sábado, 31 de julho de 2010

Noam Chomsky e as “10 estratégias de manipulação” através da mídia



O lingüista estadunidense Noam Chomsky elaborou a lista das “10 estratégias de manipulação” através da mídia:

1- A ESTRATÉGIA DA DISTRAÇÃO.

O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir ao público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais (citação do texto 'Armas silenciosas para guerras tranqüilas')”.

2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES.

Este método também é chamado “problema-reação-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este seja o mandante das medidas que se deseja fazer aceitar. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.

3- A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO.

Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradativamente, a conta-gotas, por anos consecutivos. É dessa maneira que condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que haveriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.

4- A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO.

Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Em seguida, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a idéia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.

5- DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO CRIANÇAS DE BAIXA IDADE.

A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse um menino de baixa idade ou um deficiente mental. Quanto mais se intente buscar enganar ao espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por quê? “Se você se dirige a uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, em razão da sugestionabilidade, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade (ver “Armas silenciosas para guerras tranqüilas”)”.

6- UTILIZAR O ASPECTO EMOCIONAL MUITO MAIS DO QUE A REFLEXÃO.

Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e por fim ao sentido critico dos indivíduos. Além do mais, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar idéias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos…

7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE.

Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores às classes sociais superiores seja e permaneça impossíveis para o alcance das classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.

8- ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE.

Promover ao público a achar que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto…

9- REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE.

Fazer o indivíduo acreditar que é somente ele o culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, ao invés de rebelar-se contra o sistema econômico, o individuo se auto-desvalida e culpa-se, o que gera um estado depressivo do qual um dos seus efeitos é a inibição da sua ação. E, sem ação, não há revolução!

10- CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM.

No transcorrer dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado crescente brecha entre os conhecimentos do público e aquelas possuídas e utilizadas pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele mesmo conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos do que os indivíduos a si mesmos.
By: História Vermelha, via Com texto

Ibope: Dilma 39%; Serra34%



Flagrante do Zé Pedágio
A candidata Dilma Rousseff (PT) lidera com cinco pontos percentuais à frente de José Serra (PSDB) pesquisa Ibope de intenção de voto para presidente da República divulgada nesta sexta (30) pela TV Globo. De acordo com a pesquisa, Dilma tem 39% das intenções de voto; José Serra (PSDB), 34%; e Marina Silva (PV), 7%.
O Ibope ouviu 2.506 eleitores com mais de 16 anos em 174 municípios de segunda (26) a quinta (29). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Isso quer dizer que Dilma pode ter entre 37% e 41%; José Serra, entre 32% e 36%; e Marina Silva, entre 5% e 9%.
Nos levantamentos anteriores do Ibope, Dilma tinha 37% na pesquisa de 31 de maio a 1 de junho; 38% na de 18 a 21 de junho; 36% na de 27 a 30 de junho; e 39% agora. Serra tinha 37%, passou a 32%, depois foi para 36% e agora para 34%. Marina tinha 9%, passou a 7%, foi a 8% e agora voltou para 7%.
Dentre os demais candidatos - Eymael (PSDC), Ivan Pinheiro (PCB), Levy Fidelix (PRTB), Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) -, nenhum alcançou 1% das intenções de voto. Os eleitores que responderam que votarão em branco ou nulo somaram 7% e os que se disseram indecisos, 12%.
A pesquisa foi encomendada ao Ibope pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 20809/2010.
Segundo turno
Na simulação de um eventual segundo turno entre Dilma e Serra, o Ibope apurou que a petista teria 46% e Serra, 40% das intenções de voto. Votariam nulo ou em branco 6% dos eleitores. Os que se disseram indecisos somam 8%.
Avaliação do governo
A pesquisa também mostrou como os eleitores avaliam o governo Lula. Para 77%, o governo é ótimo ou bom; para 18%, regular; para 4%, ruim ou péssimo. Dentre os entrevistados, 1% não souberam ou não responderam.
By: G1,via Com texto

Conheça o verdadeiro Tasso Jereissati

ASSIM É O PSDB. 
Estive lendo sobre a CPI da PETROBRÁS. Li que o PSDB foi o autor do requerimento. Depois disso, fui levado a acreditar que os políticos desse partido estão querendo mostrar ao País que são honestos.
Aos freqüentadores desse blog, assusta-me figuras do PSDB assinando CPI. Dentre elas, destaca-se Tasso Jereissati. 

Adoniram Barbosa - 100 anos

Adoniram Barbosa - As mariposa





Diálogo com a Vovozinha



As vovós dizem que, netos são filhos com açúcar. E depois que a gente cresce estas vovós ficam para sempre nas nossas memórias, pois elas fazem em geral, tudo que os pais zelosos e exigentes, negam aos filhos. É muito bom quando elas ficam muito tempo conosco. Quando partem a saudade é sempre muito grande, igualzinho ao horizonte do céu.
Inclusive, as vovós também costumam dizer em tom de brincadeira, mas com uma ponta de verdade, que pais são para educar e avós para deseducar.
Criaturas maravilhosas, nossos avós deveriam ser eternas, não só na nossa lembrança, pois elas sempre vêem seus netos,de uma forma tão benevolente, tenra, amorosa , compreensiva e absolutamente complacente, quando se exige delas uma análise mais crítica quanto aos comportamentos destes seus netos adorados, que quando as perdermos ficamos as tiranias chatices dos nossos pais.
Seus netos são as perfeições indiscutíveis que a natureza lhes propicia como uma dádiva, segundo, seu imaginário e a idealização qua estas queridas avós fazem de seus netos.
Para uma avó falar horas e horas basta uma perguntinha :

- Então vovó como vão os netinhos?

- Ora, lindos como sempre. Maravilhosos, inteligentes, educados, estudiosos e não saem da minha cabeça.

- Quantos netos já têm, vovó?

- Três. Dois meninos e uma menina.

- Tudo tranqüilo?

- Tudo, se meu filho e, principalmente minha nora não fossem tão severos com eles. 
- Por que vovó?
- Ah, brigam e implicam demais,com as crianças, vivem aborrecendo os coitados. Veja você que passei até mal há pouco tempo atrás quando meu filho descobriu que o meu netinho mais velho, que tem 19 aninhos, estava fumando maconha. Ora bolas, os Beatles fumavam maconha, os artistas fumam, esses intelectualoides todos fumam, até esses gravatinhas executivos, todo mundo fuma, só meu neto é que não pode fumar, coitadinho?
- Mas, vovó maconha é uma droga condenável e abre as portas para outras mais pesadas e a maioria não fuma vovó, absolutamente! Isto é uma desgraça e mata!
Além do mais está acabando com a nossa juventude. Todos temos que unidos combater, isto que hoje é considerado o mal do século e responsável pelo aumento da violência e da criminalidade. Tolerância zero para as drogas. Um absurdo! 
- Você então, está vivendo em que outro planeta?
Eu que sou velha estou enxergando e sabendo melhor que você. Minha netinha, por exemplo que tem 17 anos, a caçulinha, perdeu esta tal de virgindade que eu guardei até casar e na lua de mel, parecia que estava sendo estuprada pelo avô dela. Não senti nada de bom, um suplício de lua mel, não gosto nem de pensar!
Então, minha netinha deu logo aquela porcaria para um rapaz muito responsável, que já namora ela há 2 meses . Minha nora, que nem sabe fritar um ovo, e meu filho que vai sempre na onda dela, novamente, até espancaram a criança e ameaçaram colocar a garota para fora de casa. Meu Deus, quanta besteira e crueldade com a pobre menina!

- Mas vovó, e a gravidez? Ela é muito nova, não acha?

- Nova? Ela sabe tudo da vida muito mais do que eu, com meus 73 anos. Entende de tudo, já fala inglês, e não sei o que mais.
É uma menina bonita, loira, olhos azuis um corpo mais lindo do que a da Marta Rocha. Lembra da Marta Rocha, nossa eterna musa do segundo lugar, no concurso de Miss Universo? E tem mais: Esse negócio de computador pra ela é brincadeira.
Pois bem, engravidou. É normal, ambos se gostam muito e aconteceu. Pronto!
- Mas é a pílula?

- Ah, meu querido, sei lá de pílula. Vê se ela não está aí dentro do seu bolso. Só rindo mesmo! Isto é problema dos pais dela. Eu estou tão feliz , e não há cabaço que pague esta minha alegria. Já pensou ser bisavó antes de morrer? 
- Cabaço, vovó?

- É cabaço.Também não sabe o que é? Precisa se atualizar meu rapaz! 
By: Humor em Textos, via Com textolivre

O cunhado...

Colaborou Maria Cruz, de Ubatuba 


Uma  edificante estória, envolvendo a luta pela vida, religiosidade, crença e fé.

 
Em São Paulo, um cara passou mal no meio da rua, caiu, e foi levado para o setor de emergência de um hospital particular, pertencente à Universidade Católica, e administrado totalmente por Freiras.

 
Lá, verificou-se que teria que ser urgentemente operado no coração, o que foi feito com êxito.
 
Quando acordou, a seu lado estava a Freira responsável pela tesouraria do hospital e que lhe disse prontamente:
 
- Caro Senhor, sua operação foi bem sucedida e o Senhor está salvo. Entretanto, um assunto precisa sua urgente atenção: como o Senhor pretende pagar a conta do hospital? O Senhor tem seguro-saúde?   
 
- Não, Irmã.
 
- Tem cartão de crédito?
 
- Não, Irmã.
 
- Pode pagar em dinheiro?
 
- Não tenho dinheiro, Irmã.
 
- Em cheque, então?
 
- Também não, Irmã.
 
- Bem, o senhor tem algum parente que possa pagar a conta?
 
- Ah... Irmã, eu tenho somente uma irmã solteirona, que é freira, mas não tem um tostão.
 
E a Freira:
 
- Desculpe que lhe corrija, mas as freiras não são solteironas, como o senhor disse. Elas são casadas com Deus!
 
- Magnífico! Então, por favor, mande a conta pro meu cunhado!
 
E foi então, que nasceu a expressão: "Deus lhe pague".

Rio de Janeiro: recorde de vendas e empregos

Monitor Mercantil
“A indústria fluminense encerrou os seis primeiros meses deste ano com crescimento recorde de 23,3% nas vendasreais, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o boletim Indicadores Industriais, divulgado nesta quinta-feira pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). 

"É o melhor resultado para os indicadores de vendas reais fluminenses desde que a série foi iniciada, em 2003", disse o economista Guilherme Mercês, chefe da Divisão de Estudos Econômicos da Firjan. 

Ele explicou que o aumento das vendas no semestre foi puxado pelos setores de construção civil e automobilístico. "Esses dois setores foram determinantes para o resultado. Impulsionaram as indústrias significativamente", completou. 

Em junho, as vendas da indústria fluminense mostraram recuo de 3,2% em comparação a maio, em termos dessazonalizados. Já em relação a junho de 2009, houve incremento de 24,49%.”
Matéria Completa, ::Aqui::

Economia - 2

“A Petrobras, maior exportadora do país, encerrou o primeiro semestre deste ano com vendas externas de US$ 9,175 bilhões (preço FOB), segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). O resultado representa uma expansão de 140% em relação a igual período do ano passado, em consequência principalmente da recomposição dos preços internacionais do petróleo na comparação entre os períodos. Na comparação entre segundos trimestres, o crescimento foi de 111,5%, para US$ 4,734 bilhões. O resultado foi puxado pelo mês de maio, quando as vendas cresceram 133,6% ante o mesmo período do ano passado. Em junho, a alta foi de 86,3% (a menor do trimestre), para US$ 1,352 bilhão.” Monitor Mercantil 

Gramsci; Odeio os indiferentes


Texto longo mas, extremamente útil para reflexão


Odeio os indiferentes. Como Friederich Hebbel acredito que "viver significa tomar partido". Não podem existir os apenas homens, estranhos à cidade. Quem verdadeiramente vive não pode deixar de ser cidadão, e partidário. Indiferença é abulia, parasitismo, covardia, não é vida. Por isso odeio os indiferentes.

A indiferença é o peso morto da história. É a bala de chumbo para o inovador, é a matéria inerte em que se afogam freqüentemente os entusiasmos mais esplendorosos, é o fosso que circunda a velha cidade e a defende melhor do que as mais sólidas muralhas, melhor do que o peito dos seus guerreiros, porque engole nos seus sorvedouros de lama os assaltantes, os dizima e desencoraja e às vezes, os leva a desistir de gesta heróica.

O homem do lado de fora

Por Mauro Santayana
O rápido olhar para as notícias do mundo, nesta semana que anuncia agosto, dá a impressão de que o homem procura fugir de si mesmo, para longe de sua condição humana. A ciência anda em busca do truque de Deus, a famosa partícula de Bóson, e, nesse orgulhoso desafio, já consumiu, no acelerador de partículas do centro da Europa, mais de 10 bilhões de dólares. Esta mesma e orgulhosa ciência, que pretende reproduzir o momento exato da criação do Universo, ainda não foi capaz (ou não teve interesse) de salvar o homem da fome, das endemias e da insânia, que se manifesta, com maior gravidade, entre os grandes da Terra. 

" Não podemos sair do Afeganistão"

07/29/2010, Peter Hart, FAIR – Fairness and Accuracy in Reporting
Traduzido por Coletivo de tradutores da Vila Vudu e Caia Fittipaldi

Caso você tenha pensado que os documentos vazados pela página WikiLeaks poderiam mudar tudo, saiba: a revista Time que chega às bancas hoje mostra, na capa, uma mulher afegã desfigurada (sem nariz) e a manchete “O que acontece se sairmos do Afeganistão.”

O subtexto parece ser que, sem a presença do exército dos EUA, os Talibãs cometerão atrocidades inomináveis. Pode-se ver a capa e parte da matéria em:“Afghan Women and the Return of the Taliban”.

Novo padrão de manipulação de O Globo

por Jorge Furtado , em seu blog

Nestes sete anos e meio de governo Lula eu já tinha visto todo tipo de manipulação da imprensa a favor dos tucanos e contra o governo petista, mas o jornal O Globo de hoje desce mais um degrau rumo ao fundo do poço da credibilidade jornalística: numa matéria sobre declarações de Aloizio Mercadante o jornal simplesmente usou a resposta a uma pergunta, feita por um jornalista sobre um determinado assunto, como resposta a outra pergunta, de outro jornalista, sobre outro assunto! Parece absurdo demais, mas é a verdade.

Os reis do riso


No fim dos anos 80, os Mesquitas que mandavam no Estadão resolveram que era hora de oxigenar o jornal, mudar o comando da redação, de quebrar alguns tabus. Contrataram para a tarefa uma das estrelas do jornalismo de então.

Grupo terrorista Folha de S. Paulo ataca de novo

Folha: como contar mentira dizendo só a verdade
Por Roberto Takata
Sabe o mote dos anos 1980 da Folha: É possível contar um monte de mentiras dizendo só a verdade? Pois, então, a Folha acaba de cometer uma mentira dessas.

Diz a manchete: Em 20 anos, sobe 39% proporção de mortes neonatais

Pensará o leitor: nossa! estão morrendo mais bebês recém-nascidos!

Não. Aí está o engodo. A mortalidade infantil neonatal caiu em termos absolutos. Eram cerca de 20 mortes por mil nascidos em 1996 e passou pra cerca de 15 mortes por mil nascidos vivos em 2004. (Queda de 25% em 8 anos.)

Qual é o truque? O truque é que a mortalidade infantil pós-neonatal caiu de modo mais acentuado. Foi de 14 mortes por mil em 1996 para 7,7 mortes por mil em 2004. (Queda de 45% em 8 anos.)

Assim, claro que proporcionalmente a mortalidade neonatal aumentou em relação à mortalidade infantil geral.
Por Ernesto Camelo

Não me considero um analfabeto funcional. Mas juro que precisei ler várias vezes essa manchete da FSP para tentar entender o que queriam dizer.

Em 20 anos, sobe 39% proporção de mortes neonatais

Dados do Ministério da Saúde apontam mudança no perfil da mortalidade infantil no país. Em 1990, bebês com até 28 dias respondiam por 49% do total da mortalidade de crianças com até um ano de idade. Em 2008, a participação saltou para 68% (alta de 39%). Em 20 anos, o Brasil reduziu as mortes infantis (até um ano) em 54% graças a programas de vacinação e saneamento, entre outros fatores.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Confira a íntegra da sabatina com Aloizio Mercadante

"É claro que o PT tem ligações com as Farc", diz Alckmin

Herr Bornhausen diz que Dilma devia ser candidata em Cuba

esquerdopata

Serra no CQC

Índio é recebido por Obama na Casa Branca

Como eleger um Parlamento

Por Mauro Santayana
As eleições presidenciais costumam concentrar a atenção geral dos cidadãos, enquanto se relega a um segundo plano a escolha dos membros dos parlamentos, tanto os estaduais quanto o federal. Os partidos, sem programas e geralmente sem ideias, são negligentes na composição de suas chapas de candidatos ao Poder Legislativo. Essa incúria é seguida por grande parte do eleitorado, que atua com quase leviandade ao votar em muitos candidatos ao Parlamento. Felizmente, se for levada a sério, a Lei da Ficha Limpa – iniciativa da CNBB e da OAB, e apoiada, com decisão, por quase 2 milhões de eleitores – virá escoimar, talvez não neste pleito, mas nas eleições futuras, as casas legislativas de notórios escroques, estelionatários, criminosos vulgares. Eles se escudam no mandato parlamentar, a fim de escapar da justiça, uns, e para vender seu “prestígio” e seus votos, outros.

OS REVOLUCIONÁRIOS E AS ELEIÇÕES

Enviado por João Rocha , de Caraguatatuba. Longo, mais um ótimo texto para reflexão 

Prezados companheiros (as).
Em antigos textos podemos tirar lições e adaptalas em situações atuais. Neste trabalho de Hugo Blanco,   o que me chamou a atenção é referente a importância do momento eleitoral, a ascensão concedida da esquerda ao governo, o controle dos meios de produção. 
"Não podemos esquecer que Lula ganhou o governo não ganhou o poder. O governo se ganha no voto, o poder se ganha na luta."
OS REVOLUCIONÁRIOS E AS ELEIÇÕES
Hugo Blanco*
1.    Estado e Sociedades de Classes
Em todas as sociedades divididas em classes o domínio de uma minoria exploradora sobre a maioria da sociedade se manifesta através do Estado: poder político, jurídico, militar, ideológico e administrativo que garante o domínio econômico.

Fichas limpas

Colaborou Maria Cruz, de Ubatuba




Os fichas sujas não aparecerão aqui.

acesse:

Lou fala sobre sexo

Deixem os preconceitos, os mitos, os falsos moralismos religiosos. Libertem-se das ansiedades, das culpas e do medo do castigo!
orgasmo

Lou Micaldas

"...Raramente consigo atingir o orgasmo, sempre finjo, para não desagradar, ou para não parecer que sou ruim de cama... Sou muito insegura e tenho medo de perder meu companheiro..."

Esta é uma história muito mais comum do que imaginam homens e mulheres.

Na minha opinião, sempre é bom a mulher abrir o jogo quando não sentir o clímax, logo nos primeiros encontros, procurando indicar ao parceiro seus pontos mais sensíveis ao toque.

Porém, se a mulher sempre fingiu, não considero uma boa alternativa confessar que nunca tenha chegado ao orgasmo, após tanto tempo. Esta atitude só provocaria uma sensação de que ele foi enganado, causando uma perda de confiança na parceira, e também nele, somando-se ainda um complexo de culpa ou de impotência por não ter conseguido satisfazê-la. Uma pergunta ficaria martelando na cabeça dele: então vivemos este tempo todo uma farsa? O que passou, passou, não precisa ser mencionado.

Reconheço que falar de sexo ainda é um tabu pra algumas mulheres. Mas o nosso site está aqui pra desinibir e desenterrar sentimentos sufocados. Antes tarde do que nunca!

Alan Parsons Project - Time

Desejos são irrealizáveis por natureza

Vivemos em desejo. Desejo significa descontentamento. Desejo significa que, venha o que vier, não é o certo, não é o suficiente — é preciso mais. E o desejo nunca é satisfeito. É irrealizável por sua própria natureza.

Você pode ter tanto quanto quiser, mas, no momento em que tiver algo, o desejo pula à frente, começa a pedir mais. Sua ganância não tem limites. É uma ganância incessante.

É como o horizonte: parece tão perto — você chega lá em uma hora, se correr. Mas nunca chega. A distância entre você e o horizonte continua a mesma, constantemente a mesma, porque não há horizonte — é apenas uma ilusão. A terra não se encontra com o céu em lugar algum, só parece se encontrar.

Assim é com o desejo. Apenas parece que, se eu chegar àquele ponto, se obtiver isto ou aquilo, estarei contente, estarei feliz, realizado. Mas issonunca acontece.

É preciso compreender o desejo e sua futilidade. Com essa compreensão, o desejo desaparece, e você é deixado em casa em profunda paz. Quando não há desejo, não há perturbação. O desejo é a única perturbação.

Palavras do Osho

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava
Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos,
Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre,
Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
Carlos Drummond de Andrade

Não deu no jornal Nacional: benefício fiscal do Minha Casa, Minha Vida é prorrogado até 2014


Daniel Lima, Agência Brasil

“Os incentivos fiscais para o programa Minha Casa, Minha Vida vão durar até 31 de dezembro de 2014. O prazo terminava em dezembro de 2013, mas o governo decidiu alterá-lo por meio da Medida Provisória (MP) 497, publicada hoje (28) no Diário Oficial da União.
A MP aumenta também o valor comercial do imóvel que poderá ser considerado de interesse social abrangido no programa, passando de R$ 60 mil para R$ 75 mil. Isso implicará também maior número de imóveis oferecidos.

“Os preços dos imóveis influenciaram nessa decisão, mas não é só isso. A ideia é que o sistema se torne mais atrativo. Foi usado no sistema um preço de imóvel, mas eu suponho que, de tempos em tempos, ele terá que ser revisto”, disse o subsecretário de Tributação da Receita Federal, Sandro de Vargas Serpa.

Para ele, haverá grande benefício para os consumidores, porque um número maior de projetos deverá ser apresentado e, com isso, aumentará também o número de empreendimentos beneficiados com o regime especial de tributação do programa, aumentando a oferta de imóveis.

Esse regime especial, segundo Serpa, permite a construtoras e incorporadoras de imóveis pagar apenas 1% e não 6%, como normalmente, sobre um grupo de impostos, como o Imposto de Renda Pessoa Jurídica, a Contribuição para a Seguridade Social, Contribuição Social sobre Lucro Líquido e o Programa de Integração Social (PIS).

Com a medida, o governo deixará de cobrar R$ 20,25 milhões em impostos.”

Custo da construção civil cresceu menos em julho

Brasília Confidencial 

“O custo  da construção subiu menos entre 21 de junho e 22 de julho do que entre maio e junho, informou ontem a Fundação Getúlio Vargas ao divulgar o Índice Nacional doCusto da Construção. No último período pesquisado o aumento foi de 0,62% e manteve abaixo de 6% o ÍNCC acumulado desde janeiro.

A coordenadora da pesquisa, Ana Maria Castelo, disse que os preços de todos os itens que formam a cesta subiram menos em julho. Isso inclui os custos de materiais e equipamentos, dos serviços e da mão de obra.

O aumento de preços foi desacelerado em cinco das sete capitais avaliadas pela Fundação Getúlio Vargas para medir o INCC – Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Em Porto Alegre e Recife o custo da construção cresceu mais.”