sábado, 6 de julho de 2013

Barbosão sem máscara é igual aos outros



As últimas do Barbosão são de lascar.
Cada um cuida da sua vida, faz o que bem entende, é o que dizem, mas há pessoas que têm de tratar melhor de seus narizes e não fazer tudo o que desejam, como é o caso do presidente do STF.
Ele não se toca que é o representante máximo do Poder Judiciário?
Será que não pode, nos seus raros momentos de folga e lazer, se dedicar a afazeres menos festivos do que assistir a jogos da seleção viajando com recursos do tribunal, ou então menos interesseiros do que arranjar um emprego para o filho, na Rede Globo?

O ex-presidente Lula proporcionou a Barbosão uma daquelas oportunidades que são únicas na vida de uma pessoa, ao indicá-lo a uma vaga de ministro do Supremo.
Barbosão poderia passar para a história: o primeiro presidente negro da mais alta corte do Judiciário brasileiro.
Bastava apenas se ater à discrição que um cargo importante desses exige.
Não se expor em bate-bocas com seus colegas.
Não ser rude, mal-educado, desrespeitoso com eles.
Não xingar jornalistas.
Não frequentar praias badaladas e aceitar ser fotografado ao lado de sua nova namorada.
Nossa, como tem coisas que ele não deveria ter feito...
Em público, Barbosão diz que não pretende, como desejam alguns, ser o candidato da oposição à Presidência no ano que vem.
Em privado, talvez nem seus amigos mais íntimos saibam realmente o que vai na sua cabeça.
Há quem diga que essa exposição pública além da conta faz parte justamente de uma estratégia para torná-lo mais conhecido, mais povão, para consolidar a imagem que tentam criar dele, a do menino pobre - e negro - que virou o sujeito mais importante do país.
O problema é que, ao fazer exatamente as mesmas coisas condenáveis que as outras autoridades - de qualquer um dos Poderes - faz, Barbosão se nivela a elas.
Fica do mesmo tamanho dessa legião de malandros que existe por aí.
Justamente ele, o escolhido para ser, se não a própria reserva moral do Brasil, ao menos o seu guardião.
Triste, muito triste.

http://cronicasdomotta.blogspot.com.br/2013/07/barbosao-tira-mascara.html

Diga não ao Projeto de Lei 4330. Este debate não será mostrado nos grandes meios de comunicação.



Projeto em tramitação na Câmara permite que todos os trabalhadores do país sejam substituídos por terceirizados.  

Por Douglas Yamagata 

Está em discussão na Câmara dos Deputados em Brasília, o Projeto de Lei 4330/04, que se for aprovado, permitirá que todos os trabalhadores (tanto das empresas privadas, quanto das empresas públicas de todas as categorias) possam ser terceirizados ou até mesmo quarterizados. 

A legislação atual permite que apenas as atividades que não são consideradas atividades-fim, sejam terceirizadas. 

Por exemplo, hoje nas agências bancárias, os vigilantes e as faxineiras podem ser terceirizados; mas os caixas, escriturários e gerentes não podem. 

No entanto, se aprovada a PL 4330, os caixas, escriturários e gerentes, também poderão ser trocados por terceirizados, pois o custo de um bancário terceirizado é 75% menor que um trabalhador não terceirizado. 

Ou seja, teremos um país apenas de terceirizados, onde as convenções coletivas dos trabalhadores que ampliam os direitos dos trabalhadores não valeram para nada, reduzindo o poder dos sindicatos e das demais entidades de representação dos trabalhadores. 

Hoje, se um trabalhador terceirizado processar a empresa contratada a empresa contratante também é responsável. 

Se aprovada o PL 4330, a empresa contratante não poderá mais ser responsabilizada, e quem perderá é o trabalhador.  

O PL 4330 também prevê que o trabalhador terceirizado não terá mais lotação fixa, e ele poderá ser remanejado para qualquer lugar a qualquer momento. 

Além disso, o PL 4330 prevê que o trabalhador terceirizado poderá ser contratado por diversas empresas concomitantemente, precarizando ainda mais as condições e a vida do trabalhador. 

Desta forma, o PL 4330 vai na contramão da história, pois temos um país em crescimento econômico e social. 

Ao invés de ampliar os direitos, o PL 4330 vai no sentido de rebaixar as conquistas da classe trabalhadora e precarizar as relações de trabalho. 

Vale lembrar também, que o custo do trabalho no Brasil ainda é baixo se comparado com diversos país desenvolvidos. 

A grande mídia não irá mostrar este debate 

É importante salientar, que este projeto tem o apoio dos empresários, banqueiros, latifundiários e dos grandes meios de comunicação. 

A Rede Globo, Folha e Veja, conseguiram gerar a polêmica entorno da PEC 37, noticiando todos os dias sobre a questão, mesmo sabendo que a maioria nem sequer sabia do que se tratava. 

Com relação ao PL 4330, os grandes meios de comunicação não darão destaque, uma vez que são empresas privadas e tem todo interesse que o projeto seja aprovado, pois poderão também terceirizar seus funcionários. 

Apesar da CUT e o movimento sindical ter realizado diversas marchas e manifestações (como no último dia 04/07 na Paulista), nada foi noticiado nos grande veículos de comunicação. 

Portanto, essa é uma luta que deve ser encampada por todos os trabalhadores e pela sociedade, pois o PL 4330 significa literalmente o fim do emprego decente no país. 

Devemos divulgar o PL 4330 para toda a sociedade, pois na Câmara dos Deputados, a maioria dos deputados (mais de 400), são ligados a empresários, latifundiários, banqueiros e grandes meios de comunicação - e isso faz com que tenham maior facilidade de aprovar o PL 4330.

Clique aqui e assine a Petição Pública contra o PL 4330.


do BLOG DO SARAIVA

GOVERNADORES DO PSDB TEM MÁQUINA ADMINISTRATIVA MUITO MAIOR E INCHADA QUE O GOVERNO DE DILMA


A MÁQUINA ADMINISTRATIVA DOS TUCANOS É MUITO MAIOR QUE A DO GOVERNO FEDERAL


A tática nazista de repetir uma mentira até que ela se torne uma 'verdade', ou, de apresentar os fatos apenas pelo angulo que interesse, para com isso criar uma situação sobre a qual se possa depois "repetir à exaustão", até que ela passe a ser aceita e propagada sem ao menos ser questionada, é amplamente colocada em prática pela imprensa conservadora, monopolizada e partidarizada do Brasil. 

Assim, falam nos 39 MINISTÉRIOS do governo Dilma, atacam, sob a alegação de que isso existe para dar cargos à base aliada, e que é impossível governar com tamanha estrutura. Ocorre que nos governos de três grandes Estados do Brasil - SÃO PAULO - MINAS GERAIS e GOIÁS - administrados pelo PSDB, A MÁQUINA PÚBLICA é muito mais pesada e INCHADA do que a do governo Federal, além do que, no âmbito desses ESTADOS, também existe uma BASE ALIADA, que ocupa CARGOS nas Secretarias, Autarquias, Fundações e Empresas Públicas, em troca da qual garante a maioria para que na ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA só passe ou não passe, o que os governadores querem.

Nosso blog pesquisou nos sites dos três governos e constatou o que a imprensa sabe, mas, só em notinhas de pé de página apresenta. OS GOVERNADORES TUCANOS SÃO PERDULÁRIOS.

SÃO PAULO


26 SECRETARIAS DE ESTADO - 23 AUTARQUIAS - 19 EMPRESAS PÚBLICAS - 16 FUNDAÇÕES

PARA CONHECER A SUPER-MÁQUINA ADMINISTRATIVA DE SÃO PAULO - GERALDO ALCKMIN - PSDB - CLIQUE AQUI

MINAS GERAIS


23 SECRETARIAS DE ESTADO - 20 AUTARQUIAS - 16 EMPRESAS PÚBLICAS - 17 FUNDAÇÕES.

PARA CONHECER A SUPER-MÁQUINA ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS - ANTONIO ANASTASIA - PSDB - CLIQUE AQUI

GOIÁS


O site do Governo de Goiás é mais difícil de ser consultado, mas...CLIQUE AQUI

São 28 SECRETARIAS e 27 ÓRGÃOS com Status de SECRETARIA = 55

Como registrou a coluna de Ilimar Franco, 16 a mais que os ministérios do governo Dilma Rousseff

<>


'É uma falta de vergonha inacreditável!' O ultrachavismo sem voto da Rede Globo



O ultrachavismo sem voto da Rede Globo

*Por Miguel do Rosário
O presidente do Supremo Tribunal Federal, o ídolo dos coxinhas, Joaquim Barbosa,  é hoje o principal trunfo político da Rede da Globo. Ancelmo Gois incensa-o regularmente desde que ele tomou as dianteiras da Ação Penal 470. Outro colunista, Roberto Damatta não apenas afirmou que votaria sem pestanejar nele, como achava que Barbosa levaria fácil no primeiro turno. Merval Pereira e ele estão sempre se telefonando, e o colunista publica a conversa no dia seguinte sem escrúpulos de chapa-branquismo. O ex-presidente do STF anterior, Ayres Brito, escreveu o prefácio do livro de Merval enquanto ainda tocava o julgamento do mensalão.  É uma falta de vergonha inacreditável.
Aí ficamos sabendo que Barbosa pagou as passagens de avião, com dinheiro público, para uma repórter da Globo lhe acompanhar à Costa Rica. Coisas de político da pior laia. Logo descobrimos que Barbosa pagou as passagens de avião para assistir o jogo do Brasil e Inglaterra, no Rio, com dinheiro público, e que ficou no camarote de um apresentador da Globo, Luciano Huck. E que seu filho está trabalhando na Globo, com Luciano Huck, figura que o PSDB andou sondando para ser seu candidato ao governo do Rio. (...)
É incrível o poder da Globo de cercar os ministros do STF. Cercam-nos midiaticamente, incensando-os, arrumando-lhes camarotes de luxo, descolando empregos para seus filhos. É como se vivêssemos um ultrachavismo de direita e sem voto, comandado pela Rede Globo, que pode tudo. Pode fraudar o fisco em quase 2 bilhões de reais, e ainda sim receber dezenas de bilhões de reais em publicidade pública. O Ministério Público só investiga quem a Globo decide que tem de ser investigado. Os juízes só condenam quem a Globo decide que deve ser condenado.
Vide o caso recente do jornalista Paulo Henrique Amorim. É ridículo que seja condenado com tal severidade por uma frase infeliz: mas como foi contra um jornalista da Globo, então vale tudo. O que o Paulo fez mereceria apenas retratação verbal no próprio site, se o juiz assim decidisse, mas querer prender na cadeia um blogueiro porque se deu uma interpretação racista à sua frase? Aí é demais. Aí é manipular a ditadura do politicamente corrento para beneficiar o mais poderoso. Afinal, o que significa tanta perseguição a PHA? Não é mais uma tentativa de censura, via sufocamento judiciário e financeiro?
*
A malandragem cabotina de Ilimar Franco
Ilimar Franco é o colunista melhorzinho do Globo, mas é do Globo e tem de comer na mão de seus patrões. Não pode dar opinião, porque é “meio de esquerda”. Só quem pode opinar é Merval Pereira, o pitbull fiel e disciplinado dos Marinho. Hoje Ilimiar tenta fazer uma incursãozinha no trabalho sujo, provavelmente querendo se blindar.
Veja essa notinha, publicada em sua coluna de hoje:
‘Queromeu’- Petistas, na reunião da Executiva, criticaram a comunicação do governo por desprezar as redes sociais. O eufemismo é usado por quem defende que o governo Dilma dê dinheiro público para páginas na internet não noticiosas e de baixa audiência, que são alinhadas com o petismo.
A notinha, além de arrogante, é malandramente cabotina, porque o objetivo dela é pressionar o governo a continuar dando dinheiro pra Globo. Só que a Globo não tem página “noticiosa”. Tem uma central de produção de lixo. Deveria receber, talvez, alguma verba do Ministério do Meio Ambiente, para reciclagem e descontaminação. E as páginas “noticiosas-lixo” da Globo são alinhadas à direita golpista. Sonega informações descaradamente. Mente. Protege a corrupção de seus aliados. Cadê a investigação jornalística na grande mídia sobre a privataria tucana? Cadê a investigação sobre as fraudes fiscais da Globo? Cadê a investigação sobre as relações de Veja com a máfia de Carlinhos Cachoeira e Demóstenes Torres.
Um governo que trabalha pela desconcentração da renda não pode, esquizofrenicamente, fomentar a concentração da mídia. Não pode matar a fome do povo, e esquecer de seu espírito. Mídia também é cultura, saúde e educação, porque através da mídia se pode transmitir valores, cuidados com a saúde e informação acadêmica e profissional.
Eles construíram sua audiência em meios aos anos de chumbo, quando o governo (a ditadura) era seu aliado, e com ajuda dele, e dos Estados Unidos, esmagaram seus concorrentes, tornaram-se uma potência financeira e estabeleceram um monopólio. Tudo sempre regados a empréstimos bilionários, leis favoráveis no congresso, e uso de paraísos fiscais.
Os platinados estão morrendo de medo de perder a boquinha do governo, que lhes rende mais de um terço de sua renda anual. O Cafezinho, que jamais recebeu um centavo do Estado, acha o seguinte: se estamos vivos até aqui, continuaremos vivos, mas defendo que o governo não dê mais dinheiro pra ninguém. Queremos que os bilhões da Secom sejam transferidos diretamente para investimentos em educação. O governo anunciaria suas ações através de uma lei que obrigaria toda concessão pública a veicular de graça publicidade de utilidade social. Pronto, acabaria a mamata.  Eu ficaria tranquilo.
Melhor ainda, o governo poderia criar um sistema randômico, para os anúncios serem veiculados em qualquer site brasileiro, mas com um teto máximo, para que os tubarões não ficassem com tudo e estimular os pequenos e médios.
Para cúmulo da incompetência política, a Secom tem usado o Ad Sense do Google para anunciar na web, ferramenta que deixa 75% dos recursos públicos em mãos de uma empresa estrangeira, mais 20% nas mãos de agências, e somente 5% nas dos verdadeiros produtores de conteúdo.
*
A nossa sorte é que até agora nenhum Marinho tem gosto pela política, senão já tínhamos criado nosso Berlusconi, e seria muito pior do que o original italiano. Por isso é tão perigoso a direita voltar ao poder. Ela já tem o controle da mídia privada. No governo, terá também o da mídia pública.
É o que vai acontecer se a Dilma continuar fazendo de tudo para perder as eleições, como tem feito.
Ilimar Franco, colunista do Globo.

Joaquim Barbosa impedido de julgar casos da Globo

A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses
PAULO NOGUEIRA 5 DE JULHO DE 2013, no Diário do Centro do Mundo
Com seu filho empregado na Globo, JB fica moralmente impedido de julgar coisas relativas à Globo.
Devem imaginar que nós somos idiotas, a Globo e Joaquim Barbosa.
Não há outra explicação.
Como pode a Globo dar emprego ao filho de JB? E como JB pode deixar que isso ocorra?
Neste exato momento, a Globo enfrenta uma questão multimilionária na Receita Federal. Documentos vazados – demorou para que isso ocorresse – por alguém da Receita contaram uma história escabrosa.
Os documentos revelam, usemos a palavra certa, uma trapaça. Com o uso de um paraíso fiscal, a Globo fingiu que estava fazendo uma coisa quando comprava os direitos de transmissão da Copa de 2002.
A Globo admitiu a multa que recebeu da Receita. E em nota alegou ter quitado a dívida.
Mas a fonte da Receita disse que não é verdade. E pelo blog O Cafezinho, que trouxe o escândalo, desafiou a Globo a mostrar o recibo.
Apenas para constar.
O dinheiro que a Globo não recolheu constrói escolas, hospitais, portos, aeroportos etc etc.
Mas, não pago, ele termina na conta dos acionistas.
Foi, além do mais, usado um paraíso fiscal, coisa que está dando prisão na Europa hoje em dia.
Isto tudo posto, vamos supor que uma questão dessas termine no STF.
Qual a isenção de JB para julgar?
É uma empresa amiga: emprega o filho dele.
Dá para julgar?
E a sociedade, como fica?
Gosto de citar um dos maiores jornalistas da história, Joe Pulitzer. Às equipes que chefiei, citava exaustivamente uma frase que é vital para o exercício do bom jornalismo.
“Jornalista não tem amigo”, escreveu Pulitzer.
O que Pulitzer dizia: se você tem amigos, você não vai tratá-los com a neutralidade devida como repórter ou editor.
A Globo está cheia de amigos, e esta é uma das razões pelas quais seu jornalismo é tão viciado – e seus donos tão ricos.
Mas as amizades de JB são ainda mais preocupantes, dado o cargo que ele ocupa.
A Justiça brasileira é um problema dramático.  Recentemente, os brasileiros souberam das estreitas relações entre o ministro Fux, também do Supremo, e um dos maiores escritórios de advocacia do Rio.
Sua filha, advogada, é empregada deste escritório. Como Fux pode julgar uma causa deste escritório?
Não pode.
Há um claro conflito de interesses.
O mesmo vale para Joaquim Barbosa.
Quem acredita que ele não enxergou o conflito de interesses no emprego dado a seu filho na Globo acredita em tudo.
É um caso tão indefensável que a Globo, inicialmente, negou a informação, obtida pela jornalista Keila Jimenez, da Folha. Procurada, a Globo, diz a Folha, negou a contratação. Disse que o filho de JB fora “apenas fazer uma visita ao Projac”.
Só depois admitiu.
É uma história particularmente revoltante quando se lembra a severidade com que JB comandou o julgamento do Mensalão.
Ele fez pose de Catão com suas catilinárias anticorrupção, e impressionou muitos brasileiros que podem ser catalogados na faixa dos inocentes úteis.
Mas se fosse Catão não permitiria que seu filho trabalhasse na Globo. Não pagaria – como revelou o Diário – com dinheiro público a viagem de uma jornalista do Globo para uma viagem de completa irrelevância para a Costa Rica, apenas para obter cobertura positiva do jornal.
Não usaria, como se soube agora, recursos públicos para ver um jogo do Brasil num camarote de apresentadores – claro – da Globo.
E provavelmente Catão também jamais gastasse o equivalente a 90 000 reais, em dinheiro do contribuinte, para uma reforma.
Joaquim Barbosa não tem autoridade moral para ocupar o cargo que ocupa:  infelizmente os fatos são claros.
Ele é um drama, uma calamidade nacional.
Sêneca dizia que era mais fácil começar uma coisa errada do que depois resolvê-la.
A nomeação de JB por Lula – que procurava um juiz negro para o Supremo — foi um erro monumental.
Resolvê-lo agora é uma enorme, uma trágica dificuldade.
PS do Viomundo: Apenas um reparo: os casos da Globo raramente chegam ao Supremo; morrem em instâncias inferiores, quando chegam lá. A Globo é maior símbolo da impunidade existente no Brasil.


viomundo.com.br/denuncias/paulo-nogueira-joaquim-barbosa-impedido-de-julgar-casos-da-globo.html

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Protestos seguem um roteiro: quem são os autores?



Caminhoneiros protestaram na Castello Branco (SP) por 15 horas /
Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo

Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

‘Com o esvaziamento das manifestações nas ruas e praças das cidades, os protestos tomaram o rumo das estradas e caminhoneiros bloquearam ontem 22 rodovias em nove Estados, fechando inclusive o acesso ao porto de Santos, que só foi liberado na manhã desta terça-feira.

Desde o dia 6 de junho, quando dois mil manifestantes do Movimento Passe Livre protestaram na avenida Paulista, em São Paulo, contra o aumento de 20 centavos nas passagens de ônibus, os protestos se espalharam por todo o pais e foram multiplicando sua pauta de reivindicações, que foi da PEC 37 ao combate à corrupção, dos gastos com a Copa à melhoria nos serviços públicos, atacando todos os governos, políticos e partidos.

Depois de três semanas, os protestos urbanos perderam o folego e foram para as estradas. O Movimento Brasil Caminheiros, liderado há 14 anos pelo empresário Nélio Botelho, que em 1999 fechou as principais rodovias do país e provocou até desabastecimento em algumas cidades, apresenta agora as mesmas reivindicações daquele tempo: redução do preço dos pedágios e do óleo diesel, entre outras benfeitorias para a categoria.

Mesmo depois que o governo de São Paulo suspendeu a cobrança de pedágio para caminhões sem carga, razão primeira do protesto, o movimento decidiu que continuará nas estradas até quinta-feira, infernizando a vida de quem precisa viajar.

É no mínimo estranho que os caminhoneiros de Nélio Botelho voltem aos bloqueios justamente agora que a situação estava começando a se normalizar nas cidades, depois que a maior parte das reivindicações do povo nas ruas foi atendida rapidamente pelos três poderes.

Na mesma hora em que as estradas eram fechadas, apenas 100 gatos pingados apareceram ontem no mesmo Largo da Batata, em São Paulo, que reuniu 65 mil pessoas do Movimento Passe Livre no último dia 17 de junho, desta vez para protestar contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-SP).

No início da noite, 40 pessoas saíram às ruas de Florianópolis para pedir mais ética na politica; 200 manifestantes pediram o fim da corrupção em Manaus; mais 200 saíram em Maceió contra a contratação de médicos estrangeiros; outros 80 fecharam a PR-116 em Fortaleza, pedindo sinalização e uma passarela; com pedidos variados, 60 protestaram em Foz do Iguaçu, o mesmo número que saiu às ruas em Santos para pedir a integração das tarifas de balsas e ônibus; só em Vitória o número chegou a 1.000 para pedir o fim da cobrança de pedágio.

Geradas nas redes sociais e amplificadas pela cobertura generosa da grande mídia, inclusive durante transmissões esportivas e em programas de auditório, as manifestações de protesto parecem seguir um roteiro para que não parem nunca mais, encadeando uma pauta na outra. Certamente não se trata da obra de um único e criativo pauteiro. Pode ser tudo uma grande coincidência, mas não custa perguntar quem podem ser seus autores e quais seriam seus reais objetivos, já que até hoje tudo nos é apresentado como algo espontâneo, que brota de uma difusa insatisfação popular não registrada pelas pesquisas nem pelos agentes da Abin.

Em seu artigo de hoje no "Observatório da Imprensa", sob o título "A história ainda não foi contada, falta o narrador", Alberto Dines deixa uma pergunta no ar:
"No sábado, 6 de julho, o vulcão completará um mês de atividade ininterrupta. Hora de perguntar: alguém já contou esta história _ como começou, mudou e o que ainda vai acontecer?".

Em busca de respostas, Dines constata: "Estamos observando os escombros, identificando vítimas, avaliando efeitos, conscientes da dimensão do ocorrido, testemunhas mais ou menos informadas. Poucos, no entanto, sabem com exatidão por que a cratera adormecida, de repente, começou a cuspir fogo".
Talvez só os historiadores do futuro, daqui a muitos anos, nos contem como foi construído e desenvolvido este roteiro.”

terça-feira, 2 de julho de 2013

Em 1997 Aécio Neves fez Projeto de Decreto para convocar plebiscito. Agora é contra

Plebiscito e o cinismo de Aécio Neves

Em 1997 Aécio Neves fez Projeto de Decreto para convocar plebiscito. Agora é contra

O PPS, também já pediu  apoio da OAB para proposta de plebiscito sobre reforma política
FHC e Aécio Neves afirmaram que proposta de plebiscito para reforma política sugerida por Dilma é absurda, digna de ‘regimes autoritários’. Mas, os dois já propuseram o mesmo que a presidente Dilma
A oposição do governo Dilma está batendo cabeça. Quando a presidente sugeriu plebiscito para decidir sobre Constituinte exclusiva o tucano  Fernando Henrique Cardoso  ganhou espaço generoso nas páginas de jornais  para criticar a  Dilma: “A proposta é  “própria de regimes autoritários”, afirmou o ex presidente.
Mas, Fernando Henrique Cardoso não pensava assim quando ele,  em  duas ocasiões durante seu mandado defendeu, em duas campanhas eleitorais, a realização de assembleias constituintes exclusivas. Em 1994, o tucano propôs o instrumento para promover uma revisão constitucional. "Seis meses são suficientes para esses trabalhos. Basta ter vontade política", disse, em junho daquele ano. Quatro anos depois, quando concorria à reeleição, o então presidente  FHC defendeu a proposta de constituinte restrita com o objetivo de acelerar a aprovação das reformas tributária, política e do Judiciário.
Outro tucano que esqueceu o que disse e escreveu  é o candidato á presidência Aécio Neves. No site da Câmara Federal é possível encontrar o PDC 580/1997, de autoria do então deputado federal Aécio Neves (PSDB/MG)  de  1997. O Projeto de Decreto Legislativo tinha como objetivo convocar plebiscito sobre assembleia nacional constituinte revisora a ser instalada em fevereiro de 1999. Na  época da gestão FHC, Aécio Neves  era uma das principais lideranças tucanas no legislativo e estava perfeitamente  sintonizado com o governo tucano   e  seus objetivos.
Agora,  quando a presidente Dilma  lançou a proposta de    plebiscito popular  para fazer a reforma política no país, o candidato à presidência Aécio Neves (PSDB),  com os  presidentes dos  partidos, Agripino Maia( DEM) e Roberto Freire( PPS), divulgaram nota na qual se declaram contra a proposta .Aécio Neves  afirmou que a proposta apresentada por Dilma, de se convocar um plebiscito para criar uma Constituinte exclusiva para tratar da reforma política, é uma medida "perigosa" e "desnecessária".
Roberto Freire, presidente do PPS,  talvez não lembrou quando assinou a nota. Mas em 2009 o  PPS pediu  apoio da OAB para proposta de plebiscito sobre reforma política. O projeto  foi entregue pelo deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE) ao presidente da época da OAB, Cezar Britto. O plebiscito deveria perguntar aos eleitores se o Congresso Nacional deve realizar uma reforma política ou não. Como se nota, parece que os três  presidentes dos partidos de oposição ao governo Dilma tem  problema de memória. Ou,  esqueceram o que eles mesmos fizeram a bem pouco tempo atrás.
O povo pediu nas ruas e a presidenta Dilma atendeu: quer consulta popular, o plebiscito     para reformar a política, já que no Congresso está travado há anos.
Dilma se aliou ao povo, em seus desejos de mudanças para desintoxicar a política de seus vícios.
A proposta de plebiscito para reforma política tem gerado divergências.
É importante que todos tomem conhecimento sobre o que Dilma pretende e  por que a oposição ao governo Dilma é contra. 
Veja a diferença entre plebiscito e referendo
No Amigos do Presidente Lula

Rede Globo envolvida no suborno a Teixeira e Havelange?


Coincidência: Globo e ISL tinham operações nas ilhas Virgens britânicas

A reportagem abaixo foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo em julho de 2012. O motivo de reproduzirmos agora é que alguns detalhes do texto chamam atenção. Jamil Chade, o autor, trata das investigações na Suiça que levaram ao afastamento da FIFA de João Havelange e Ricardo Teixeira. Menciona que uma emissora de TV — qual? — brasileira teve participação no pagamento de suborno aos cartolas. Eram as negociações pelos direitos das copas de 2002 e 2006. Foi justamente no período em que, segundo a Receita Federal, a TV Globo abriu uma empresa de fachada nas ilhas Virgens britânicas. Onde operava, também, a International Sports and Leisure (ISL), empresa de marketing que esteve no centro do escândalo que ainda abala o futebol internacional.
Fiquem com o texto de Jamil Chade, sugerido pelo Luis Carlos Gaspar, que viu trecho no blog do Paulinho

Justiça mostra suborno milionário

Ricardo Teixeira e João Havelange receberam, segundo a investigação suíça, mais de R$ 45 milhões para fechar acordos, desviando o dinheiro da Fifa
12 de julho de 2012 | 3h 04
João Havelange e Ricardo Teixeira receberam suborno no valor de pelo menos R$ 45 milhões, segundo a Justiça suíça. O escândalo do pagamento de propinas escancara 30 anos de um sistema de corrupção montado na Fifa. Os brasileiros cometeram “enriquecimento ilícito”, causaram prejuízo para a entidade e colocaram seus interesses pessoais acima dos interesses do futebol, diz a Justiça sobre o caso, que foi arquivado mas teve seus documentos divulgados ontem.
A ação promete ter amplas repercussões: Havelange pode deixar de ser presidente de honra da Fifa e as informações poderão ser usadas no Brasil para uma eventual ação contra Teixeira. A declaração dos advogados da entidade insinuando que sul-americanos são em geral corruptos também promete causar mal-estar entre a Fifa e o governo.
Documentos oficiais da Justiça suíça apontam para pagamento de comissões no valor de US$ 122,5 milhões (R$ 225 milhões) por parte da empresa de marketing ISL a cartolas pelo mundo. A Justiça também acusou a Fifa de “omissão” ao não conseguir controlar os subornos. Num dos pagamentos de US$ 1 milhão (R$ 2 milhões) a Havelange, o dinheiro foi erroneamente depositado numa conta da Fifa.
Como regra geral, segundo a Justiça, a propina teria sido paga a Teixeira e Havelange para que influenciassem a Fifa na decisão de quem ficaria com os direitos de transmissão das Copas de 2002 e 2006, incluindo o mercado brasileiro. Uma empresa transmissora com atuação no Brasil é citada como uma das envolvidas no suborno, ainda que seu nome esteja sendo mantido em sigilo. Para os suíços, o serviço dos dois foi “comprado” por empresas que queriam manter relações com a Fifa.
A publicação do documento ocorreu depois que o Tribunal Federal da Suíça entendeu que o assunto era de “interesse público”. O documento de 42 páginas mapeia um esquema de corrupção que tomou conta da Fifa. Tudo começou quando o Tribunal de Zug decidiu investigar a quebra da empresa de marketing da Fifa, a ISL. O que descobriu foi uma ampla rede de suborno.
Em 2010, porém, o caso envolvendo Teixeira e Havelange foi encerrado depois de um acordo entre os dois e o procurador suíço. Eles devolveram US$ 2,5 milhões (R$ 5 milhões) à Fifa.
O documento revela uma movimentação milionária na conta desses cartolas. Teixeira e Havelange receberam subornos num valor total de pelo menos 21,5 milhões de francos suíços (cerca de R$ 45 milhões) em contas em paraísos fiscais.
Os pagamentos ocorreram entre 1992 e 2004 e o tribunal havia decidido processar os brasileiros por “atos criminosos em detrimento da Fifa”. “Eles causaram prejuízos para a Fifa por seu comportamento e enriqueceram ilicitamente.”
Parte substancial da denúncia é dirigida a Havelange, acusado de não repassar pagamentos aos cofres da Fifa. Havelange é ainda acusado de “administração desleal”.
“Havelange usou ilegalmente ativos confiados a ele para seu próprio enriquecimento em várias ocasiões”, aponta o documento.
O cartola agiu para garantir o contrato de empresas para a transmissão da Copa de 2002 e recebeu propinas de uma empresa para garantir o contrato para a transmissão do Mundial no mercado brasileiro naquele ano.
Havelange, que já teve de abandonar o COI por conta do escândalo, “embolsava o dinheiro” e empresas o pagavam para usar sua influência como presidente da Fifa para garantir contratos.
Andorra
Teixeira também foi alvo das propinas, especialmente por conta do interesse de empresas de usar seus serviços. Segundo a Justiça, ele presidia a federação de futebol “mais poderosa” do mundo. Com um pagamento, a empresa conseguia dois objetivos: influência na Fifa e garantia de contratos no Brasil.
O pagamento ao ex-presidente da CBF ocorria por meio de uma empresa que ele teria estabelecido em Andorra, outro paraíso fiscal. Um intermediário era usado para transferir, em nome do brasileiro, o dinheiro para suas contas. O agente retirava os ativos em espécie e alimentava contas de Teixeira.
Antes da Copa de 2002, o Brasil fez uma parada em Andorra para jogar um amistoso contra a seleção local. Pessoas que faziam parte daquela comissão técnica confirmaram ao Estado que o jogo foi uma forma de Teixeira agradecer aos atravessadores locais pelo serviço de suposta lavagem de dinheiro. O uso de Andorra pelo ex-dirigente teria perdurado até 2004.
“Teixeira usou ilegalmente ativos confiados a ele para seu próprio enriquecimento em várias ocasiões”, apontou o documento, indicando como ele agia em nome da Fifa, mas acabava embolsando o dinheiro. Só entre 1992 e 1997, recebeu US$ 12,7 milhões (R$ 25,4 milhões). O dinheiro viria de comissões de acordos entre empresas e a Fifa, para o uso do nome da Copa do Mundo, assim como para “a transmissão da Copa de 2002 no Brasil”.
A investigação conduzida pelo procurador Thomas Hildbrand ainda evidenciou um esquema de corrupção que fazia parte da Fifa desde os anos 70, quando Havelange assumiu o poder.
Testemunhas contam que a ISL foi usada como verdadeiro caixa 2. Abriu contas em paraísos fiscais como Liechtenstein e Ilhas Virgens Britânicas para receber e pagar propinas.
O dinheiro vinha em grande parte de empresas de transmissão das imagens da Copa de 2002 e 2006. No caso do Brasil, o valor do contrato era de US$ 220 milhões. Outros contratos chegavam a US$ 750 milhões.
Segundo a defesa de Teixeira, nunca houve uma condenação e o acordo impediu até mesmo que o processo fosse adiante.
A defesa do ex-dirigente brasileiro também apontou que não houve nem mesmo confissão de culpa. Em Zug, o tribunal admitiu ao Estado que foram os advogados de Teixeira e de Havelange que bloquearam a publicação do documento por dois anos.
No Amoral Nato, o blogodita

Poema Social


OS ‘COXINHAS”
“Só feche seu livro/Quem já aprendeu...”
Que as Crianças Cantem Livres, Taiguara

Lá vem, lá vem, um montão de pomposos revoltadozinhos, todos brancos
Recrutados entre a elite, a classe “mérdia” com suas medíocres vidazinhas
Falsos, reclamam de Vinte Centavos, ensaiam pose a trancos e barrancos
(Os pobres, os necessitados e operários estão dos outros lados das linhas)
São os criticozinhos-daslu agora popularmente tachados de ‘COXINHAS’

Lá vem eles com seus energéticos caríssimos, de marca, todos importados
Com seus belos frascos de sprays comprados em Miami ou em Cancun
São riquinhos em revoltas; em shopping classe A muito bem orquestrados
Afinal ser do contra agora está na moda, virar critico não faz mal nenhum
São ricos Coxinhas com grife, todos em pose, bem vestidos, marombados

Bandeiras do Brasil, Hino Nacional Brasileiro, belas faixas e caros cartazes
Volta e meia ouvimos cantar os reacionários, um bando em antro de galinhas
São moças com caríssimas mochilas; estão todos bem vestidos os rapazes
Marcham se como um exército de burgueses – soam como se aves daninhas
São os filhotes diferenciados do Morumbi, são os babaquaras... Coxinhas

Não, o miserável salário mínimo de antes... não é mais aquele que antes era
E nem de longe é tão alto o risco Brasil, o dólar, sequer é alta a inflação
Nem há aquela dívida externa da herança maldita, vivemos a primavera
Tudo soa muito montado, vaidoso, artificial, de fachada pra atiçar alguma fera
E o povo, o povão mesmo, tachou a caterva rica baderneira de Coxinha então

São Paulo o estado mais corrupto do Brasil, que foi refém do crime organizado
Sucateou, quebrou e vendeu o estado público a preço de banana, privatarias
Por que afinal de contas marcham esses Coxinhas; essa manada, gordo gado
Tramaram na Disneylândia ou no Guarujá essas montadas novas patifarias?
Coxinhas marcham sem saber pra onde e valem-se da mídia suja e todas vias

Um depreda, outro rouba, assalta, outro com máscara de Anônimus saqueia
Outro mané brada “Fora Dilma” - outro ainda xinga a senhora Presidenta
Dezoito anos de um governador banana que com a mídia amoral tapeia
Mas segue a passeata montada agregando alguns coiós na marcha lenta
Coxinha não cabe em si de falso orgulho; o protesto por si só não se sustenta

Mas a mídia corrupta e amoral elogia. Alvoroça os despolitizados baderneiros
Posam de vitimizados; com seus jargões furados e brados jecas em ladainhas
Filhinhos reacionários e tapados de pais corruptos e ladrões do fisco vezeiros
De sobra o filhote rico feito garnisé de briga sem causa, todos falsos, criticazinhas
No Estado mais rico do Brasil, estado mais corrupto do Brasil, são os COXINHAS

Os pobres, os pobres mesmo, ah eles estão surpresos, estão sondando, assustados
Com os ônibus urbanos logo pelos Coxinhas saqueados, alguns até incendiados
São jovens janotas e boçais berrando, de Samparaguai os criticozinhos-daslu
O Estado máfia com hienas ricos do Morumbi, de Higienópolis, do Pacaembu
Aquilo não é paralização por nada, é desfile de grifes que mais parece rende-vous

Tentam fazer terrorismo rastaquara, querem derrubar o metalúrgico ex-presidente
Moram em casamatas com guaritas e mansões em Moema, tais amebazinhas
Agregam idiotas, estudantes, párias, vagabundos, no embalo vai muita gente
Vão na contra corrente, não são nem trabalhadores legais, são os Coxinhas
Vagabundos, reacionários, como se desfilassem num presépio, vaquinhas...

Vão e vem, os novos integralistas de São Paulo, o Estado Máfia, verdes galinhas
Reacionários às pencas, juventude fascista, algum com coquetel molotov armados
Inocentes inúteis, rebeldes sem causa, medíocres, riquinhos quase todos alienados
São agora massa de manobra da extrema-direita, os antitudo agora, os tapados
No bom português da paulistada, curso e grosso são os endinheirados COXINHAS!

Cyber Poeta Silas Correa Leite
www.portas-lapsos.zip.net
E-mail: poesilas@terra.com.br
(Poema da Série: “O Gigante Não Acordou Agora, os Anões de Jardim é que Estavam na Disneylândia Comprando Fantasias de Patetas)

Começou a verdadeira guerra da mídia




“Estourou a guerra Google x Globo.

Antes de entrar nos detalhes, vamos entender melhor o que ocorreu no universo midiático nos últimos anos.

Desde meados dos anos 2000 estava claro, para os grandes grupos de mídia, que o grande adversário seriam as redes sociais.

Rupert Murdoch, o precursor, deu a fórmula inicial na qual se espelharam grupos de mídia em países periféricos.

Compra de redes sociais.

Acesso ao mercado de capitais para alavancar o crescimento.

Adquiriu jornais em vários países e fez a aposta maior adquirindo uma rede social bem colocada na época. Falhou. A rede foi derrotada pelos puros-sangues Google e Facebook.

Percebendo a derrota, Murdoch decidiu levar a guerra para o campo da política. Explorou alguns recursos ancestrais de manipulação da informação para estimular um clima de intolerância exacerbada, apelando para os piores sentimentos de manada, especialmente na eleição em que Barack Obama saiu vitorioso.

Não é por outro motivo que uma das primeiras reuniões de Obama, depois de eleito, foi com os capitães das redes sociais - Apple, Google e Facebook.

O caso brasileiro

No Brasil, sem condições de terçar armas com as grandes redes sociais, os quatro grandes grupos de mídia - Globo, Abril, Folha e Estado - montaram o pacto de 2005, seguindo a receita política de Murdoch.

Exploração da intolerância. Nos EUA, contra imigrantes; aqui, contra tudo o que não cheirasse a classe média. Nos EUA, contra a ascendência de Obama; no Brasil, contra a falta de pedigree de Lula.

Exploração da dramaturgia. Um dos recursos mais explorados pela mídia de todos os tempos é conferir a personagens reais o mesmo tratamento dado à dramaturgia: transformando adversários em entidades superpoderosas, misteriosas, conspiratórias. O "reino de Drácula", no caso brasileiro, foi a exploração do tal bolivarianismo, a conspiração das FARCs.

Manipulação ilimitada do produto notícia. É só conferir minha série "O caso de Veja" ou a sucessão de capas da revista em sua parceria com Carlinhos Cachoeira. Ali, rompeu-se definitivamente os elos entre notícias e fatos.

Instituiu-se um vale-tudo que matou a credibilidade da velha mídia.

Pressão contra a mudança do perfil da publicidade. Historicamente, os grandes veículos sempre se escudaram no conceito de "mídia técnica" para impedir a pulverização da publicidade. Por tal, entenda-se a mídia que alcance o maior número possível de público leitor. Em nome desse conceito vago, investiu contra a Secom (Secretaria de Comunicação do governo) quando esta passou a diversificar sua verba de publicidade, buscando publicações fora do eixo Rio-São Paulo e, timidamente, ousando alguma coisa na Internet.

Quadro atual

Agora, tem-se o seguinte quadro.

A velha mídia montou uma estratégia de confronto-aliança com o governo. Mas suas vitórias resumiram-se a dificultar o acesso de blogs e da mídia regional às verbas públicas.

Na grande batalha, perdeu. O Google entrou com tudo no país. Este ano, deverá faturar R$ 2,5 bilhões, tornando-se o segundo maior faturamento do país, atrás apenas da Globo, e na frente da Abril.

Tem se valido de duas das ferramentas que a velha mídia utilizava contra concorrentes menores: o BV (Bônus de Veiculação), para atrair as agências; e o conceito de "mídia técnica" (a de maior abrangência).

A Globo reagiu, atuando junto ao governo, e denunciando práticas fiscais do Google, de recorrer a empresas "offshore" para não pagar impostos. Agora, constata-se que a própria Globo também se valeu desse subterfúgio fiscal. E a denúncia é veiculada pelo blog de Miguel do Rosário, um dos mais brilhantes blogueiros oriundo dos novos tempos.

E a velha mídia descobre que, em sua estratégia tresloucada para dominar o ambiente político, queimou todos os navios que poderiam levar a alianças com setores nacionais. Apostou no que havia de mais anacrônico, criou um mundo irreal para combater (cheio de guerrilheiros, bolivarianismo, farquismo etc.) e, quando os inimigos contemporâneos entraram em cena, não conseguiu desenvolver um discurso novo.

É o bolor contra o mundo digital.

Dissidências internas

À medida em que a guerra avança, surgem os conflitos de interesse entre os próprios grupos da velha mídia.

O grupo Folha sentiu-se abandonado pelos demais grupos na sua luta para impedir que a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) acabasse com a obrigatoriedade de se ter um provedor para ter acesso à Internet.

Por outro lado, a divulgação dos dados de publicidade do governo mostra que a estratificação das verbas beneficiou as emissoras de TV (especialmente a Globo), em detrimento das publicações impressas.

Em breve, a Secom deverá se posicionar nessa disputa.

Há três tendências se consolidando:

O fim do conceito da "mídia técnica" que, antes, beneficiava os grupos nacionais e agora os prejudica.

O aumento de participação na internet.
A suspensão de qualquer publicidade pública nas redes sociais.”

Hipocrisia não faz bem à Saúde Guia para entender a vinda de médicos estrangeiros


É absolutamente compreensível que haja resistência da corporação médica à contratação de médicos estrangeiros pelo Governo brasileiro. Não há uma categoria, de qualquer espécie, no mundo, que não defenda o seu “mercado” de trabalho.
É compreensível, também, que a classe média e os mais ricos, que podem escolher seus médicos nos grossos caderninhos ou nos CDs dos planos de saúde achem que há médico sobrando. Nos grandes centros, para quem pode pagar, há, sim.
O que não é compreensível é que, para manter o status quo, a gente permita que milhões de brasileiros tenham menos médicos que os países mais atrasados do mundo, e isso não é retórica.
Ninguém pode perder de vista é que saúde é, constitucionalmente, direito de todos. Ricos ou pobres, morando ou não em metrópoles.
site do  médico Drauzio Varela publica uma reportagem que é extremamente esclarecedora sobre o assunto. E dá informações que estão ausentes da mídia, que prefere destacar até supostas dificuldades de comunicação de médicos que falem espanhol ou português de Portugal com eventuais pacientes aqui. Seria de rir, se não se tratasse do cuidado com a saúde, muitas vezes emergencial, de pessoas como eu ou você.
Vamos aos argumentos sérios, porque o assunto é sério.
Consigo naquele site o número de médicos de acordo com o porte de cada município. Nos 5282 municípios (ou quase 95% dos municípios brasileiros)  com menos de 50 mil habitantes, onde vivem, segundo o censo do IBGE, 63 milhões de pessoas, exatamente 29.519 médicos.
Ou seja, apenas 7,8% dos médicos são responsáveis pelo atendimento de um terço dos brasileiros.
O que dá um médico para 2.136 pessoas, em média, ou, para usar o índice da Organização Mundial da Saúde, 4,7 médicos para 10 mil habitantes.
Vamos ver como é o “padrão Fifa”?
São 48 médicos na Áustria a cada 10 mil cidadãos, contra 40 na Suíça, 37 na Bélgica, 34 na Dinamarca, 33 na França, 36 na Alemanha e 38 na Itália.
Nas grandes cidades estamos bem acima disso, com taxas da ordem de 45 ou 50 médicos por dez mil habitantes.
Mas o  nosso padrão, nos municípios menores – e nem tão menores, têm até 50 mil habitantes! –  é o de Botswana, Suriname, Vietnam…
Argumentar que a média nacional está acima dos padrões mínimos da OMS é uma hipocrisia, porque ninguém é atendido por um “doutor média”, mas por um profissional de carne e osso.
Gente como o Dr. Sérgio Perini, único médico de Santa Maria das Barreiras, no interior do Pará, com seus 18 mil habitantes, um rico exemplo trazido por Dráuzio Varela.
Perini é graduado pelo ISCM-VC (Instituto Superior de Ciências Médicas de Villa Clara), em Cuba, com o qual a Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu-SP mantém convênio desde 2002. Trocou sua cidade de São Simão, em Goiás, que tinha cerca de 15 médicos para seus 17 mil habitantes, para viver com a família no interior do Pará, mesmo por um salário menor. “Quando escuto o CFM falando que os médicos estrangeiros podem não ter formação suficiente, fico indignado. Me dá a impressão de que eles não fazem ideia do que aprendemos por lá”.
Ah, mas os e os médicos iriam para estas comunidades se houvesse incentivo e se houvesse lá um mínimo de condições de atendimento.
Santa Maria das Barreiras tem uma Unidade Mista de Atendimento (local para atendimento básico com pequeno centro cirúrgico). Mas como não tem médicos, além do Dr. Perini, ele tem de atender entre 40 e 50 pessoas por dia.
Mas porque não contratam médicos brasileiros?
Diz lá o site do Dráuzio Varela:
“O governo federal criou em 2011 o Provab (Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica), uma iniciativa para levar médicos recém-formados a regiões carentes oferecendo uma bolsa de R$8 mil. O incentivo, porém, não foi suficiente. O último levantamento, feito com base nos dados de 2012, mostrou que 2.856 prefeituras solicitaram 13 mil médicos. Menos da metade, 1.291, foi atendida por pelo menos um profissional, já que apenas 4.392 médicos se inscreveram e 3.800 assinaram contrato. O número equivale a 29% das vagas abertas.”
A verdade é que o custo de um curso de medicina no Brasil é algo tão proibitivo que representa, na prática, um “investimento” pelo qual se espera ser muito bem remunerado.
Passar para o curso de medicina, numa universidade pública, é para poucos, a maioria – dos fora das cotas – vindos do melhor ensino privado.
Nas faculdades particulares, as mensalidades variam entre R$ 2,3 mil e R$ 6,8 mil. Em Manaus e São Luiz, cidades grandes pobres, pode custar R$ 6 mil estudar medicina, confira.
Quem pode pagar isso por seis anos, sem trabalhar?
E mais os dois anos de residência, se desejar ser um especialista?
Quem investiu, entre mensalidades, transporte, livros e tempo, quase meio milhão de reais quer ir tratar de pobre? Há exceções, claro, vocações generosas.
Dos 13 mil médicos que o Brasil forma anualmente, quantos são estão dispostos a ir para esses lugares tão mal atendidos?
Será que supera o número dos filhos e filhas de médicos que vão seguir a tradição – e a clientela – dos pais? Não é ilegítimo, repito, mas é uma realidade visível a quem – como eu, infelizmente – é assíduo frequentador de consultórios médicos.
Se há médicos disposto a vir ocupar vagas que os médicos brasileiros não querem, qual é o erro?
Ah, mas são médicos sem qualidade, porque dos formados no exterior só 12% passaram no “Revalida”, prova de suficiência a que são obrigatoriamente submetidos.
Alguém pode dizer qual o grau de dificuldade destas provas? Alguém pode jurar que ele é adequado e não apenas restritivo?
Ou terá padrão “Dr. Zerbini”?
Precisamos de um “Dr. Zerbini” lá em Catitolé da Grota Funda ou de um médico que esteja lá,  que cure precocemente o que é corriqueiro (mas que pode virar grave) e encaminhe os casos mais complexos a unidades de referência?
Tomo o depoimento do médico brasileiro Pedro Saraiva, que é nefrologista e trabalha em Portugal. Lá, 60 médicos cubanos prestaram exame e 44 foram aprovados (73,3%). Aqui, 11%.
E os brasileiros? Em São Paulo, o Conselho Regional de Medicina faz um exame de suficiência profissional para os formandos em Medicina. Opcional, onde só 15% dos jovens médicos se inscrevem, e claro que os que sabem que estão mal de conhecimentos nem participam. Mesmo assim, quase a metade (46,7%) ficou reprovada.
Agora, o exame será obrigatório. Mas apenas fazer o exame. Mesmo que tire zero, o médico formado aqui terá seu registro e todo o direito de exercer a profissão.
Mas aí pode, não é?
Sem hipocrisia, por favor, doutores.
Porque se trata da saúde de milhões de Brasileiros.
Que precisam de saúde, que não se faz sem médico.
E sem médicos como o Dr. Perini, lá de Santa Maria das Barreiras, no interior do Pará.
Ele diz muito bem:
“Como médico, posso afirmar que a vinda de profissionais estrangeiros pode ‘ameaçar’ meu cargo, mas presenciando o dia a dia das pessoas que vivem em Santa Maria das Barreiras e não têm ninguém além de mim para socorrê-las, é um deslize se posicionar contra a vinda desses médicos. Erro é não ter ninguém para atender essa população”.
Diagnóstico preciso, Dr. Perini.
Por: Fernando Brito