sábado, 25 de setembro de 2010

Vox Populi aponta 2º turno em SP

Como até o mundo mineral desconfiava a "pesquisa" Datafolha é uma...
Vox Populi: pela primeira vez, pesquisa aponta 2º turno em SP
De acordo com pesquisa Vox Populi, divulgada pelo Jornal da Band na noite desta sexta-feira (24), as eleições estaduais em São Paulo podem ir para o segundo turno. O levantamento aponta Geraldo Alckmin (PSDB) com 40% das intenções de voto, contra 28% de Aloizio Mercadante (PT). No último levantamento realizado pelo Vox Populi, em agosto, Alckmin estava com 49% das intenções de voto e Mercadante tinha 17%. 
O candidato progressista Celso Russomanno oscilou dois pontos percentuais para baixo, e agora está com 7% da preferência dos eleitores, seguido por Paulo Skaf (PSB), que tem 3% e Paulo Bufalo com 2%. Brancos e nulos somam 7% e indecisos, 13%.
A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais, para mais ou para menos. O instituto ouviu 1500 eleitores, entre os dias 18 e 21 de setembro, e a pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 31.704/2010.
By: O Esquerdopata 

Vamos salvar São Paulo da Opus Dei

Opinião - Nara Leão interpreta Zé Kéti*



Podem me prender
Podem me bater
Podem, até deixar-me sem comer
Que eu não mudo de opinião
Daqui do morro
Eu não saio, não

Se não tem água
Eu furo um poço
Se não tem carne
Eu compro um osso
E ponho na sopa
E deixa andar
Fale de mim quem quiser falar
Aqui eu não pago aluguel
Se eu morrer amanhã, seu doutor
Estou pertinho do céu

*Zé Kéti
José Flores de Jesus
*16/9/1921 Rio de Janeiro, RJ
+14/11/1999 Rio de Janeiro, RJ 
Compositor. Cantor. 
by:com textolivre

INSIGNIFICANTE MINORIA ARTICULA GOLPE

Colaborou o leitor Germano, de Campinas


Opinião mais que sensata e que deve ser levada em conta por todos aqueles que amam verdadeiramente este País.

 
Em 3 de outubro 135.804.433 eleitores estarão aptos a votar. Destes, apenas 4% (5.432.177) desaprovam o governo Lula
Pois é em nome desses 4%, que o Clube Militar, a ANJ, a Abert, o Instituto Millenium e alguns “amigos da mídia” (que calaram durante a ditadura) resolveram falar nas vésperas das eleições,tentando convencer aos outros 96% de brasileiros que os que se insurgem contra a mídia convencional são inimigos da Democracia.
Não estamos contra a Democracia. Pelo contrário, lutamos durante a ditadura, e continuamos lutando, ainda hoje, pelas verdadeiras Liberdade de Imprensa e Liberdade de Expressão desde que não sejam, apenas, as do patrão – os donos da mídia.
Queremos uma mídia plural, onde todas as opiniões estejam presentes. Não essa mídia concentrada nas mãos de uma meia dúzia de famílias que conseguiram manter seus meios de comunicação vivos, pela subserviência aos caprichos dos ditadores e dos que os patrocinavam.
Não há Liberdade de Imprensa, quando os jornalistas contratados são apenas os que pensam como o dono do jornal.
Não há Liberdade de Expressão quando os meios que a levam aos olhos e ouvidos da Nação, não têm a imparcialidade necessária
Isso precisa ser repensado! E é isso que se pretende:
REPENSAR A MANEIRA COMO A NAÇÃO DEVE CONHECER AS DIVERSAS OPINIÕES
.
M. Pacheco – Jornalista

Jornalistas de Veja e Globo incitam militares contra Dilma



Convescote do Instituto Millenum, o do canto é o Arnaldo Jabor

Instituto Millenium, entidade que organizou mídia conservadora para ajudar Serra, promoveu encontro no RJ para discutir "ameaças" à democracia

Rio de Janeiro – Um debate entre colunistas de veículos da imprensa convencional promovido na quinta-feira (23) pelo Clube Militar no Rio de Janeiro serviu como reunião de "preparação" dos setores mais conservadores da sociedade brasileira. Eles pediram "vigilância" aos militares sobre um eventual governo de Dilma Rousseff (PT), em virtude do que consideram ser ameaças à democracia e à liberdade de expressão. Esses riscos se tornariam mais concretos em caso de vitória da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, nas próximas eleições.

Macunaíma não foi ao ato


Olhando-se as fotos da manifestação, nota-se que o cidadão comum, aquele que certos intelectuais costumam chamar de "macunaíma", não compareceu. "Juristas, acadêmicos e artistas, além de políticos tucanos", segundo o jornal O Estado de São Paulo, fizeram o Manifesto em Defesa da Democracia, no qual acusam o presidente Lula da Silva de "tramar contra as liberdades civis". O movimento inaugurado no Largo de São Francisco terá desdobramentos, segundo informa o Estadão. Manifestação semelhante foi programada para esta quinta-feira, no Rio. Muito simbolicamente, o ato foi marcado para a sede do Clube Militar, cenário de tantas conspirações golpistas. O artigo é de Luciano Martins Costa.

Cenas do resgate no Chile


metal cadente

Carga tributária no mundo

Mesmo peso; duas medidas!!

Pena de Morte e a Parcialidade da Opinião Pública Mundial


Teresa Lewis, uma americana, branca, de 41 anos, que recebeu a injeção letal no estado da Virgínia, apesar da deficiência mental de que padece.
A mulher se declarou culpada de contratar dois homens, em 2002, para assassinar seu marido e seu enteado para ficar com 350.000 dólares do seguro de vida do esposo.
Lewis tem coeficiente intelectual de 72, pouco mais do limite de 70, abaixo do qual se considera que a pessoa tem deficiência mental. A Suprema Corte proíbe as execuções de condenados com coeficiente mental inferior a 70.
O governador da Virgínia, Bob McDonnell, disse esta quinta-feira que "nenhum profissional de medicina concluiu que Teresa Lewis cumpre com a definição médica ou legal de uma pessoa com atraso mental", e portanto, manteve a execução da mulher.






Sakineh Mohammadi Ashtiani, iraniana, branca, 43 anos, condenada em 2006 à morte por apedrejamento sob a acusação de participação no assassinato do marido e adultério. Ainda está viva!





Opinião dO Cachete, endossada também por este blog:
Aonde estão os defensores dos Direitos Humanos no caso da Teresa Lewis???? E a imprensa brasileira? Por que não repercutiu o fato e colocou o "macaquinho no ombro de Obama" como fizeram com Lula? Será que a injeção letal é menos ruim do que apedrejamento? Bem, o resultado final é o mesmo!

Utilizar a morte de um ser humano como fato político para macular a imagem do Presidente Lula é mais um absurdo cometido pela imprensa local. O silêncio desta imprensa, que não associou o processo da Teresa Lewis ao processo da Sakineh Ashtiani, é hipócrita e parcial! Alô, Augusto Nunes! Alô, Reinaldo Azevedo! O Obama é um assassino insensível também???? Para vocês o Lula é!!! Não é? Hipócritas!!!!!

Este blogueiro é radicalmente contra a pena de morte... sob quaisquer condições ou fato gerador!
O cachete, via com textolivre

O futuro já chegou


Clique na imagem e conheça um jornal de verdade!

com textolivre

A imprensa como partido político

Esperei baixar a poeira. Em vão, porque a poeira existiu apenas na internet. E tudo porque me causou estranheza ler no diário cariocaO Globo (18/3/2010) a seguinte declaração de Maria Judith Brito, presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ) e executiva do grupo Folha de S.Paulo:
"A liberdade de imprensa é um bem maior que não deve ser limitado. A esse direito geral, o contraponto é sempre a questão da responsabilidade dos meios de comunicação e, obviamente, esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada. E esse papel de oposição, de investigação, sem dúvida nenhuma incomoda sobremaneira o governo."E como a poeira não baixou resolvi colocar no papel as questões que foram se multiplicando, igual praga de gafanhotos, plantação de cogumelos, irrupção de brotoejas. Ei-las:

1. É função da Associação Nacional de Jornais, além de representar legalmente os jornais, fazer o papel de oposição política no Brasil?

2. É de sua expertise mensurar o grau de força ou de fraqueza dos partidos de oposição ao governo?

3. Expirou aquela visão antiquada que tínhamos do jornalismo como sendo o de buscar a verdade, a informação legítima, para depois reportar com a maior fidelidade possível todos os assuntos que interessam à sociedade?

4. Como conciliar aquela função antiquada, própria dos que desejam fazer o bom jornalismo no Brasil, como tentei descrever na questão anterior, com a atuação político-partidária, servindo como porta-voz dos partidos de oposição?

5. Sendo o Datafolha propriedade de um dos grandes jornais do Brasil e este um dos afiliados da ANJ, como deveríamos fazer a leitura correta das pesquisas de opinião por ele trabalhadas? O Datafolha estaria também a serviço de uma oposição "que no Brasil se encontra fragilizada"?

6. Na condição de presidente da Associação Nacional dos Jornais (ANJ) será que Maria Judith Brito não se excedeu para muito além de suas responsabilidades institucionais?

7. Ou será próprio de quem brande o estatuto da liberdade de imprensa que entidade de classe de veículos de comunicação assuma o papel de oposição política no saudável debate entre governo e oposição?

8. Historicamente, sempre que um dirigente ou líder de partido político de oposição desanca o governo, seja justa ou injustamente, é natural que o governo responda à altura e na mesma intensidade com que o ataque foi desferido. Mas, no caso atual, em que a ANJ toma si para a missão de atuar como partido político de oposição, não seria de todo natural esperar que o governo reaja à altura do ataque recebido?

9. E, neste caso, como deveria ser encarada a reação do governo? Seria vista como ataque à liberdade de expressão? Ou seria considerado como legítima defesa de da liberdade de expressão ou de ideologia?

Claro e transparente

10. Durante o período de 1989 a 2002, em que a oposição política no Brasil esteve realmente fragilizada, e ao extremo, não teria sido o caso de a ANJ ter tomado para si as dores daquela oposição, muitas vezes, capenga?

11. E, no caso acima, como a ANJ acha que teriam reagido os governos Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso?

12. Com o histórico de nossos veículos de comunicação, muitos deles escorados em sua antiguidade, como aferir se há pureza de intenções por parte da ANJ em sua decisão de tomar para si responsabilidade que só lhe poderia ser concedida pelo voto dos brasileiros depositados nas urnas periodicamente? Não seria uma usurpação de responsabilidade?

13. Afinal, não é através de eleições democráticas e por sufrágio universal e secreto que a população demonstra sua aprovação ou desaprovação a partidos políticos?

14. Será legítimo que, assinantes de jornais e revistas representados pela associação presidida por Maria Judith Brito passem, doravante, a esmiuçar a cobertura política desses veículos, tentando descobrir qual a motivação dessa ou daquela reportagem, dessa ou daquela nota, dessa ou daquela capa?

15. E quanto ao direito dos eleitores de serem livremente informados... que garantias estes terão de que serão informados, de forma justa e o mais imparcial possível, das ações e idéias do governo a que declaradamente se opõe a ANJ?

16. Para aqueles autoproclamados guardiães da liberdade de expressão e do Estado democrático de direito: será papel dos meios de comunicação substituir a ação dos partidos políticos no Brasil, seja de situação ou de oposição?

17. Em isso acontecendo... não estaremos às voltas com clássica usurpação de função típica de partido político? E não seria esta uma gigantesca deformação do rito democrático?

18. Repudiam-se as relações deterioradas entre governo e mídia na Venezuela, mas ao que tudo indica nada se faz para impedir sua ocorrência no Brasil. Ironicamente, os maiores veículos de comunicação do país demonizam o país de Hugo Chávez. A origem do conflito político na Venezuela não está umbilicalmente ligado ao fato que na Venezuela os meios de comunicação funcionam como partido político de oposição, abrindo mão da atividade jornalística?

19. Esta declaração da presidente da ANJ, publicada no insuspeito O Globo, traduz fielmente o objetivo de a ANJ estabelecer a ruptura com o governo, afetar a credibilidade da imprensa e trazer insegurança a todos os governantes, uma vez que serve também aos governos estaduais e dos municípios onde a oposição estiver fragilizada?

20. Considerando esta declaração um divisor de águas quanto ao sempre intuído partidarismo e protagonismo político dos grandes veículos de comunicação do país, será que não seria mais que oportuno e inadiável a ANJ vir a público esclarecer tão formidável mudança de atitude e de missão institucional? Por que não abordar o assunto de forma clara e transparente nas páginas amarelas da revista Veja? Por que não convidar a Maria Judith Brito para ser entrevistada no programa Roda Vida da TV Cultura? Por que não convidá-la para o Programa do Jô? E para ser entrevistada pelo Heródoto Barbeiro na rádio CBN? Por que não solicitar a leitura de "Nota da ANJ"sobre o assunto no Jornal Nacional? Por que não submeter texto para publicação na seção "Tendências/Debates" do jornal Folha de S.Paulo, onde a presidente trabalha? De tão interessante não seria o momento de a revista Época traçar o perfil de Maria Judith Brito? E que tal ser sabatinada pela bancada do Canal Livre, da Band?

Prudente e sábio
Já que comecei falando de estranheza, estranhamento etc., achei esquisito a não-repercussão ostensiva da fala da presidente da ANJ junto aos veículos de seus principais afiliados. Estratégia política? Opção editorial? Ou as duas coisas?

Finalmente, resta uma questão de foro íntimo: que critério deverei usar, doravante, para separar o que é análise crítica própria de um partido político, para consumo interno de seus filiados, daquilo que é matéria propriamente jornalística, de interesse da sociedade como um todo?

Todos nós, certamente, já ouvimos centenas de vezes o ditado "cada macaco no seu galho". E todos nós o utilizamos nas mais diversas situações. O ditado é um dos mais festejados da sabedoria popular, é expressão de conhecimento, nascido da observação de fatos; um aprendizado empírico. Vem de longa data e se estabelece porque pode ser comprovado através da vivência e mais recentemente foi citado por Michel Foucault e Jurgen Habermas. No caso aqui abordado, o ditado popular cai como luva assim como as palavras de Judith Brito ficarão por muito tempo gravadas no bronze incorruptível da nossa memória.

Mesmo assim sinto ser oportuno aclarar que entendo como papel da mídia atividades como registrar, noticiar os fatos, documentar, fiscalizar os poderes, denunciar abusos e permitir à população uma compreensão mais ampla da realidade que nos abarca. Neste rol de funções não contemplo o de ser porta-voz de partido político, seja este qual for. Ora, o governo tem limites de ação: operacionais, constitucionais, políticos. A mídia, quando não investida de poderes supraconstitucionais, também tem seus limites que não são tão flexíveis a ponto de atender as conveniências dos seus proprietários ou concessionários. É prudente e sábio reconhecer que em uma sociedade democrática todos os setores precisam de regulação – e a mídia não é diferente. E é bom que não seja. Afinal, a lei é soberana e a ela todos devem se submeter, já escrevia o pensador Shoghi Effendi (1897-1957) na segunda metade de 1950. Nada mais atual que isto.
Washington Araújo 
By:  Observatório da Imprensa,via com textolivre

Revista Veja: "Incêndio em favela atrapalha trânsito"

"Morreu na contramão atrapalhando o tráfego"
(Da música 'Construção', de Chico Buarque)
Mais uma favela pegou fogo em São Paulo, onde os governos demo-tucanos reinam por 16 anos (na verdade, é o mesmo grupo há 27 anos, desde 1983), e deixam um legado de problemas sem solução, incluindo estes de falta de moradia popular.
E é sintomático a visão "elitista" da revista Veja ao retratar o problema: o fogo na "senzala" atrapalha a passagem das carruagens da "casa grande".
By: Os Amigos do Presidente Lula,via com textolivre

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Quem ameaça a liberdade de expressão



Os que participaremos do ato público de hoje contra o golpismo midiático jamais dissemos uma só palavra de ameaça à liberdade de expressão. A maioria de nós é composta por pessoas que, de uma forma ou de outra, bem sabem o preço que o país pagou durante um período em que não havia liberdade de imprensa ou de qualquer outro tipo de expressão do pensamento.
A ditadura militar que este país viveu entre 1964 e 1985, que só permitiu a eleição de um presidente civil depois de vinte e um anos, foi quem, a qualquer tempo da história mais recente, atentou contra as liberdades individuais, das quais a liberdade de imprensa e de expressão do pensamento emergem como os valores de mais alto relevo.
A ditadura militar que se instalou neste país na segunda metade do século XX foi gestada por aqueles contra os quais protestaremos hoje. Impérios de comunicação como as Organizações Globo, o Grupo Folha e o Grupo Estado, pelo menos, fizeram campanha pela derrubada do governo Jango Goulart no auge daquele ano que tardou mais 21 anos para terminar
A campanha denuncista que esses empresários da comunicação moveram há 46 anos contra o governo do qual não gostavam, mas que fora eleito de forma inquestionavelmente legítima e democrática, foi usada como justificativa pelos chefes militares da nação para derrubarem aquele governo e, posteriormente, perpetuarem-se no poder pelas duas décadas seguintes.
No começo, essa imprensa sustentou e legitimou o golpe de Estado que ajudou a dar com opiniões e notícias distorcidas em seus veículos, um noticiário que, hoje, nos volta à mente. Contudo, como todos sabem como começa uma ditadura mas ninguém nunca sabe como termina, os veículos de apoio ao golpismo acabaram virando alvo dos que executaram o golpe.
Quando despertaram de seus devaneios totalitários de calarem e esmagarem os divergentes, já era tarde. As redações dos que pediram o golpe encheram-se de esbirros do regime, que proibiam a divulgação de tudo o que não lhes interessava ver divulgado, sobretudo as opiniões discordantes do que estava acontecendo no país.
Hoje, tantas décadas depois, os mesmos Globo, Folha, Veja, Estadão e alguns outros voltam à campanha denuncista contra o governo legitimamente eleito da vez, exatamente como fizeram há quase meio século. Em 2014 o país assistirá ao cinqüentenário da “revolução” de 1964 sem que esses magnatas das comunicações tenham compreendido que perderam o poder de derrubar governos dos quais não gostem, substituindo-os por amigos.
Estarmos em um ato público de denúncia do histórico golpismo midiático de que padecem essas poucas famílias que controlam a comunicação no Brasil, que chegam a usar concessões públicas de rádio e tevê, que pertencem a cidadãos de todas as ideologias e preferências políticas, para favorecerem políticos amigos e atacarem seus adversários, é prova de que o Brasil mudou.
Um dia, as famílias Marinho, Frias, Mesquita, Civita e mais algumas de menor poder econômico lograram calar as vozes dos seus críticos valendo-se de aliança com o grande empresariado, com os estratos superiores da pirâmide social e com as Forças Armadas. Hoje, entretanto, não se sabe se as tropas desta última instituição se dariam à loucura de romper a legalidade institucional.
Como nunca se sabe se os milhares de brasileiros engajados nas Forças Armadas e subordinados a chefes militares entre os quais figuram aqueles que um dia violaram a democracia brasileira seriam obedientes a ordem desses superiores de implementarem novo golpe, foi convocado um ato contra o golpismo midiático histórico que vige neste país.
O que se quer, com o protesto contra o golpismo, não é calar as vozes daqueles que se contrapõem ao governo que a maioria indiscutível e ampla dos brasileiros elegeu. O que se quer é que esses que são destinatários de arcas incontáveis de dinheiro público tenham responsabilidade social no trabalho que fazem.
Responsabilidade social da imprensa, pois, é ela dar à sociedade TODOS os fatos, TODAS as versões desses fatos e TODAS as opiniões de TODOS os lados envolvidos na disputa política pelo governo da nação. E é por isso que peço apoio de TODOS os brasileiros ao protesto democrático contra o histórico golpismo midiático que flagela este país há tanto tempo.
blog da cidadania

Qualquer semelhança com o "Manifesto pela Democracia" tucana e pigueana não é mera coincidência

Neste vídeo trechos de editoriais de jornais brasileiros logo após o golpe militar de 1º de abril de 1964. 

Maria Frô

Lula repudia acusação de que ameaça democracia



O presidente Lula repudiou ontem, durante comício na periferia de Curitiba (PR), as acusações oposicionistas de que ele, o PT e Dilma ameaçam a democracia.
“Agora inventam o discurso que nós ameaçamos a democracia. Os donos do engenho são os democratas e os moradores da senzala são contra a democracia. Para eles, democracia era bom no tempo em que a gente podia se reunir em praça pública apenas para gritar que estava com fome. Para nós, democracia é comer, estudar, trabalhar, ter acesso à cultura e lazer. É isso que incomoda”, afirmou o presidente.
A reação de Lula coincidiu com a realização, no centro de São Paulo, de um ato denominado Se Liga Brasil, estrelado por alguns ministros do Governo Fernando Henrique, assim como por dissidentes petistas, anunciado e filmado pela assessoria da campanha do candidato tucano José Serra.
O ato foi promovido em nome da defesa da democracia, da liberdade de imprensa e de expressão e dos direitos individuais.
Manifesto lido pelo jurista Hélio Bicudo, dissidente do PT, condenou a participação do presidente Lula na campanha da petista Dilma Rousseff e a “ação de grupos” que atuariam contra a imprensa.
“É aviltante que o governo estimule e financie a ação de grupos que pedem abertamente restrições à liberdade de imprensa, propondo mecanismos autoritários de submissão de jornalistas e de empresas de comunicação às determinações de um partido político e de seus interesses”.
Outra personalidade, o advogado Reale Júnior, que foi ministro da Justiça no Governo FHC, acusou o PT de fazer ameaças a jornalistas.
“A imprensa, quando denuncia a corrupção, é transformada no partido da imprensa golpista. Ou seja, não existe mais liberdade de denunciar aquilo que envergonha o país, que é a maracutaia dentro do Palácio do Planalto”, afirmou.
José Carlos Dias, também ministro da Justiça de FHC, disse que se instalou no país o que chamou de um caudilhismo assustador.
Em Curitiba, a presidenciável Dilma Rousseff acusou a campanha oposicionista de, “na hora do desespero, levantar falsidades e mentiras” e “tentar criar clima de ódio no Brasil”.
Tanto Dilma quanto Lula criticaram também as promessas de José Serra, de aumentar o salário mínimo e o público beneficiário do Bolsa Família.
”Meu adversário vive prometendo, mas a gente tem que sempre lembrar: quando estavam no governo, não criaram Bolsa Família coisíssima nenhuma, não aumentaram o salário mínimo. Hoje, perto da eleição, vão e prometem mundos e fundos pensando que o povo é tolo”, disse Dilma.
By: Brasília Confidencial, via com textolivre

Corrida de dez dias

De hoje à data da eleição teremos dez dias de manchetes nos jornais e duas edições da "Veja". Não sei até quando podem ser publicadas as pesquisas sobre intenção de voto, mas até a última publicação — aquela que, segundo os céticos, é a mais confiável, pois é a que garante a credibilidade e o futuro dos pesquisadores — veremos uma corrida emocionante: o noticiário perseguindo os índices da Dilma para tentar derrubá-los antes da chegada, no dia 3.
O prêmio, se conseguirem, será um segundo turno. Se não conseguirem, a única duvida que restará será: se diz a presidente ou a presidenta?
Até agora as notícias de corrupção na Casa Civil não afetaram os índices da Dilma. Estou escrevendo na terça, talvez as últimas pesquisas mostrem um efeito retardado. Mas ainda faltam dez dias de manchetes e duas edições da "Veja", quem sabe o que virá por aí?
O governo Lula tem um bom retrospecto na sua competição com o noticiário. A popularidade do Lula não só resistiu a tudo, inclusive as mancadas e os impropérios do próprio Lula, como cresceu com os oito anos de denúncias e noticiário negativo.
Desde UDN x Getúlio nenhum presidente brasileiro foi tão atacado e denunciado quanto Lula. Desde sempre, nenhum presidente brasileiro acabou seu mandato tão bem cotado.
Acrescente-se ao paradoxo o fato de que o eleitorado brasileiro é tradicionalmente, às vezes simplisticamente, moralista. Elegeu Janio para varrer a sujeira do governo Juscelino, elegeu Collor para acabar com os marajás, aplaudiu a queda do Collor por corrupção presumida e houve até quem pedisse o impedimento do Itamar por proximidade temerária com calcinha transparente.
Mas o moralismo tornou-se politicamente irrelevante com Lula e, por tabela, para os índices da Dilma . É improvável que volte a ser decisivo em dez dias. Mas nunca se sabe. O que talvez precise ser revisado, depois dos oito anos do Lula e depois destas eleições, quando a poeira baixar, seja o conceito da imprensa como formadora de opiniões.
Mas a corrida dos dez dias começa hoje e seu resultado ninguém pode prever com certeza. Virá alguma bomba de fragmentação de última hora ou tudo que poderia explodir já explodiu? O que prevalecerá no final, os índices inalterados da Dilma ou o noticiário? Faça a sua aposta.
Luis Fernando Veríssimo

Na casa da república


Vale a pena reproduzir a notícia inteira da Agência Brasil.
Seria cômico se não fosse trágico.
Destaque para o fim, quando o general-presidente do Clube Militar diz que “as vezes em que os militares intervieram no processo político no Brasil foi para manter a democracia. Jamais para censurar a imprensa”.
Sensacional:

Rio de Janeiro - O salão do Clube Militar, no centro do Rio, ficou lotado para um debate intitulado A Democracia Ameaçada – Restrições à Liberdade de Expressão. A plateia, formada quase na totalidade por militares da reserva, ouviu os jornalistas Merval Pereira, de O Globo, Reinaldo Azevedo, da revista Veja, e Rodolfo Machado, diretor de Assuntos Legais da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).
Merval Pereira criticou as relações de dominação de determinados governos latino-americanos com a mídia, mas afirmou que os brasileiros reagiriam para evitar que isso viesse a ocorrer aqui. “Eu acho que a sociedade brasileira está muito madura, muito forte, e vai reagir se houver qualquer tentativa de se ultrapassar a Constituição”, afirmou o colunista de O Globo.
Para Reinado Azevedo, a possibilidade de haver um aumento da ingerência estatal sobre os meios de comunicação é possível. “Se as propostas que estão no Programa Nacional dos Direitos Humanos, na Confecom [Conferência Nacional de Comunicação] e na Conferência de Cultura se transformarem em projetos de lei, e esses forem aprovados pelo Congresso, então, o risco realmente existe”, afirmou o jornalista da Veja.
Já o representante da Abert demonstrou não acreditar no acirramento da relação do Estado com os meios de comunicação e descartou ameaça à liberdade de expressão. “Não se chega a correr um risco concreto. Mas é importante que a sociedade sempre se mantenha atenta, para manter essa conquista que foi tão árdua de ser obtida. As instituições brasileiras são extremamente sólidas e não correm risco. O presidente Lula já demonstrou, por mais de uma vez, que é um grande apreciador da liberdade de imprensa e eventuais declarações que tenham fugido um pouco a isso devem ser atribuídas ao momento eleitoral que o país atravessa”, afirmou Rodolfo Machado.
Do lado de fora, um grupo de 20 estudantes da União da Juventude Socialista (UJS) entrou em confronto com seguranças do Clube Militar. A presidente estadual da UJS, Monique Lemos, disse que o tumulto começou quando seguranças do clube tentaram tirar os estudantes da calçada em frente ao clube. “A forma como fomos tratados é de uma hipocrisia sem limites. Querem defender a liberdade de imprensa e não defendem a liberdade de expressão”, reclamou.
O presidente do Clube Militar, general da reserva César Tibau, rebateu a crítica da estudante. Disse não haver contradição na promoção do debate. E aproveitou para defender as Forças Armadas. “As vezes em que os militares intervieram no processo político no Brasil foi para manter a democracia. Jamais para censurar a imprensa”, afirmou o general.
Crônicas do Motta

Medidas contra ataques de baixo nível dos adversários



O deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP), coordenador jurídico da campanha de Dilma Rousseff, informou hoje que o Partido dos Trabalhadores ingressou com pedido de abertura de inquérito policial junto ao Ministério Público para apurar a prática de crime eleitoral e identificar os autores de vídeos que atacam a honra da candidata e do partido na Internet.
“O objetivo é apurar crime, quem são os criadores. Há indícios veementes que são nossos adversários os autores desse vídeo. Mas, queremos que isso seja apurado pela polícia. Nós não temos a postura de fazer acusações sem apurações, ao contrário do que vem ocorrendo conosco”, explicou.
Além disso, a coligação Para o Brasil Seguir Mudando deu entrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com uma ação pedindo retirada imediata dos vídeos no YouTube, sem prejuízo das demais ações cabíveis no âmbito da legislação eleitoral.
YouTube
A coligação também enviou ofício ao Google, que administra do YouTube, para que os vídeos sejam retirados do ar e que a empresa identifique quem publicou as peças de baixo nível na Internet.
A campanha de Dilma Rousseff recebeu informações de que a rede de mobilização do PSDB na Internet teria enviado e-mails aos eleitores cadastrados por volta das 15h de ontem, pedindo que ajudassem a disseminar as peças a partir das 17h.
“Consideramos que esse tipo de atitude revela uma intenção absolutamente deplorável no processo eleitoral. Nós continuaremos fazendo campanha de alto nível, propositiva e repudiando iniciativas dessa natureza de baixíssimo nível onde efetivamente me parece que a ética é rasgada literalmente pelo nosso principal antagonista”, disse Cardozo.
Marketing antiético
Para o coordenador da campanha, não há dúvidas de que os ataques de baixo nível dos adversários indicam o desespero de quem não está preparado para debater propostas.
“Não tenho a menor dúvida de que é desespero. A pessoa quando chega a esse nível de sofisticação, com essa característica de baixíssimo nível e peças bem feitas, caras, é uma baixaria bem rotulada, pensada, estruturada. Numa estratégia de marketing antiético. Isso só pode ter uma explicação. Quem não tem argumentos para enfrentar a realidade, quem se vê impotente de vencer o adversário, que tem melhores condições políticas pelos seus argumentos, ao invés de tentar mostrar falhas do nosso programa, falhas do nosso governo, ele age colocando o presidente Lula no seu programa e, ao mesmo tempo, nos atingindo do modo mais vil possível”, disse.
Segundo ele, é ainda mais lamentável a postura dos adversários com esse tipo de iniciativa justamente quando a sociedade reclama por ética na política.
By: Dilma13
Veja os vídeos da campanha "limpa" e de "alto nível" dos tucanos:


Folha confirma que vídeos de baixaria são do PSDB

Não é mais segredo que há uma briga interna pelos rumos da comunicação na campanha de José Serra. O PSDB levou à internet um pacote de comerciais que associam a adversária Dilma Rousseff aos chamados radicais do PT.
Em um deles, os petistas são comparados a cães furiosos. Em outro, o rosto de Dilma se funde ao do ex-ministro José Dirceu.
Acontece que o coordenador de comunicação da campanha, Luiz Gonzalez, resiste à veiculação desse material. "Ele insiste na estratégia de exaltar as qualidades de Serra", informa Catia Seabra, repórter de Poder da Folha.
Segundo a jornalista, aos tucanos, ele repete que é preciso aproveitar a fragilidade de Dilma para oferecer Serra como alternativa de poder.
com textolivre

Vídeo da entrevista de Lula

A mídia comercial em guerra contra Lula e Dilma



O que está ocorrendo já não é um enfrentamento de idéias e de interpretações e o uso legítimo da liberdade da imprensa. Está havendo um abuso da liberdade de imprensa que, na previsão de uma derrota eleitoral, decidiu mover uma guerra acirrada contra o Presidente Lula e a candidata Dilma Rousseff. Nessa guerra vale tudo: o factóide, a ocultação de fatos, a distorção e a mentira direta. Precisamos dar o nome a esta mídia comercial. São famílias que, quando vêem seus interesses comerciais e ideológicos contrariados, se comportam como “famiglia” mafiosa. 
Sou profundamente pela liberdade de expressão em nome da qual fui punido com o “silêncio obsequioso”pelas autoridades do Vaticano. Sob risco de ser preso e torturado, ajudei a editora Vozes a publicar corajosamente o “Brasil Nunca Mais” onde se denunciavam as torturas, usando exclusivamente fontes militares, o que acelerou a queda do regime autoritário.

KKKKK!!!!! A Folha diz que vai apurar o caso das Verônicas. Só vendo pra crer!!!




VERÔNICAS: A “FOLHA” ESTÁ APURANDO






Leio no Blog do Nassif um post sobre a carta do leitor Ricardo Montero enviada à ombudsman da Folha de S.Paulo, Suzana Singer, na qual ele questiona as razões de o jornal paulistano não ter repercutido a informação, publicada na “CartaCapital”, sobre a monumental quebra de sigilo bancário levada a cabo pela empresa Decidir.com, das sócias Verônica Serra, filha de José Serra, e Verônica Dantas, irmã de Daniel Dantas.

Serra convoca Neymar para derrubar Dilma





A cara da Folha de S.Paulo


Não acredito, sem conferir, em absolutamente nada do que diz ou escreve a antiga imprensa (com a possível exceção dos resultados esportivos, e olhe lá). Além de cometer muitos erros, o que é compreensível numa produção diária de notícias, eles mentem sem o mínimo pudor, com bastante frequência, a respeito de quase tudo, quase sempre para beneficiar a candidatura de José Serra, mas isso deve ser coincidência. O senhor Rubnei Quícoli (foto) - preso por receptação e venda de roubo, intimidação de testemunha e ameaça de morte - é a nova cara da antiga imprensa, que o Brasil passa agora a conhecer um pouco melhor. O artigo é de Jorge Furtado.