decretado o racionamento, o jornal finalmente toca no assunto racionamento. Só que na… Califórnia.
Nos dias 20, 24, 27 de janeiro e em 17 de fevereiro, o racionamento de energia no estado norte-americano da Califórnia volta a ser noticiado na Folha enquanto o segundo maior país das Américas se preparava para mergulhar no maior racionamento de energia de sua história.
Em 3 de março de 2001, do nada, o jornal paulista sai na frente do resto da imprensa, que evitava o assunto, e, em matéria discreta que não ganhou nem chamada na primeira página, diz, em bom tucanês, que, “Se não chover em março, já a partir de maio é possível que o governo seja obrigado a adotar um controle no consumo de energia.
Dez dias depois, a Folha volta a culpar São Pedro pelo apagão que até as rotativas do jornal sabiam que sobreviria. Em 13 de março de 2001, três meses antes do início do racionamento, o jornal paulista anuncia, ainda de forma discreta, sem chamada na primeira página, que “Falta de chuva já é preocupante”.
No dia seguinte (14/03/2001), a dois meses e meio do racionamento, o apagão virá boa notícia na Folha: “Poupar luz dará prêmio”. Vale a pena ler este trecho da matéria:
O novo ministro de Minas e Energia, José Jorge, disse ontem que o governo adotará medidas de “racionalização” e não de “racionamento” para evitar o risco de falta de energia elétrica.
Essa possibilidade existe porque o nível dos reservatórios de água das hidroelétricas das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste está baixo. O objetivo da racionalização, de acordo com o ministro, é diminuir o consumo no horário de maior demanda.
De acordo com José Jorge, “racionamento é uma medida unilateral” que ainda não está sendo estudada. Já na racionalização, segundo o ministro, poderá haver incentivo para que os consumidores residenciais diminuam o consumo (…)”
Mais 3 dias e o racionamento, sempre longe da primeira página, já vai ganhando contornos de realidade. Detalhes de medida que não haveria vão sendo enfiados pela goela do consumidor. Em 16 de março, o jornal anuncia que “Iluminação pública e residências seriam atingidas por racionamento estudado”.
O único racionamento chamado pelo nome que ganha as páginas da Folha é o da Califórnia. Em  20 de março, a cerca de dois meses do racionamento verde-amarelo, o jornal divulga que “Racionamento volta a atingir” um estado da superpotência, o que parece sugerir que se acontece por “lá”, não haveria nada de mais se acontecesse por aqui.
No mesmo dia, ainda sem usar a palavra racionamento, a Folha diz que “Consumo de energia pode ter corte em maio”. Até então, o assunto jamais ganhara a primeira página.
Finalmente, em 22 de março de 2001, o jornal paulista reconhece, em editorial, que pode haver racionamento de energia do Brasil e faz uma espécie de crítica, ainda que com as devidas concessões à culpa de São Pedro. Sempre longe da primeira página.
Em 4 de abril de 2001, a menos de dois meses do início do racionamento, o jornal já utiliza o termo que define o que irá acontecer, mas continua se atendo aos esforços do governo para evitar que haja racionamento. Não há críticas, mas matérias sóbrias e técnicas, cheias de eufemismos.
No dia seguinte, o termo racionamento finalmente é substituído por “apagão” e a Folha anuncia que depois da Páscoa o Brasil será obrigado a economizar energia compulsoriamente. Mas o foco da matéria é na campanha publicitária “educativa” que o governo desencadeará, então, para que o consumidor faça a sua parte.
No dia 7 de abril de 2001, mais um editorial sem críticas que se limita a analisar a situação e a reconhecer que o racionamento é iminente. As palavras incompetência, imprevidência e as necessárias menções a falta de investimento não aparecem nem uma vez.
Em 12 de abril, a cerca de um mês e meio do racionamento, finalmente uma crítica na página de opinião. Carlos Heitor Cony escreve uma crônica ironizando a “modernidade” que FHC e a mídia diziam que o país alcançara no governo tucano, sob o título “Bela modernidade”. No mesmo dia, outra coluna culpa Antonio Carlos Magalhães – e não FHC – pelo problema.
blog da cidadania

Sequestraram minha sogra!!!!

“Dont mix races”: Como a direita racista anda educando suas crianças

Nesta semana, no Brasil, começamos esta campanha linda aqui: #infanciasemracismo.
Enquanto isso nos EUA,..
.Assista, sinta nojo e entenda que pro racismo acabar, você tem que criar seus filhos direito.”:
Trata-se de um programa de tevê estadunidense, triste no formato, na inadequação (as crianças mal conseguem ler os roteiros) mas, principalmente triste porque defende o indefensável: o discurso da supremacia branca e cristã.
Walt Disney Company demorou 86 anos para levar para as telas do cinema uma protagonista negra. O comentário depreciativo sobre o filme “The Princess and The Frog” além de servir como reforço ao discurso contra união interracial, serve também para estigmatizar religiões afro.
Fico me perguntando qual é a fronteira legal nos Estados Unidos que permite discursos como estes serem veiculados na tevê. Recorrer à Primeira Emenda para defender estas sandices me parece um absurdo.
De todo modo, da próxima vez que você sentir inveja dos EUA com este eterno complexo de colonizado, lembre-se de Andrew Pendergraft e imagine um vídeo de crianças negras fazendo algo semelhante.
O vídeo foi legendado pelo @quantotempodura que fez uma breve pesquisa sobre os mentores da intolerância racista, reproduzo-a:
“O nome do garoto é Andrew Pendergraft. A família dele inteira faz parte da KKK. Por sinal, ele é neto de um dos fundadores, Thomas Robb. Assim sendo, o garoto foi criado desde o nascimento pra ser racista.
Andrew já faz o “The Andrew Show” há vários meses. Em todo episódio é a mesma coisa: ele começa falando de algum assunto qualquer pra na sequencia encaixar esse assunto com… “Dont mix races”
“Dont mix races” – Não misture as raças. Para Andrew, quer dizer, pra quem escreve os discursos de Andrew, brancos devem ficar afastados de negros, asiáticos, etc. Tudo para manter a “Supremacia branca”
Andrew está com 10 anos e já divulga o racismo pelo mundo afora, graças à sua família maluca.
Maria Frô 

Insanidade


O secretário de Segurança Pública mais truculento que já trabalhou em São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, está de volta a um cargo público: ele foi confirmado para a pasta dos Transportes pelo governador eleito, Geraldo Alckmin.
Saulo é homem de confiança de Alckmin. Foi no seu governo anterior que se notabilizou por ações que excederam todos os limites do bom-senso, da razão e da civilidade.
Entre os tristes episódios que marcaram a sua gestão, dois merecem ser relembrados: a execução de mais de uma dezena de pessoas, numa emboscada armada na estrada conhecida por Castelinho, e a sua ida à Assembleia Legislativa, para esclarecer a atuação das forças de segurança pública durante os ataques do PCC que aterrorizaram a capital, em 2006, quando, respaldado por uma claque de dezenas de policiais, destratou e ofendeu vários parlamentares.
Figura notória por seu pouco caso com os direitos humanos, Saulo de Abreu vai agora cuidar de uma área na qual tem pouca - ou nenhuma - experiência. A justificativa para a sua indicação foi de que ele tem o conhecimento jurídico necessário para analisar os contratos de sua pasta - algo que qualquer bom advogado é capaz de fazer. E de que, se José Serra foi ministro da Saúde, ele pode muito bem ser secretário dos Transportes...
Não quero ser cruel e dizer que São Paulo merece isso por ter eleito Alckmin. De todo modo, não custa nada alertar, mais uma vez, a todos, sobre os riscos de o mais rico Estado da federação ficar nas mãos dessa gente.
Ninguém merece essa sina.
Crônicas do Motta

Pastor de Ovelhas e o adivinho!!

Um pastor de ovelhas estava cuidando de seu rebanho, quando surgiu pelo inóspito caminho uma Pajero 4x4 toda equipada.
Parou na frente do velhinho e desceu um cara de não mais que 30 anos, terno preto, camisa branca Hugo Boss, gravata italiana, sapatos moderníssimos bicolores, que disse:
- Senhor, se eu adivinhar quantas ovelhas o senhor tem, o senhor me dá uma?
- Sim, respondeu o velhinho meio desconfiado.
Então o cara volta pra Pajero, pega um notebook, se conecta, via celular, à internet, baixa uma base de dados, entra no site da NASA, identifica a área do rebanho por satélite, calcula a média histórica do tamanho de uma ovelha daquela raça, baixa uma tabela do Excel com execução de macros personalizadas, e depois de três horas, diz ao velho:
- O senhor tem 1.324 ovelhas, e quatro podem estar grávidas.
O velhinho admitiu que sim, estava certo, e como havia prometido, poderia levar a ovelha.
O cara pegou o bicho e carregou na sua Pajero.
Quando estava saindo, o velho perguntou:
- Desculpe, mas se eu adivinhar sua profissão, o senhor me devolve a ovelha?
Duvidando que acertasse, o cara concorda.
- O senhor é advogado ?!?! diz o velhinho...
- Incrível! Como adivinhou?
- Quatro razões:
- Primeiro, pela frescura;
- Segundo, veio sem que eu o chamasse;
- Terceiro, me cobrou para dizer algo que já sei.
- E quarto, nota-se que não entende merda nenhuma do que esta falando:
devolve o meu cachorro!!!! ....
Com textolivre

Sabonete de urânio brilha no escuro


Não se preocupe, ele não é radioativo, e nem foi extraído de Chernobyl. Mas tem aroma de oceano! E ele é orgânico. E não foi testado em animais. Mas será que eu brilho no escuro tomando banho com ele? US$7.
Com textolivre

Conferência das Cidades: conhecer problemas e propor soluções

A 11a Conferência das Cidades, que será realizada na próxima semana – nos dias 7 e 8 – na Câmara dos Deputados, terá como tema central “O futuro das cidades no novo contexto socioambiental”. O objetivo do evento é conhecer os problemas experimentados pelas cidades e propor soluções práticas, tanto na legislação quanto na ação das autoridades locais, em busca de uma convivência mais harmônica e inclusiva no espaço urbano.
O evento, dirigido a prefeitos, munícipes, gestores públicos e privados, acadêmicos e ao público em geral, foi um dos primeiros fóruns de discussão e encaminhamento de propostas práticas em torno das grandes questões urbanas do País após o período da ditadura militar.
O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), que foi relator do Projeto de Lei que criou o “Estatuto da Cidade”, em 2001, destaca que "o problema central da reforma urbana está na função social da propriedade, preocupação expressa em todo o conteúdo do Estatuto da Cidade”, disse em palestra ministrada para os estudantes de Arquitetura e Urbanismo em Fortaleza (CE).
Inácio destaca sempre a importância da reforma urbana para o desenvolvimento econômico e social das cidades e o uso da propriedade em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadãos, bem como do equilíbrio ambiental.
E lembra que o Estatuto da Cidade foi fruto de um grande processo de negociação entre vários setores que atuam no cenário urbano - movimentos populares, órgãos públicos, universidades, entidades técnicas.
Batalha antiga
Inácio conta que a batalha sobre a reforma urbana no Brasil vem da década de 1930. Em 1964, surgem os primeiros movimentos em favor de moradia. E em 1982, o General Figueiredo envia para o Congresso Nacional uma proposta de reforma urbana, que foi rejeitada pelos senadores da época, por considerá-la projeto de comunistas.
Em 1988, a nova constituição passa a tratar da política urbana brasileira, mas foi só em 1999, quando deputado federal, que Inácio conseguiu desengavetar o projeto de reforma urbana do também cearense Pompeu de Sousa, modificá-lo, por já se encontrar defasado, e elaborar o texto do Estatuto da Cidade.
Ele explicou ainda que o Estatuto da Cidade implementou alguns instrumentos como o plano diretor: obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes; o IPTU progressivo: e o usucapião especial, que amplia a possibilidade de iniciativa para o usucapião coletivo, que facilita a regularização fundiária de áreas urbanas de difícil individualização como as favelas.
Premiação dos melhores
Ao final do evento, serão premiados os vencedores do 6o Concurso Selo Cidade Cidadã. O deste ano tema foi "Políticas de enfrentamento de situações de risco e recuperação de áreas degradadas no espaço urbano". Criado em 2003, o concurso é promovido pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara e seu objetivo é divulgar políticas públicas bem sucedidas para que possam ser adotadas por outras cidades.
Há duas premiações para cidades com menos de 100 mil habitantes e outras duas para os municípios com mais de 100 mil habitantes. Além de troféu, eles ganharão o selo, com validade por um ano e que pode, por exemplo, servir como referência na obtenção de financiamentos.
Para participar, os municípios precisam estar em dia com suas obrigações fiscais e não podem estar inscritos no Cadastro Informativo de Crédito não Quitado do Setor Público (Cadin) da Secretaria do Tesouro Nacional.
Os projetos inscritos precisam também ter sido concluídos no mandato do prefeito ou estar em execução há, pelo menos, seis meses.
Márcia Xavier

Comentário do Contramaré: Corto os meus...., se Ubatuba apresentar algum projeto. 

Brasil reconhece Estado da Palestina com as fronteiras de 1967

Brasil reconhece Estado da Palestina com as fronteiras de 1967

O representante da Autoridade Palestina no Brasil, o embaixador Ibrahim Al Zeben, comemorou a divulgação nesta sexta-feira de uma carta pelo Itamaraty em que o governo do presidente Lula passou a reconhecer o Estado da Palestina nas fronteiras de 1967. Al Zeben afirmou que este é um passo importante para aprofundar o processo de paz na região.
"É um ato soberano, que agradecemos muito por reconhecer este Estado que há 43 anos está postergado para nós. É um ato de solidariedade e justo para a causa palestina. É um passo certo para aprofundar o processo de paz e melhorar as condições para obter a paz", disse o embaixador.
Al Zeben disse também que espera uma atitude da comunidade internacional, das Organizações das Nações Unidas (ONU) e até do Conselho de Segurança da entidade a partir de agora, caso Israel continue a ocupar os territórios palestinos.
No entanto, o embaixador reiterou que os palestinos querem atingir a paz com Israel através de negociações. "Queremos retomar as negociações, pois entendemos que a negociação é o melhor caminho", completou.
Reconhecimento do Estado da Palestina
Segundo o Ministério da Relações Internacionais, o presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas mandou uma carta a Lula em 24 de novembro, solicitando o reconhecimento brasileiro de um Estado que inclua os territórios palestinos ocupados por Israel na Guerra dos Seis Dias (1967).
Lula, que em seu mandato fez esforço para envolver-se nas negociações de paz no Oriente Médio, respondeu a Abbas, em um carta divulgada nesta sexta-feira, que "o reconhecimento do Estado palestino é parte da convicção brasileira de que um processo negociador que resulte em dois Estados convivendo pacificamente e em segurança é o melhor caminho para a paz no Oriente Médio. (...) O Brasil estará sempre pronto a ajudar no que for necessário".
Segundo o Itamaraty, o anúncio não prejudicará as relações com Israel, "que nunca foram tão robustas". Em março, Lula fez a primeira visita de um chefe de Estado brasileiro a Israel, retribuindo visita de seu par israelense, Shimon Peres.
By: Blog do Maurício Porto

I started a Joke - Pholhas - By Edison Nomiyama

Otavio Ditabranda Frias vai à AMAN para a formação da 'Turma General Emílio Garrastazu Médici'? É hoje

Acontece hoje na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), em Resende, no Sul Fluminense, a "Cerimônia de Entrega de Espadas e Declaração de Aspirantes a Oficial".
Além da entrega de espadas o que deve atrair Otávio Frias Filho é o nome do homenageado pela turma que se forma, o do ex-presidente na época da ditadura, em seu período mais sangrento, General Emílio Garrastazu Médici.
Seria uma forma de Otavinho homenagear seu falecido pai, fundador do Grupo Folha, e também aquele que mereceu um artigo de Frias pai, em que este afirmava que Brasil de Médici é ‘um país onde o ódio não viceja’.
Eis o que está escrito na página da AMAN [destaque em negrito é meu]:
A Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) realiza, no dia 04 de dezembro 2010, a cerimônia de Declaração de Aspirantes a Oficial da Turma General Emílio Garrastazu Médici. A cerimônia é uma das mais importantes da nossa Escola e representa o cumprimento da missão, que é a de formar o oficial de carreira combatente, futuro líder do Exército Brasileiro.
O momento é de bastante vibração para todos os militares, mas, sobretudo, de muita expectativa e emoção para os futuros oficiais, seus familiares e amigos. Compartilham dos mesmos sentimentos os Oficiais, Praças e servidores civis da AMAN.
Recebem a espada de Oficial do Exército Brasileiro, 360 cadetes das mais distintas regiões do Brasil, sendo 11 de Resende. Esse ano, cinco formandos são, ainda, de nações amigas (dois da República Dominicana, um de Guiné Bissau, um do Paraguai e um da Venezuela).
Ao passar pelo Portão Monumental, os mais novos oficiais da Força seguirão destino para as diferentes localidades do País, disseminando novos e consolidados conceitos e colaborando, assim, para a modernização e progresso da Instituição. O "Sangue Novo" também carregará, para onde for, alegres e saudáveis recordações dos quatro anos de formação.
A ocasião nesse ano marca, ainda, o início das comemorações do Bicentenário da Academia Militar no Brasil, a ser consolidada em 23 de abril de 2011.
O que será que querem dizer com "novos e consolidados conceitos", se a turma homenageia Médici? Para mim, uma contradição em termos.
Mas para Otavinho Ditabranda deve ser um programão. Talvez ele pense até em reeditar a Folha da Tarde, aquele que foi chamado de "o jornal de maior tiragem do Brasil", pelo número de tiras (policiais) que escreviam em suas páginas.
By: Blog do Mello

Guerra sem paz no PSDB

José Serra já deu sinais de que não aceita desistir de seu sonho presidencial, o que soa hoje, para muitos tucanos, como um pesadelo. Aécio Neves sabe que pela ordem natural das coisas agora é a sua vez, mesmo considerados todos os "senões" e nuvens imprevistas da política. Mas nem Serra nem Aécio têm condições ou disposição de medir forças abertamente neste momento. Não é a hora.
Diante do impasse existencial dos tucanos, a melhor saída, por ora, é não resolvê-lo. E é por isso que a permanência do senador Sérgio Guerra como presidente do partido por mais um mandato se tornou quase uma unanimidade.
Guerra é uma figura "boa praça" e transita bem entre as alas do partido, sem manifestar muita vontade própria. Arbitrar divergências nunca foi o seu forte. Sua manutenção seria mais ou menos a senha e a garantia de que nada de importante vai ser decidido no ninho.
Não é, obviamente, a solução ideal para um partido fragilizado e sem bandeiras definidas, que deveria passar, segundo a expressão de Aécio, por um processo de "refundação". Mas é a solução encontrada para evitar um racha mais traumático entre Minas e São Paulo.
Aécio chegou a defender o nome de Tasso Jereissati para dirigir o partido. Seria alguém capaz de fazer o diálogo entre os mineiros e Geraldo Alckmin. Serra, no entanto, não quis saber dessa solução.
O candidato tucano derrotado à Presidência parece ser hoje um quadro político com poder para vetar nomes e paralisar mudanças, mas não para construir algo em torno de si ou de interesse do partido.
Há um descompasso flagrante entre o comportamento pós-eleitoral de Serra e as expectativas dos demais líderes de peso do PSDB. Sua insistência em permanecer no jogo na condição de opção preferencial de poder é vista hoje como um estorvo, uma ambição sem lastro nas condições reais da política. A tarefa de Sérgio Guerra é ficar parado e torcer para o balão desinflar.
Fernando de Barros e Silva
By: Folha de S.Paulo

O dia em que Lula deu um drible da vaca em Serra , oposição, Papa e no PIG

Quando Lula escolheu Dilma para cadidata à presidência da República, o presidente deu um nó na cabeça dos marqueteiros do PSDB: como debater com uma mulher sem ser deseducado? Como bater em uma economia que cresce na velocidade da China? Como bater em um presidente com mais de 80% de aprovação? Eles não tinham e nem têm respostas até agora.
Lula buscou um vice que desse musculatura no horário eleitoral: Temer levou preciosos minutos ao guia de Dilma, além de construir a ideia de coalizão, união para governança.
Lula "deixou" Serra ser o candidato do PSDB; Aécio seria a melhor opção.
Lula com sua popularidade elegeu uma dezena de senadores aliados do Planalto. Maciel, Jereissait, Virgílio, boca de cabra que tanto encheram o saco com uma oposição irresponsável e desconectada com que o povo aspirava sairam de cena.
Lula venceu o Papa e todo obscurantismo que reinou nas eleições. O talibanisno ultra direita da Opus Dei tupiniquim virou piada.
Lula desmascarou a bolinha assassina. Lula desmascarou o teatro de Serra.
Lula zombou do PIG, ironizou a fita crepe que só Bonner viu colada na careca de Serra.
Lula se apoiou na blogosfera, nos blogueiros que de fato labutam para que a informação não receba tantos filtros ideológicos.
Lula deixou a bola ir pra esquerda, e enquanto Serra e seus súditos amestrados olhavam a Bola,; Dilma corria pelo centro, com um discurso de continuidade, palatável para grande parte da sociedade.
Lula sabe jogar e dribla os adversários como Garrincha os manés... Achos que os tucanistas e os demonistas são manés.
By: Marcus Petrônio

O que difere os EUA da China em relação aos direitos humanos?

Os EUA acusam sistematicamente a China de desrespeitar os Direitos Humanos, matando opositores que denunciam as iniquidades chinesas.

Republicanos pedem pena de morte para provável fonte do Wikileaks.

Bradley Manning, 22, analista de inteligência do Exército americano que esteve no Iraque e está preso desde maio enfrentará julgamento por supostamente copiar telegramas diplomáticos e pelo vazamento de relatórios sobre as guerras do Afeganistão e do Iraque. Ele ainda é acusado de vazar vídeo que mostra o ataque de um helicóptero militar a civis iraquianos. Republicanos -como Mike Huckabee- querem que o responsável seja acusado de traição e condenado à pena de morte.

O organizador do Wikileaks é caçado como criminoso.

Certamente ele será assassinado como foi assassinado na prisão, na Suíça, o cara que gravou em CD o nome e contas bancárias e valores que alemães depositam ilegalmente na Suíça.

Americano fala de Direitos Humanos só para enganar otário.

Brasil, mostra tua cara

Frank Zappa - You Are What You Is (subtítulos en español)

Frank Zappa Day: Cocaine Decisions

Serra diz que não será candidato a prefeito

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

E no Café Soçaite de Ubatuba...

Cidades irmãs - De Ladainha para a espanhola Benalmádena. É o progresso.
Cidades irmãs 2 - E já começamos a colher os frutos da visita turística dos espanhóis em nossa cidade. Ubatuba será nome de rua na cidade espanhola. Putz...
Falando sério - Pode uma cidade turística ostentar umas ruas tão maltratadas como as nossas?
Retrospectiva - Final de ano chegando e os problemas parecem ser os mesmos do ano passado. Acrescidos de mais alguns, é claro.
A delicada relação entre jabá e conteúdo - A jornalista Meg Guida, Opinião de 18/11/2010, quer nos fazer crer que Papai Noel existe. Ah, Coelhinho da Páscoa também!
A delicada relação entre jabá e conteúdo 2 - Jabá realmente é um termo fora de moda. Alinhamento de opiniões e convergência de interesses é infinitamente mais moderno.
A delicada relação entre jabá e conteúdo 3 - Tudo a ver com a imprensa da cidezinha.
Bola murcha - Para os remendos que estão colocando nas ruas da cidade. Como se isso resolvesse.
Bola cheia - Para os navios de mini-cruzeiros que continuam chegando.
De leve...
Enquanto isso, Ubatuba ó...
Fonte: O Guaruça

DIA DO SOL

Sol é simbolo de vida, de energia.

Na astronomiasolstício (do latim sol + sistere, que não se mexe) é o momento em que o Sol, durante seu movimento aparente na esfera celeste, atinge a maior declinação em latitude, medida a partir da linha do equador

Os solstícios ocorrem duas vezes por ano: em dezembro e em junho. O dia e hora exatos variam de um ano para outro. Quando ocorre no verão significa que a duração do dia é a mais longa do ano. 

No hemisfério sul,  o solstício de verão ocorre em dezembro e o solstício de inverno ocorre em junho. Devido à órbita elíptica da Terra, as datas nas quais ocorrem os solstícios não dividem o ano em um número igual de dias. Isto ocorre porque quando a Terra está mais próxima do Sol (periélio) viaja mais velozmente do que quando está mais longe (afélio).

Os trópicos de Câncer e Capricórnio são definidos em função dos solstícios. No solstício de verão,  no hemisfério sul, os raios solares incidem perpendicularmente à Terra na linha do Trópico de Capricórnio

A praça de skate tem o nome de Praça Capricórnio porque ali passa a linha imaginária do Trópico de Capricórnio.

A galera da praça de skate, através do  do blog yesk8.blogspot.com,  convida a todos a participarem da manifestação do DIA DO SOL, marcando o solsticio  do verão dia 22 de dezembro das 10 às 20 horas.

Traga sua banda, sua roda de capoeira, seu coral, sua barraca e banners da sua instituição. Mostre que Ubatuba tem muita vida e muito sol.

Prostituição infantil em Ubatuba

            “...estamos próximos da temporada de verão e com grandes problemas quanto ao aumento de mendigos que não param de chegar, sem falar nas drogas e na prostituição infantil que tem se alastrado de forma anormal dentro do município.”

                   Anderson J. Rodrigues Tato

O texto do Tato é oportuno porque chama a atenção para um problema muito sério que a sociedade não vê ou faz que não vê, como se fosse um problema de outros municípios. É um problema sério, delicado e muito difícil de enfrentar, necessitando de maior capacitação por parte daqueles que estão mais diretamente relacionados à solução do problema.

Para isso, a Fundação Telefônica, em parceria com outras entidades vem desenvolvendo um curso muito bom na modalidade de ensino à distância e sem qualquer ônus para os que quiserem participar, a não ser se dedicar algumas horas para assistir os programas, ler os textos e realizar as avaliações. 

http://acaoprotecao.org.br/users/home

O objetivo do curso é propiciar e fortalecer ações para o enfrentamento da violência sexual em municípios do Estado de São Paulo . Durante o decorrer das atividades, a situação de cada região será avaliada em conjunto com os atores que atuam no atendimento de crianças e adolescentes. Assim, o trabalho será desenvolvido em rede, com foco na implementação de Planos Municipais de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, contribuindo para a melhoria das políticas públicas locais.”

Para isso, propõe maior interação entre os diferentes profissionais ou voluntários que atuam na proteção de crianças e adolescentes, formando uma rede integrada e que demanda diferentes abordagens: sociológicas, psicológicas, jurídicas, educacionais...

Aqui, em Ubatuba, os participantes do curso deliberaram se encontrar no Projeto Tamar, uma vez em cada módulo, para discutirem e aprofundar os conteúdos.

Está sendo bastante interessante porque são profissionais de diferentes instituições e que encontraram nesse espaço um local para discutir a própria atuação e formas mais eficazes de enfrentar os problemas, com apoio, à distância, de profissionais renomados e com grande experiência.

Além desse espaço, o próprio site garante o acesso a diferentes materiais e a interação com profissionais de outras cidades.

O fato negativo é que apenas um dos conselheiros tutelares está participando e sabemos que conhecimento  e formação nunca é demais.



EU AJUDEI A DESTRUIR O RIO!

Enviado por Luiz Carlos L. Pinto, de Ubatuba



Fonte: Jornal de Brasília

Sylvio Guedes, editor-chefe do Jornal de Brasília, critica o"cinismo" dos jornalistas, artistas e intelectuais ao defenderem o fim do poder paralelo dos chefes do tráfico de drogas. Guedes desafia a TODOS que "de tanto se drogaram nas últimas décadas, que venham a público assumir: eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro".

Leia o artigo na íntegra:

É irônico que a classe artística e a categoria dos jornalistas estejam agora na, por assim dizer, vanguarda da atual campanha contra a violência enfrentada pelo Rio de Janeiro. Essa postura é produto do absoluto cinismo de muitas das pessoas e instituições que vemos participando de atos, fazendo declarações e defendendo o fim do poder paralelo dos chefões do tráfico de drogas.

Quando a cocaína começou a se infiltrar de fato no Rio de Janeiro, lá pelo fim da década de 70, entrou pela porta da frente. Pela classe média, pelas festinhas de embalo da Zona Sul, pelas danceterias, pelos barzinhos de Ipanema e Leblon. Invadiu e se instalou nas redações de jornais e nas emissoras de TV, sob o silêncio comprometedor de suas chefias e diretorias.

Quanto mais glamuroso o ambientequanto mais supostamente intelectualizado o grupo, mais você podia encontrar gente cheirando carreiras e carreiras do pó branco. Em uma espúria relação de cumplicidade,imprensa e classe artística (que tanto se orgulham de serem, ambas, formadoras de opinião) de fato contribuíram enormemente para que o consumo das drogas, em especial da cocaína, se disseminasse no seio da sociedade carioca - e brasileira, por extensão. Achavam o máximo; era, como se costumava dizer, um barato.

Festa sem cocaína era festa careta. As pessoas curtiam a comodidade proporcionada pelos fornecedores: entregavam a droga em casa, sem a necessidade de inconvenientes viagens ao decaído mundo dos morros,
vizinhos aos edifícios ricos do asfalto.

Nem é preciso detalhar como essa simples relação econômica de mercado terminou. Onde há demanda, deve haver a necessária oferta. E assim, com tanta gente endinheirada disposta a cheirar ou injetar sua dose diária de cocaína, os pés-de-chinelo das favelas viraram barões das drogas.

Há farta literatura mostrando como as conexões dos meliantes rastacuera, que só fumavam um baseado aqui e acolá, se tornaram senhores de um império, tomaram de assalto a mais linda cidade do país e agora cortam cabeças de quem ousa lhes cruzar o caminho e as exibem em bandejas, certos da impunidade.

Qualquer mentecapto sabe que não pode persistir um sistema jurídico em que é proibida e reprimida a produção e venda da droga, porém seu consumo é, digamos assim, tolerado. São doentes os que consomemNão sabem o que fazem. Não têm controle sobre seus atos. Destroem famílias, arrasam lares, destroçam futuros.

Que a mídia, os artistas e os intelectuais que tanto se drogaram nas três últimas décadas venham a público assumir:

"Eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro." 

Façam um adesivo e preguem no vidro de seus...Audis, BMWs e Mercedes.





As mulheres vão gostar.

Enviado por Jõao Rocha, de Caraguatatuba


 Divisão de bens entre Adão e Eva

Quando Deus criou Adão e Eva, disse aos dois: Tenho dois presentes para distribuir entre vocês: um é para fazer xixi em pé e... Adão ,  ansiosíssimo, interrompeu, gritando: - Eu! Eu! Eu! Eu! Eu quero, por  favor... Senhor, por favor, por favor, Sim? Me facilitaria a vida substancialmente! Por favor! Por favor! Por Favor! Eva concordou e disse que essas coisas não tinham importância para ela. Então, Deus presenteou Adão. Adão ficou maravilhado. Gritava de alegria, corria pelo jardim do Éden Fazendo xixi em todas as árvores.
Correu pela praia fazendo desenhos com Seu xixi na areia. Brincava de chafariz. 

Acendia uma fogueirinha e Brincava De bombeiro... 
Deus e Eva contemplavam o homem louco de felicidade, até que Eva perguntou A Deus:
 - E... Qual é o outro presente?
Deus respondeu: 

Cérebro, Eva, cérebro . 
Os homens que me perdoem.....
  ... + eu amei!!!

Vander Lee - Contra o Tempo