sábado, 5 de março de 2011

" Como descolar um gringo no carrnaval"



"Veja o que a revista Nova da Abril publicou:

Como descolar um gringo no carnaval

postado por Naíma Saleh | 3 de março de 2011 às 19:01


Cansada de investir tempo e afeto nos seus conterrâneos? Já provou caras de sorte a sul do Brasil e ainda não deu sorte? Então, aproveite as correntes carnavalescas que trazem milhares de estrangeiros ao nosso país e arranje um gringo para chamar de seu. A gente ajuda!

- Invista no bronze – esteja da cor do pecado! Aproveite o sol desse país tropical para pegar uma cor, já que com as branquelas os estrangeiros já estão mais do que acostumados;

- Fique sempre atenta – viu um grupo de caras com um jeito meio perdido, cabeleira loira espetada e roupas meio sem noção? Provavelmente, seu gringo será um deles;

- Seja uma boa anfitriã – se, além da cara de realmente-não-sabemos-aonde-estamos, eles também estiverem segurando um guia de viagem ou dicionário, melhor ainda! Tente descobrir em que idioma eles se comunicam, apresente-se e pergunte se precisam de ajuda;

- I don’t speak English – não se desespere se você não fala nem o Inglês ou se, por azar, descolar um gringo da que só fala romeno ou eslovaco. Lembre-se que dá pra usar as mãos (no bom sentido) e se comunicar com o gato por gestos – o que pode ser muito divertido para os dois;

- Maracujá, goiaba, graviola – convide o seu special friend para apreciar sabores exóticos da nossa terra em forma de caipirinha;

- Do you have Facebook ?– tudo bem que um amor de carnaval geralmente tem dias contados. Mas, nada impede você de pegar os contatos do seu gringo. Afinal, nunca se sabe para onde os bons ventos podem levá-la…"

http://nova.abril.com.br/blog/taca-em-y/como-descolar-um-gringo-no-carna...
Minutos depois de circular a mensagem no Twitter denunciando a página, o texto foi retirado do ar.

Do blog do Luís Nassif, enviado a ele por Stanley Burburinho

E Marx tinha razão



Nos corredores universitários podemos encontrar dois tipos de "comentadores de Marx": aqueles que afirmam sarcástica e enfaticamente que, com o fim da 1ª Guerra Fria (visto que a 2ª teve início em 11 de setembro de 2001), o Marxismo ex-URSS acabaram. Os outros, que se consideram marxistas de carteirinha, discípulos da filosófa marxiana Marilena Chauí, aqueles que apenas leram "O Manifesto Comunista" e acham que dominam toda a filosofia marxista, dizem que tudo o que acontece no mundo é por interesse econômico: as guerras, os casamentos, as composições musicais e até mesmo uma conversa aleatória. Os primeiros erram pois a teoria de Marx pode ser plenamente aplicada nos dias de hoje neste mundo globalitário, como afirmava o eminente geógrafo Milton Santos.

Ache o cachorro

O melhor PIB em 25 anos e a capa que não tem preço

Governo Lula teve crescimento médio de 4% do PIB e superou a do principado de FHC
Dentro das previsões, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 7,5% em 2010, no melhor resultado desde 1985 (7,8%) e equivalente ao de 1986. A indústria subiu 10,1%, agropecuária, 6,5% e os serviços, 5,4%. As três atividades compõem o valor adicionado, que cresceu 6,7%, enquanto os impostos aumentaram 12,5%. Em valores correntes, o PIB atingiu R$ 3,675 trilhões, enquanto o PIB per capita chegou a R$ 19.016, alta de 6,5% sobre 2009 (R$ 16.634).

Brasil vai apoiar todas as medidas adotadas pela ONU em relação à Líbia, diz porta-voz

Luciana Lima, Agência Brasil


“O governo brasileiro comunicou hoje (3) que vai apoiar “todas as medidas que forem adotadas no âmbito da Organização das Nações Unidas [ONU]” em relação à Líbia, país do Norte de África, que vive uma onda de manifestações populares contra o regime de Muammar Khadafi, no poder há quase 42 anos. A decisão foi anunciada pelo porta-voz da Presidência da República, Rodrigo Baena. Indagado se esse apoio incluiria até mesmo ações armadas, Baena respondeu: "em todas as situações".

Sobre a proposta do presidente venezuelano de formar um grupo de países para mediar uma solução para o conflito na Líbia, o porta-voz disse que até agora não houve contato da presidenta Dilma Rousseff com o colega Hugo Chávez.

Mais cedo, a presidenta Dilma Rousseff, disse que a crise na Líbia ainda não afeta as reservas internacionais de petróleo, mas reconheceu que a instabilidade na região causa “turbulências” entre os investidores brasileiros que mantêm negócios com os líbios.

Desde o último dia 15, manifestantes favoráveis e contrários ao governo de Muammar Khadafi se enfrentam no país. Mais de 300 brasileiros que trabalhavam na Líbia já deixaram o país desde o início dos conflitos.”

Charge do Bessinha

Aprovação a Dilma supera a de Lula em 2003 e 2007

Foi pouco divulgado, mas já foi feita a primeira pesquisa sobre a popularidade da presidenta Dilma Rousseff, após os primeiros 45 dias de mandato. Foram feitas mil entrevistas pelo Instituto Análise, do sociólogo Carlos Alberto de Almeida, autor de “A Cabeça do Eleitor”, que versa, inclusive, sobre o efeito das pesquisas de opinião sobre a vontade do eleitorado.

O que acontece quando você bebe uma lata de refrigerante

Primeiros 10 minutos:
10 colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente.
Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto.
20 minutos:
O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina.
O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura (É muito para este momento em particular).
40 minutos:
A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.
45 minutos:
O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como com a heroína..)
50 minutos:
O ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo.
As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina, ou seja, está urinando seus ossos, uma das causas das OSTEOPOROSE.
60 minutos:
As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina.
Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, os quais seus ossos precisariam..
Conforme a onda abaixa você sofrerá um choque de açúcar.
Ficará irritadiço.
Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo.
Pense nisso antes de beber refrigerantes.
Se não puder evitá-los, modere sua ingestão!
Prefira sucos naturais.
Seu corpo agradece!
Fonte: Prof. Dr. Carlos Alexandre Fett
By: Opinião & Cia

PSDB está de luto

“Infelizmente, não podemos comemorar o crescimento do PIB como deveríamos. Os 7,5% seriam uma boa taxa de crescimento se os problemas estruturais da economia brasileira não estivessem aparecendo.
Essa conta já começou a ser paga neste início de 2011. E não é por causa do preço do petróleo e, sim, em função dos gastos excessivos feitos nos últimos anos.
Os juros foram para as estrelas. Os cortes em investimentos e programas sociais anunciados até agora não passam de espuma. Provavelmente outros terão que ser feitos em função do mau estado das contas públicas.
José Serra chamou a atenção para o estelionato eleitoral que se aproxima. Tem razão”.
Deputado Sérgio Guerra
Presidente Nacional do PSDB
Brasília, 04 de março de 2011”

com textolivre

O Mundo e nós

Emir Sader*
As editorias internacionais da imprensa brasileira estão, em geral, entre as piores de todas as publicações. É praticamente impossível seguir um tema mais além de momentos específicos, seja porque o espaço reservado é muito pequeno, seja porque a própria equipe de internacional costuma ser reduzida.

Me lembro de ter perguntado a editor de um jornal paulista sobre o porquê disso e ele me respondeu que era porque não havia interesse dos leitores. Claro círculo vicioso: se produz uma internacional desinteressante e não se recebe demanda por maior empenho nos temas internacionais. Eu disse a ele que naquela semana o jornal que ele dirigia por herança familiar tinha publicado uma matéria muito interessante sobre a confissão de militares norteamericanos de que inflacionavam os sucessos durante os combates de uma guerra, para dar a impressão que estavam no bom caminho e assim obter mais recursos do governo e do Parlamento. Ele simplesmente não tinha lido.

sexta-feira, 4 de março de 2011

A falácia das convicções

O intelecto humano, quando assente numa convicção (ou por já bem aceite e acreditada ou porque o agrada), tudo arrasta para seu apoio e acordo. E ainda que em maior número, não observa a força das instâncias contrárias, despreza-as, ou, recorrendo a distinções, põe-nas de parte e rejeita, não sem grande e pernicioso prejuízo. Graças a isso, a autoridade daquelas primeiras afirmações permanece inviolada. E bem se houve aquele que, ante um quadro pendurado no templo, como ex-voto dos que se salvaram dos perigos de um naufrágio, instado a dizer se ainda se recusava a aí reconhecer a providência dos deuses, indagou por sua vez: “E onde estão pintados aqueles que, a despeito do seu voto, pereceram?”

Essa é a base de praticamente toda a superstição, trate-se de astrologia, interpretação de sonhos, augúrios e que tais: encantados, os homens, com tal sorte de quimeras, marcam os eventos em que a predição se cumpre; quando falha o que é bem mais freqüente —, negligenciam-nos e passam adiante. Esse mal insinua-se de maneira muito mais subtil na filosofia e nas ciências. Nestas, o de início aceite tudo impregna e reduz o que segue. Até quando parece mais firme e aceitável. Mais ainda: mesmo não estando presentes essa complacência e falta de fundamento a que nos referimos, o intelecto humano tem o erro peculiar e perpétuo de mais se mover e excitar pelos eventos afirmativos que pelos negativos, quando deveria rigorosa e sistematicamente atentar para ambos. Vamos mais longe: na constituição de todo axioma verdadeiro, têm mais força as instâncias negativas. 


Francis Bacon, in "Novum Organum - Livro I (XLVI)"

Brasil: 7ª maior economia do mundo e a Evolução da renda no governo Lula

O ministro Guido Mantega (Fazenda) disse, nesta quinta-feira que, segundo dados preliminares, a economia brasileira ultrapassou a da França e do Reino Unido em paridade de poder de compra e é agora a 7ª maior economia mundial.
Entre os países do G20, o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro foi o quinto maior, ficando atrás de China, Índia, Argentina e Turquia.
Segundo informou hoje o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em 2010. De acordo com Mantega, esse crescimento não sinaliza um superaquecimento da economia. Para ele, os dados mostram que já há um desaquecimento no último trimestre.
Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 3,675 trilhões em 2010.
By: Tempo Presente


A maior desgraça



Três séculos de escravidão vincam até hoje os comportamentos da sociedade brasileira. Por Mino Carta. Imagem: Rover Viollet/AFP


Três séculos de escravidão vincam até hoje os comportamentos da sociedade brasileira
Escrevi certa vez que se Ronaldo, o Fenômeno, se postasse na calada da noite em certas esquinas de São Paulo ou do Rio, e de improviso passasse a Ronda, seria imediata e sumariamente carregado para o xilindró mais próximo. Digo, o mesmo Ronaldo que foi ídolo do Brasil canarinho quando adentrava ao gramado. Até Pelé, creio eu, nas mesmas circunstâncias enfrentaria maus bocados, embora se trate de “um negro de alma branca”.
Aí está: o protótipo do preto brasileiro, o modelo-padrão, está habilitado a representar e orgulhar o Brasil ao lidar com a redonda ou ao compor música (popular, esclareça-se logo), mas em um beco escuro­ será encarado como ameaça potencial. Muitos, dezenas de milhões, acreditam em uma lorota imposta pela retórica oficial: entre nós não há preconceito de raça e cor. Pero que lo hay, lo hay. Existem provas abundantes a respeito e a reportagem de capa desta edição traz mais uma, atualíssima. Na origem, obviamente, a escravidão, mal maior da história do Brasil.

A Presidenta surpreendente



A inflação distante do umbigo da blogosfera 

Durante o ano de 2010 muitos blogs, apelidados aqui e ali de “sujos” ou “progressistas” dedicaram-se a desmontar o pensamento único da grande mídia (que por sua vez recebeu a jocosa alcunha de PIG.)

Mas quem vai desmontar o pensamento único da blogopauta? Não parece contraditório que uma candidata a presidente, Dilma, tenha sido tão elogiada por meses e... surpresa! Assim que toma possa é crítica atrás de crítica. Há exceções, claro.

Impossível entender as mulheres...


Minha mulher me perguntou:

Com quantas mulheres vc já dormiu?

Eu, orgulhosamente, lhe respondi:

Só contigo, meu amor.

Com todas as outras tava acordado…,

Horário de visitas ao Hospital:
de 10 às 20 h.
By: Bicho Maluka Beleza!!!

The Tony Williams Lifetime / Allah Be Praised

O segundo momento dos partidos pós-79




Este é o segundo momento do quadro partidário brasileiro. O primeiro começou em 1979, quando a ditadura acabou com o bipartidarismo criado pelo Ato Institucional nº 2, de 1966, que extinguiu o quadro partidário anterior. A implosão da esquerda peemedebista, de um lado, em vários partidos; o esvaziamento eleitoral do PDS, legenda de apoio à ditadura, e a tentativa de formar "linhas auxiliares" de um governo ainda militar, de outro, definiram um quadro partidário com tendência à pulverização, tanto à esquerda como à direita.
O PMDB, esvaziado à esquerda, manteve sua centralidade política como herdeiro da oposição institucional ao regime durante algum tempo, quando boa parte do chamado grupo autêntico, que botou a cara para bater e correu riscos inclusive físicos de se opor à ditadura, migrava para outras legendas sem levar junto o prestígio do antigo partido.
Enquanto o centro oposicionista defendia manter a unidade em torno do PMDB, a esquerda, exceto os partidos comunistas, que ainda não haviam sido legalizados, procurou novos rumos. Vindos do exílio, Leonel Brizola e Miguel Arraes reuniram partidários e procuraram consolidar territórios próprios - Brizola, como herdeiro do velho petebismo, perdeu a legenda do PTB devido a manobras legais do regime e fundou o Partido Democrático Trabalhista (PDT); Arraes, sem conseguir ganhar espaço dentro do PMDB, sua primeira escolha partidária, acabou tomando o PSB. PDT e PSB nasceram em torno de lideranças carismáticas e viveram sob o controle absoluto de Brizola e Arraes. O PT, que vinha da experiência do movimento sindical dos anos 80 e atraiu grupos da esquerda mais radical e os movimentos de base da igreja progressista, teve uma origem menos personalista.
O ex-governador de Pernambuco fez um herdeiro, o atual governador Eduardo Campos. Ele toca o PSB ao estilo do avô. Quando Brizola morreu, sem ter deixado sucessores naturais - embora vários de seus netos estejam na política -, jogou o PDT numa profunda crise. O brizolismo é uma opção política em extinção; o PDT, um partido sem rumo.
O PSB, todavia, foi levado pelo pragmatismo do avô Miguel Arraes, e agora pelo neto Eduardo Campos. Arraes manteve suas pretensões políticas dentro dos limites de Pernambuco e fez acordos para ampliar o partido em outros Estados. Manteve uma equação política de absoluta hegemonia na política pernambucana, quebrada pouco antes de sua morte por desgastes acumulados em sucessivos períodos no governo; e controle total sobre as seções estaduais, que manipulava de acordo com os seus interesses regionais e nacionais. Alianças reiteradas nas eleições proporcionais com o PT mantiveram o partido dentro dos limites mínimos de representação exigidos pela lei, depois derrubados pelo Supremo Tribunal Federal. Arraes atraiu, em São Paulo, a ex-prefeita Luiza Erundina, quando ela rachou com o seu partido de origem, o PT; na Bahia, levou um núcleo que sempre atuou junto ao PCdoB e que girava em torno da ex-prefeita Lídice da Mata. Erundina e Lídice mantiveram-se no PSB por absoluta falta de opção, mas tinham discordâncias acentuadas quanto à forma de condução do partido por Arraes. Voltam a entrar na linha de confronto com as articulações de Eduardo Campos para cooptação do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, hoje no DEM. Não é uma adesão confortável para quadros efetivamente socialistas do partido.
O pragmatismo do neto de Arraes tem mantido o partido em crescimento, embora sob constante crise de identidade. O PDT, acostumado a funcionar sob a batuta de um único líder, não tinha ninguém que minimamente desempenhasse o papel antes exercido por Brizola, nem mecanismos de decisão internos democráticos que o substituíssem. Os partidos comunistas, que ganharam identidade própria apenas após o governo José Sarney, quando foram legalizados, também sobreviveram na órbita de partidos maiores - o PCdoB ganhou representação parlamentar às custas de alianças proporcionais com o PT; o PCB, depois PPS, agora mantém essa equação com o PSDB, embora tenha feito, no passado, algumas alianças com o PT.
O quadro partidário pós-Lula já é um segundo momento daquele formado pós-79, no final da ditadura. Os partidos que se consolidaram e polarizam na política nacional, o PT e o PSDB, vivem crises de identidade - o primeiro, por ser governo; o segundo, por estar a tanto tempo fora do poder federal. Os pequenos partidos de esquerda, alguns perderam as lideranças que lhe davam rumo e outros, a organicidade dada por ideologias que entraram em crise no mundo e projetos de poder que foram assumidos pelo partido que exerceu a hegemonia sobre o bloco nas últimas décadas, o PT. A direita ideológica, em especial o DEM, montou uma estrutura partidária baseada em chefes políticos locais, e eles perderam espaço nas regiões mais pobres durante o governo Lula. Os líderes regionais não estão conseguindo se reaproximar dos velhos redutos - daí a tentativa de Kassab de driblar a lei para se encontrar, mais na frente, com um partido a sua esquerda, o PSB, e por meio dele compor a base do governo federal.
É um quadro que, por exaustão de algumas fórmulas tradicionais de organização partidária, tende a ser menos pulverizado. E vai ser concentrado rapidamente quando for proibida a coligação nas eleições proporcionais. Exceto o PSB, por pragmatismo de Campos, os demais partidos de esquerda dependem da coligação proporcional para sobreviver.
Da mesma forma, os pequenos partidos de direita aliados ao governo terão dificuldade de manter suas bancadas. Os médios e pequenos partidos de direita que se apoiam no PSDB estão com o mesmo problema. Já foram praticamente desalojados pela derrota do candidato José Serra à Presidência. E têm dificuldades de sobreviver fora do poder. A aproximação deles ao governo era previsível. Ainda assim, se a coligação proporcional for proibida, não há governo que os salve.
Maria Inês Nassif
By: Valor

Cai veto de Serra ao combate do câncer de mama

Serra vetou o projeto em 2009 e a Assembleia de São Paulo derrubou o veto

Projeto amplia direitos à mulher no Estado de São Paulo
Agora é lei: o governo do Estado tem 120 dias para criar a política de prevenção e combate ao câncer de mama. Isto porque, nesta quarta-feira (1/3), a Assembleia Legislativa paulista derrubou o veto que o ex-governador José Serra, em 2009, fez ao projeto de lei 791/2004 de autoria da deputada do PT, Beth Sahão.
Em um de seus artigos, o projeto estabelece como diretriz a instalação de aparelhos de mamógrafos em todas as regiões do Estado, de modo que os exames sejam feitos nas cidades próximas às residências das mulheres. O projeto também determina a assistência à pessoa acometida do câncer de mama, com amparo médico, psicológico e social.
Projetos importantes para as mulheres
Pelo menos 20 projetos de lei de autoria de parlamentares do PT e que têm a mulher como tema principal encontram-se prontos na Assembleia Legislativa e não são colocados na Ordem do Dia à votação para que, caso aprovados, possam virar lei. A Bancada do PT (atualmente com 20 deputados) é minoria frente à base governista (com quase 70 deputados) e não consegue levar seu projetos ao Plenário.
São importantes projetos de lei como o que garante atendimento integral às mulheres vítimas de violência e os que instituem a Carteira de Saúde da Mulher e o programa de vacinação contra o HPV (Papiloma Vírus Humano) na rede pública.
Dentro da área do trabalho e da habitação, por exemplo, há propostas que versam sobre ações para capacitação profissional da mulher; reserva de 5% das vagas de emprego na área de construção de obras públicas; e que para sejam aplicados, no mínimo, 20% dos recursos estaduais destinados as unidades habitações, em benefício da mulher chefe de família.
By: Blog do Celso Jardim

O Globo mente sobre remuneração de palestra do Lula

O título da matéria é “Na estréia em palestras, Lula foge do improviso e faz elogio de seu governo”. Até aí, tudo bem. (veja também aqui)
O subtítulo é “Ex-presidente ganha cerca de R$ 200 mil para falar durante 50 minutos”.
É óbvio que essa remuneração do Lula será o tema de fofoca em todas as rádios que fizeram oposição ao Lula e agora fazem à Dilma.
Fui até o lide, para saber a fundamentação da informação e o que encontro?
“O valor não foi divulgado”!
Vejam, o valor não foi divulgado e o subtítulo afirma que ele ganhou R$ 200 mil!!!
Continua o texto, agora com a informação estarrecedora:
“O valor não foi divulgado, mas a especulação no mercado de palestras é que o ex-presidente cobraria R$ 200 mil.”
Então, o que temos?
Não divulgação do valor, especulação e cobraria.
Muito diferente do que diz o subtítulo da matéria.
Qual deveria ser a punição para a manipulação da informação pela imprensa, especialmente quando veiculada nas rádios e TVs, que são concessão pública?
By: FBI

Washington está forçando uma Guerra Civil para justificar uma intervenção militar dos EUA e OTAN?

Trípoli está sendo forçada a uma Guerra Civil para justificar uma intervenção militar dos EUA e da OTAN no país rico em petróleo?
As conversas sobre sanções são um prelúdio para uma intervenção como a do Iraque?
Algo está podre no chamado "Jamahiriya" da Líbia
Não há dúvida que o Coronel Muammar Al-Kadafi seja um ditador. Ele tem sido o ditador e assim chamado "Qaid" da Líbia há cerca de 42 anos. Até agora, parece que as tensões estão sendo elevadas e as chamas da revolta tornando a situação mais intensa dentro da Líbia. Por exemplo as declarações anteriores feitas pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros Britânico William Hague que o Coronel Kadafi fugira da Líbia para Venezuela.[1] Esta declaração serviu para eletrificar a revolta contra Kadafi e seu regime na Líbia.

quinta-feira, 3 de março de 2011

É A PURA VERDADE...

Enviado pela "remadora" Eliana Giampaoli, de São Paulo



ANTES E DEPOIS DO SEXO...


ANTES DO SEXO, CADA UM AJUDA O OUTRO A FICAR NU !!!

DEPOIS DO SEXO, CADA UM SE VESTE SOZINHO !!!


MORAL DA HISTÓRIA:

NA VIDA, NINGUÉM TE AJUDA DEPOIS QUE VOCÊ ESTÁ FODIDO !!!

O aparente ocaso de Serra

Este texto começa com uma má notícia para José Serra: ao cogitar escrevê-lo, perguntei-me se interessaria aos leitores. Por quê? Pelo assunto, o ex-governador paulista. Afinal de contas, quem, além de meia dúzia de suas viúvas, tem interesse pelo que diz ou pensa atualmente o político que afundou a oposição com o seu radicalismo cego?
Abandonado pela oposição e pela mídia, Serra vai caindo no ostracismo. Aliás, justiça seja feita, o único leão-de-chácara do PIG que continua na mesma toada dos últimos oito anos é Reinaldo Azevedo, a voz do ex-bibelô da direita na blogosfera.
No post anterior, reproduzi artigo de O Globo que dá conta de que até Fernando Henrique Cardoso parece ter entendido o que Serra ainda não entendeu. Indagado se concordava com a avaliação feita pelo companheiro de partido de que Dilma teria praticado “estelionato eleitoral”, FHC disparou: “As eleições já passaram”.
Além de Serra, só o leitorado da blogosfera de direita parece que tampouco entendeu que o drástico encolhimento da oposição no Congresso não é compensado pelos quarenta e tantos por cento do eleitorado que votaram no tucano. Com uma carreira política que remonta há quase meio século, foi derrotado por uma estreante que jamais disputara uma eleição.
Claro que não se pode subestimar um político cuja ausência do cenário ainda provoca crises de abstinência em uma mídia acostumada a se intoxicar com as suas idéias reacionárias e com o seu populismo barato. Além disso, mesmo políticos sem mídia costumam exibir resiliência em maior ou menor grau. Quantas vezes decretaram a morte política de Maluf, por exemplo?
Contudo, colunistas dispostos a bajular o ex-governador vão escasseando. A Folha chegou a noticiar com surpresa a atualização do site serrista criado para a campanha eleitoral, o “Gente que mente”. Aliás, o tom de surpresa da matéria pareceu-me proposital, como quem diz  a Serra, mentor intelectual daquela página, o mesmo que disse FHC: “As eleições já passaram”
Para o bem ou para o mal, o tempo de radicalização na política brasileira parece encerrado. Ao menos no horizonte visível. Resta saber se essa acomodação é sinal de maturidade democrática ou de que não há mais divergências entre as visões de país dos dois principais quadrantes do espectro político, o que seria uma tragédia.
blog da cidadania

O mercado nacional, por Delfim

Antonio Delfim Netto


Nunca foi tão importante para o desenvolvimento social e econômico do Brasil fazer as pazes com o conhecimento econômico (que chamamos de economia política). É preciso reconhecer que, não importa qual o "modelo" que organiza nossa compreensão da realidade e orienta a nossa ação, o nome do jogo é "competição". Os agentes econômicos (gostemos ou não) movem-se por incentivos e usam o mercado para fazerem livremente suas escolhas.

Esquentado a passarela - Leci Brandão e Casuarina - Aquarela Brasileira

Teste para o seu cérebro

Imagem Hospedada por bRImG.com - Hospedagem de Imagens
Se você conseguiu ler de primeira, meus parabéns!
Se você não conseguiu ler de primeira, você tem problemas!

Pequenas empresas puxam queda na inadimplência

Monitor Mercantil

“A inadimplência das empresas brasileiras iniciou o ano em queda pela primeira vez desde 2006. Em janeiro, a redução foi de 0,8% ante o índice de dezembro de 2010, segundo o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas divulgado nesta sexta-feira.

Esse resultado foi puxado pela queda na inadimplência das pequenas empresas. Elas foram as únicas que reduziram suas dívidas em atraso no primeiro mês de 2011. A baixa foi de 1% ante a de dezembro. "Isto se deve ao fato de a maior parte dos negócios dessas empresas estarem em serviços e comércio, segmentos de transações de menor valor, em que a demanda do consumidor ainda se mantém alta", explicaram os economistas da Serasa, em comunicado.

Já a inadimplência das médias empresas cresceu 2% no mês. A das grandes aumentou ainda mais. Crescimento de 5,1% no primeiro mês deste ano ante o último de 2010.

Sobre a queda geral da inadimplência das empresas, a Serasa creditou ao crescimento da economia do país em 2010, entre outros fatores.”

Charge do Bessinha

Classe C domina alta em higiene e beleza

Consumo de cosmético e higiene pessoal de emergentes cresce 725% entre 2002 e 2010 e supera compras de classes AB
O consumo de produtos de higiene pessoal e beleza cresceu entre as classes mais baixas, mostra levantamento feito pelo instituto Data Popular.
A penetração desses produtos -ou seja, o percentual de pessoas dessas classes que os consome- teve forte alta entre 2003 e 2010.

Solução dos tucanos: Jogar o esgoto na sua torneira

Contra enchentes, água do Pinheiros será bombeada mais rápido à Billings
Governador Alckmin não vê problema.
O governo de São Paulo quer aumentar de 12 para 15 o número de equipamentos que bombeiam água dos Rios Tietê e Pinheiros para a Represa Billings. Hoje os existentes nas Usinas Elevatórias de Traição e Pedreira jogam 675 metros cúbicos por segundo. O plano é aumentar em 200 m³/s. Mas essa alternativa da administração estadual para minimizar enchentes na capital já desperta polêmica: além de ineficaz, especialistas dizem que ela pode aumentar o volume de sujeira no manancial que abastece quase 30% da Região Metropolitana de São Paulo.

O NOVO PARTIDO DO KASSAB


O entojo ideológico da direitona do Brasil é pesado. 

A mesma mídia que apoiou não só logisticamente (Folha) mas com seus lindos e elogiosos editoriais (Globo e Estadinho) o regime que mutilou, matou e deu sumiço em milhares de pessoas no Brasil, não aceita defecções. Ela é uma mídia zombeteira e vingativa.

Malafaia diz em culto que quem não desse oferta ficaria sem bençãos




O pastor Silas Malafaia (foto), 52, durante um culto em Araruama (RJ) no dia 16 de fevereiro, lembrou que no templo em que estavam tinha custado R$ 600 mil e em seguida disse: “Quem não der oferta, tudo bem. Mas não sairá daqui abençoado”.

Malafaia é da Igreja Assembleia de Deus, da subdenominação Vitória em Cristo, criada por ele.

Araruama é uma cidade de 112 mil habitantes do litoral fluminense a 108 km do Rio. Com 450 cadeiras, a igreja ali da Vitória em Cristo foi inaugurada no dia 18 dezembro de 2010. Ela é mais uma das 1.000 que o pastor planejou inaugurar nos próximos anos.

Malafaia faz parte de uma minoria entre os evangélicos que possui curso superior. Ele se formou em psicologia, mas se distingue por um estilo direto e ríspido, com casca de abacaxi. Ou "franco", como afirmam seus admiradores.

É um estilo bem diferente, por exemplo, do apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial, que, tendo estudado até o quinto ano do ensino fundamental, tem sido sutil e criativo na abordagem aos fiéis, como no caso da invenção do trízimo – 10% da Deus, 10% para Jesus e 10% para o Espírito Santo.

Em Araruama, quando Malafaia disse que quem não desse dinheiro ficaria sem benções, uma parte dos fiéis desistiu do culto.


Fonte: Paulopes Weblog e Revista Istoé

quarta-feira, 2 de março de 2011

Frase do dia


“As pessoas que vencem neste mundo são as que
procuram as circunstâncias de que precisam e,
quando não as encontram, as criam.”

Bernard Shaw

Nossa máscara de Tiririca


Carnaval, parada gay, micareta, carna rio preto. Teve um tempo que festas eram a do padroeiro, e do dia da cidade. 
De repente estamos cercados de festas, especialmente estas a que me referi. Estamos cercados por um circuito de rodeios na região, cada cidade realiza o seu em finais de semana alternados. Segundo me disse um jornalista da TV , parece que os maiores e mais freqüentes acidentes nas estradas da região se dão na madrugada quando jovens voltam destas festas embriagados para sua cidade de origem.
Muita festa pode significar incapacidade de ficarmos quietos, em silencio. Quando toda uma sociedade faz festa todo tempo, talvez seja por que não consegue mais se pensar, pensar suas prioridades, suas necessidades. Pensar para onde está indo e como anda a vida.
Não tenho certeza, mas me parece que decadência vem sempre antecedida por uma festa. O fim da monarquia no Brasil aconteceu com um Baile. A decadência do império Romano encontrou uma corte festiva tendo como anfitrião o famoso Calígula.
A revolução francesa abrigava uma corte de aristocratas pouco interessados em se desfazerem de sua vidas de prazeres e bebidas, acabaram todos guilhotinados.
Não sei se estamos prestes a viver uma decadência, mas quando sou informado de que as máscaras do Tiririca são as que mais vendem pro carnaval, só consigo pensar que talvez estejamos querendo um pouco de tragédias.
A eleição e agora as mascaras que vendem como água, dizem mais sobre nós mesmos do que sobre os políticos. Numa festa em que vou com uma máscara de palhaço quero dizer algo, numa festa onde todos colocam a mesma mascara de palhaço as pessoas querem dizer algo para si mesmas.
As festas que não acabam e agora as mascaras que estamos alegremente vestindo nos dizem muito sobre nosso próprio estado. As festas geralmente são para comemorar, quando faço festas demais ou tenho muitas coisas para comemorar ou estamos perdidos de nós mesmos. 



Luciano Alvarenga, do blog cama de prego